segunda-feira, 23 de novembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Os novos senhores de escravos

Ao ler periodicamente nossos principais veículos de comunicação e ser informada da "maravilha" dos lucros dos bancos, ao ensejo da data da consciência negra parto para a seguinte reflexão quanto ao período negro que foi a escravidão no Brasil.

sexta-feira, 23 de novembro de 2007


Os novos senhores de escravos

Sylvia Romano*

Ao ler periodicamente nossos principais veículos de comunicação e ser informada da "maravilha" dos lucros dos bancos, ao ensejo da data da consciência negra parto para a seguinte reflexão quanto ao período negro que foi a escravidão no Brasil.

Nós pobres brasileiros quando, com muito sacrifício, conseguimos guardar um "troquinho" e aplicamos na poupança, o nosso ganho fica em média em 0,60% a 0,70% ao mês, o que - toda dona-de-casa sabe - nem cobre a variação da inflação da cesta básica. Quando nós pessoas físicas, profissionais e empresários, entramos no cheque especial, o que vem a ser uma constante para a maioria, os juros cobrados passam dos 10%, chegando em alguns casos a 12%, fora as taxas de talão de cheque, cheque abaixo do valor mínimo, seguro, cartão magnético e por aí afora, numa sanha exploradora que não tem fim. Não vou falar nem da CPMF que, infelizmente, nosso governo acha imprescindível - imprescindível só se for para manter o AEROLULA, outros brinquedinhos e achegos a que todo político é acostumado.

Só para ilustrar, se um correntista no dia 1° de julho de 1994 (data do lançamento do real) tivesse depositado R$ 100,00 (cem reais) na poupança em qualquer banco, teria hoje a extraordinária quantia de R$ 374,00 (trezentos e setenta e quatro reais). Em contrapartida, se este mesmo correntista tivesse sacado aqueles mesmos R$ 100,00 no cheque especial, na mesma data, teria uma pequena dívida de R$ 139.259,00 (cento e trinta e nove mil e duzentos e cinqüenta e nove reais). Ou seja, os próprios números falam por si... E ninguém fala nada, ninguém faz nada, nem a grande maioria da mídia se manifesta. Será que as polpudas verbas publicitárias não são um "cala boca" contra este absurdo?

Do jeito que a coisa vai, qual juiz terá moral daqui a pouco para julgar um ladrão, seja qual for o montante do roubo? Um agiota, então nem se fala. Nos velhos tempos e, ainda hoje, qualquer agiota que venha a cobrar um juro de 5% é passível de prisão. Ninguém pode explorar a necessidade alheia. Este direito é único e exclusivo das entidades financeiras e dos bancos.

Mas o que um banco produz? Cada vez mais informatizados e com um número menor de funcionários, os bancos geram a riqueza só para os seus proprietários e, ao mesmo tempo, causam a desgraça da maioria escravizada cada vez mais pelas dívidas que, para sobreviver, tem de assumir junto a estes novos senhores de escravos. Vamos criar o dia da consciência dos explorados pelos bancos.

__________




*Advogada do escritório Sylvia Romano Consultores Associados










______________

Atualizado em: 21/11/2007 12:18

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Sílvio de Salvo Venosa

Migalheiro desde 2019

Marco Aurélio Mello

Migalheiro desde 2014

Carlos Barbosa

Migalheiro desde 2019

Jones Figueirêdo Alves

Migalheiro desde 2011

Marília Lira de Farias

Migalheira desde 2020

Vanessa Mollo

Migalheira desde 2019

Ricardo Penteado

Migalheiro desde 2008

Gilberto Giusti

Migalheiro desde 2003

Levi Rezende Lopes

Migalheiro desde 2020

Diogo L. Machado de Melo

Migalheiro desde 2008

Miguel Reale Júnior

Migalheiro desde 2003

Publicidade