segunda-feira, 18 de janeiro de 2021

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Exame de Ordem - Salvaguarda da sociedade

Sempre defendi uma participação mais efetiva, mais vigorosa e um envolvimento mais altivo e ativo da Ordem dos Advogados do Brasil nos negócios inerentes à formação, aperfeiçoamento, capacitação e compreensão ética dos profissionais da advocacia. O Processo seletivo de admissão dos novos advogados tem sido fundamental para aferição dos conhecimentos mínimos capazes de habilitar o jovem profissional no mercado competitivo, complexo e extremamente qualificado que vivemos.

quarta-feira, 28 de novembro de 2007


Exame de Ordem - Salvaguarda da sociedade

Carlos Pessoa de Aquino*

Sempre defendi uma participação mais efetiva, mais vigorosa e um envolvimento mais altivo e ativo da Ordem dos Advogados do Brasil nos negócios inerentes à formação, aperfeiçoamento, capacitação e compreensão ética dos profissionais da advocacia. O Processo seletivo de admissão dos novos advogados tem sido fundamental para aferição dos conhecimentos mínimos capazes de habilitar o jovem profissional no mercado competitivo, complexo e extremamente qualificado que vivemos.

O Provimento n°. 109/05 do Conselho Federal da OAB tornou obrigatória a submissão do Bacharel em Direito ao Exame de Ordem para seu ingresso no quadro de advogados. Mais do que uma exigência trata-se de uma conquista da cidadania tendo por escopo um profissional qualificado para o exercício de uma atividade cuja demanda muitas vezes impõe a garantia das liberdades, da vida, de Direitos fundamentais, da Democracia, do respeito à Lei, à Ordem e ao Estado Democrático de Direito. Os bens tutelados pelo advogado são por demais importantes, relevantes e profundos para se deixar cuidar pelo despreparo, desconhecimento, incompetência ou incapacidade.

Segundo as próprias Diretrizes Curriculares Nacionais (DCN) para os cursos de Direito, emitidas pelo Conselho Nacional de Educação, o Bacharel em Direito deve possuir uma sólida formação geral, axiológica, humanística, de análise, de conceitos, de terminologia jurídica, de interpretação e valorização dos fenômenos jurídicos e sociais. Assim sendo, impõe-se uma rigorosa e intangível fiscalização das Instituições superiores para fornecer esse conhecimento, essa preparação à molde da lapidação dos futuros profissionais do Direito e sua perfeita adequação às exigências legais e sobretudo da própria Sociedade que recolherá serviços da melhor qualidade acrescidos de sólida preparação ética que mais do que fundamental é imprescindível a qualquer profissional . O que definitivamente não precisamos e podemos facilmente prescindir é do conflito de posições estabelecidos entre o Ministério da Educação e Cultura - MEC e a Ordem dos Advogados do Brasil OAB.

Louve-se as iniciativas da nossa Ordem em envidar esforços ingentes à qualificação dos serviços advocatícios. O compromisso de ambas as Instituições deve ser sempre, com a Cidadania, com as justas aspirações dos jurisdicionados, da comunidade, da Sociedade e do Brasil. Para tanto há de se consolidar as estratégias do MEC e da OAB para o bem comum de acordo e compatível com a magnitude que o caso impõe e requer. Não há que se falar em oposição à criação de novas Faculdades de Direito, pois a multiplicidade de Instituições de ensino de Ciências Jurídicas e Sociais não se traduz em péssima qualificação, ou mesmo em ingerência da OAB nos assuntos educacionais, até porque o Decreto nº. 5.773, de 9.5.2006 (clique aqui), em seu artigo n°. 28, § 2º, assevera que "a criação de curso de graduação em direito e em medicina, odontologia e psicologia, inclusive Universidades e centros universitários, deverá ser submetida, respectivamente, à manifestação do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil ou do Conselho Nacional de Saúde". Há que se intensificar a rigorosa qualificação curricular, a fiscalização e avaliação da produção e crescimento da qualidade, além da elevação do ensino superior e do nível jurídico no Brasil.

Tal como o profissional que está no mercado de trabalho, as Faculdades também receberão a reprovação da sua clientela, a escassez de demanda e a censura pública por um ensino de péssima qualidade ou um serviço aquém do que se espera de uma Instituição de ensino séria, correta, atualizada e moderna.

Observam-se insurgências aqui e ali acerca do Exame de Ordem, Projetos de Lei são elaborados no Parlamento Nacional, discursos e artigos são publicados contrários ao Exame de Ordem, porém entendo que são vozes isoladas, periféricas, que se insurgem contra a modernidade, o futuro, o porvir, o crescimento em qualidade e a salvaguarda da Sociedade em detrimento da proteção ao interesse público. As metas perseguidas pela OAB atendem ao compromisso com os objetivos pedagógicos e educacionais e de qualificação do ensino, inclusive, com a unificação das provas do Exame de Ordem tanto cronologicamente quanto no seu conteúdo.

Muitas Instituições de ensino têm se irresignado com as conclusões do MEC a partir de notas do ENADE que vem a ser o exame de avaliação do ensino superior e do próprio Exame de Ordem e indicador de diferença entre os desempenhos observado e esperado IDD. Torna-se imperioso que as Escolas de nível superior tenham a OAB e o MEC como parceiras com o objetivo de integração para interesses superiores e não meramente mercantilistas, financeiros, lucrativos, fornecedoras de ascensão e status social enfim, objetivos subalternos que em absolutamente nada colaboram para o aprimoramento da educação nacional. Que as medidas sejam uniformizadas nas suas ações empreendedoras em prol de uma alta qualidade de ensino sem se conflitar com dados e elementos eloqüentes que constatam dificuldades no fornecimento do ensino superior destinado aos acadêmicos de Direito.

________________

*Advogado, escritor, professor de Direitos Humanos e Direito Municipal da UFPB, membro do IAB. Ex-membro Consultor da Comissão de Exame de Ordem da OAB nacional








________________


Atualizado em: 21/11/2007 15:22

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Italo Bondezan Bordoni

Italo Bondezan Bordoni

Migalheiro desde 2019
Sílvio de Salvo Venosa

Sílvio de Salvo Venosa

Migalheiro desde 2019
Charline Pinheiro Dias

Charline Pinheiro Dias

Migalheira desde 2019
Valmir Pontes Filho

Valmir Pontes Filho

Migalheiro desde 2004
Cesar de Lima e Silva

Cesar de Lima e Silva

Migalheiro desde 2019
Vantuil Abdala

Vantuil Abdala

Migalheiro desde 2008
Camila Crespi Castro

Camila Crespi Castro

Migalheira desde 2019
Carlos Barbosa

Carlos Barbosa

Migalheiro desde 2019
Anna Carolina Venturini

Anna Carolina Venturini

Migalheira desde 2014
Gilberto Giusti

Gilberto Giusti

Migalheiro desde 2003
Murillo de Aragão

Murillo de Aragão

Migalheiro desde 2018

Publicidade