sábado, 5 de dezembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

13° salário e as obrigações dos empregadores

Alessandra Costa

A legislação atual prevê que todos os empregadores deverão conceder a gratificação natalina aos empregados que desenvolveram atividade laborativa no ano em curso. Neste contexto, é imprescindível que sejam observadas rigorosamente as regras que norteiam o pagamento da gratificação natalina, minimizando assim, problemas com a fiscalização do Ministério do Trabalho e Emprego ou demandas perante a Justiça.

terça-feira, 20 de novembro de 2007


Décimo terceiro salário e as obrigações dos empregadores

Alessandra Costa*

A legislação atual prevê que todos os empregadores deverão conceder a gratificação natalina aos empregados que desenvolveram atividade laborativa no ano em curso.

Neste contexto, é imprescindível que sejam observadas rigorosamente as regras que norteiam o pagamento da gratificação natalina, minimizando assim, problemas com a fiscalização do Ministério do Trabalho e Emprego ou demandas perante a Justiça.

Hoje, a citada gratificação, também denominada 13º salário, tem suas regras definidas na Lei nº. 4.090/1962 (clique aqui), Lei nº. 4.749/1965 (clique aqui) e Decreto nº. 57.155/1965 (clique aqui), além de estar prevista no próprio texto constitucional.

O 13º salário é devido a todos os empregados urbanos, rurais e domésticos, conforme prevê o art. 7º, VIII e parágrafo único, da Constituição Federal de 1988 (clique aqui). Desse modo, os contribuintes individuais, tais como: autônomos, empresários, sócios, cooperados, entre outros, não farão jus ao recebimento de 13º salário, em nenhuma hipótese.

Entre os meses de fevereiro e novembro de cada ano, o empregador está obrigado a pagar, como adiantamento da gratificação, de uma só vez, metade do salário recebido pelo empregado no mês anterior. Este adiantamento corresponderá à primeira parcela do 13º salário.

A segunda parcela, por sua vez, deverá ser paga até o dia 20 de dezembro de cada ano, tomando-se por base a remuneração devida nesse mês, de acordo com o tempo de serviço do empregado no ano em curso. A importância paga a título de adiantamento será deduzida da segunda parcela.

O valor do 13º salário corresponderá a 1/12 da remuneração devida em dezembro, por mês de serviço, do ano correspondente, sendo que a fração igual ou superior a 15 (quinze) dias de trabalho será havida como mês integral. Desse modo, para o empregado que for admitido no curso do ano, ou, que durante este, não permanecer à disposição do empregador durante todos os meses, o 13º salário será proporcional.

O empregador não estará obrigado a pagar o adiantamento no mesmo mês a todos os seus empregados, salvo se existir previsão em documento coletivo mais benéfica.

Vale ressaltar ainda, que o adiantamento do 13º salário poderá ser pago juntamente com as férias do empregado, desde que o trabalhador faça o requerimento no mês de janeiro do correspondente ano.

Caso ocorra a extinção do contrato de trabalho, salvo na hipótese de rescisão com justa causa, o empregado fará jus ao recebimento da gratificação natalina devida no ano em curso, mesmo quando proporcional.

Se o empregador efetuar o pagamento em atraso do 13º salário, estará sujeito à multa administrativa de 160 Ufir por empregado, dobrado em caso de reincidência, conforme prevê a Portaria do Ministério do Trabalho e Emprego nº. 290/1997 (clique aqui). A unidade de Ufir corresponde a R$ 1,0641.

A gratificação natalina é salário-de-contribuição. Desse modo, a contribuição devida ao INSS referente ao 13º salário incidirá sobre o valor bruto da gratificação, sem compensação do adiantamento pago (1ª parcela), mediante aplicação, em separado, da tabela de contribuição mensal.

O citado recolhimento previdenciário (cota patronal e do empregado) deverá ser realizado até o dia 20 de dezembro. Caso não haja expediente bancário nesta data, o recolhimento deverá ser antecipado, conforme prevê o art. 216, § 1º do Decreto n°. 3.048/1999 (clique aqui).

O depósito de FGTS, por sua vez, será devido sobre a primeira e segunda parcelas do 13º salário, a ser recolhido até o dia 7 do mês seguinte ao do pagamento. Caso não haja expediente bancário neste dia, o pagamento também deverá ser antecipado, por força do art. n°. 15 da Lei nº. 8.036/1990 (clique aqui).

Salário variável

Devido a impossibilidade do empregador apurar a remuneração total até 20 de dezembro do empregado que recebe salário variável, a legislação estabeleceu regras específicas para este caso.

Assim, para os trabalhadores que recebem salário variável, a qualquer título, o adiantamento do 13º salário será calculado na base da soma das importâncias variáveis devidas nos meses trabalhados até o mês anterior àquele em que se realizar o mesmo adiantamento. Se o empregador realizar o pagamento da primeira parcela em novembro, por exemplo, deverá fazer a média das comissões dos meses de janeiro até outubro, e pagará a metade desse valor em novembro ao empregado.

A segunda parcela da gratificação natalina será calculada na base de 1/11 (um onze avos) da soma das importâncias variáveis devidas nos meses trabalhados até novembro de cada ano, deduzindo-se o que já foi pago (primeira parcela). A essa gratificação será somada a parcela do salário contratual fixo, se for o caso.

Até o dia 10 de janeiro de cada ano, computada a parcela do mês de dezembro, o cálculo da gratificação, será revisto para 1/12 (um doze avos) do total devido no ano anterior, processando-se a correção do valor da respectiva gratificação com o pagamento ou compensação das possíveis diferenças.

Nota-se porém, que há entendimento no sentido de que o pagamento de possíveis diferenças da gratificação natalina provenientes de salário variável deva ser realizado até o 5º (quinto) dia útil de janeiro, por força da art. n°. 459, parágrafo único, da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT - clique aqui -). Todavia, vale frisar que a citada corrente não é majoritária, cabendo ao empregador optar pelo entendimento que julgar mais adequado.

_______________

*Consultora Trabalhista/Previdenciária, palestrante e instrutora de Cursos pela FISCOSoft Editora







___________

Atualizado em: 19/11/2007 10:25

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Gustavo Abdalla

Migalheiro desde 2019

Henrique de Melo Pomini

Migalheiro desde 2020

Pablo Domingues

Migalheiro desde 2017

Ricardo Penteado

Migalheiro desde 2008

Diego Mancini Aurani

Migalheiro desde 2020

Miguel Reale Júnior

Migalheiro desde 2003

Vanessa Mollo

Migalheira desde 2019

João Ibaixe Jr

Migalheiro desde 2019

Flávia Pereira Ribeiro

Migalheira desde 2019

Roberto Rosas

Migalheiro desde 2015

Publicidade