domingo, 25 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Liberdade de imprensa

Até agora, o mais vergonhoso episódio do Governo Lula foi o espalhafato com o obtuso repórter do "The New York Times". Todos perceberam que a reação da Presidência foi exagerada, e acabou dando repercussão a uma notícia que, de outra maneira, passaria quase despercebida. Hoje, todos elogiam o Ministro da Justiça que, habilmente, colheu uma declaração firmada pelos advogados do repórter, e a divulgou como se fosse um formal pedido de escusas - embora não fosse, e embora o jornal e o jornalista insistissem na precisão da notícia. Ainda assim, deu-se por encerrado mais este triste episódio tupiniquim, que fez lembrar não a ditadura militar, mas a Corte de Dom João VI.

sexta-feira, 4 de junho de 2004

 

Liberdade de imprensa


Mauro Caramico*


Até agora, o mais vergonhoso episódio do Governo Lula foi o espalhafato com o obtuso repórter do "The New York Times". Todos perceberam que a reação da Presidência foi exagerada, e acabou dando repercussão a uma notícia que, de outra maneira, passaria quase despercebida. Hoje, todos elogiam o Ministro da Justiça que, habilmente, colheu uma declaração firmada pelos advogados do repórter, e a divulgou como se fosse um formal pedido de escusas - embora não fosse, e embora o jornal e o jornalista insistissem na precisão da notícia. Ainda assim, deu-se por encerrado mais este triste episódio tupiniquim, que fez lembrar não a ditadura militar, mas a Corte de Dom João VI.


Talvez fosse melhor que ficasse esquecido - mas há algo nesse acabrunhador capítulo da história pátria, que é bom registrar: houve uma grave tentativa de romper o princípio contido no artigo 220, da Constituição Federal, que garante, textualmente, que "a manifestação do pensamento, a criação, a expressão e a informação, sob qualquer forma, processo ou veículo não sofrerão qualquer restrição, observado o disposto nesta Constituição". E, mais que isso, que nenhuma lei (e, por extensão, nenhum ato de autoridade) poderá "constituir embaraço à plena liberdade de informação jornalística em qualquer veículo de comunicação social".


Ora, cassar o visto do inconveniente jornalista - que foi dar ouvidos, justo quem, a Leonel Brizola - é, de um jeito ou de outro, coartar a liberdade da manifestação do pensamento jornalístico, direito pelo qual toda a esquerda nacional - aí incluída a atual Presidência - bateu-se por longos anos. Mas, já dizia Goethe, "só clama pela liberdade de imprensa quem dela quer abusar".


Liberdade, segundo o esquecido conceito de Montesquieu "é o direito de fazer tudo o que as leis permitirem". Nossa Constituição, por bem ou por mal, permite que se chame a qualquer um - inclusive o Presidente - de alcoólatra. A contra-partida é que, se se perfaz uma ofensa, arca-se com a reparação dos danos, especialmente morais, que ela inflige.


A liberdade que a nossa Constituição outorga, pressupõe, por isso, comportamento responsável e ético, sem o qual a punição deve vir com segurança e rapidez.


De um lado, portanto, deve-se confiar no exercício responsável da liberdade; de outro, deve haver segurança em que, se houver irresponsabilidade, ela será eficazmente punida.


A moleca reportagem, certamente, passou dos limites: a bebedeira do nosso Presidente, se é que há, não é, nem nunca foi, uma preocupação nacional.


Mas a rápida (e insensata) reação do Governo Federal, revela, como um freudiano ato falho, a absoluta desconfiança que o nosso Chefe Maior deposita na capacidade do próprio Governo de punir, com eficácia, e pelos meios Constitucionais, o abusado jornalista.


A lição que se tira, portanto, não está na repercussão internacional de um assunto tão envergonhador, nem na autoritária reação do Governo, menos ainda nos panos quentes jogados à última hora. A lição - e é terrível aprendê-la - está em que nossas autoridades não confiam mais em nossas instituições. E a Liberdade não pode mais se fiar na Justiça.

______________

 

* Advogado do escritório Jayme Vita Roso Advogados e Consultores Jurídicos

 

 

 

 

_________________________

Atualizado em: 2/6/2004 15:15

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS

Darkson Galvão

Migalheiro desde 2003

Scilio Faver

Migalheiro desde 2020

Juliana Castro

Migalheira desde 2020

Adriano Jannuzzi Moreira

Migalheiro desde 2017

Mariana Pigatto Seleme

Migalheira desde 2016

Marcelo Crespo

Migalheiro desde 2015

Vitor Rhein Schirato

Migalheiro desde 2008

Wilson Foz

Migalheiro desde 2015

Márcio Soares Berclaz

Migalheiro desde 2006

Publicidade