terça-feira, 20 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Não obrigatoriedade de publicação das demonstrações financeiras por Sociedades de Grande Porte

A Lei n°. 11.638, de 28.12.2007, que entrou em vigor em 1º de janeiro de 2008, conceituou sociedade de grande porte para os fins de escrituração, elaboração e auditoria de suas demonstrações financeiras.

terça-feira, 29 de janeiro de 2008


Não obrigatoriedade de publicação das demonstrações financeiras por Sociedades de Grande Porte

Fábio Appendino*

A Lei n°. 11.638, de 28.12.2007 (clique aqui), que entrou em vigor em 1º de janeiro de 2008, conceituou sociedade de grande porte para os fins de escrituração, elaboração e auditoria de suas demonstrações financeiras.

Assim que a Lei n°. 11.638/07 entrou em vigor, iniciou-se amplo debate sobre a obrigatoriedade ou não de publicação das demonstrações financeiras pelas sociedades de grande porte constituídas sob a forma de limitada, simples, em conta de participação, em nome coletivo, em comandita simples e cooperativa, ou seja, aquelas reguladas pelo Código Civil (clique aqui).

Consideram-se de grande porte as sociedades ou conjunto de sociedades sob controle comum que tenham ativo total superior a R$240milhões ou receita bruta anual superior a R$300 milhões (art. 3º, par. único, da Lei n°. 11.638/07).

O Anteprojeto de Lei e o Projeto de Lei n°. 3.741/2000 (clique aqui), de autoria da Comissão de Valores Mobiliários-CVM e do Deputado Emerson Kapaz respectivamente, que resultaram na Lei n°. 11.638/07, dispunham em suas redações originais que as sociedades de grande porte, ainda que não constituídas sob a forma de sociedades por ações, deveriam escriturar, elaborar e publicar suas demonstrações financeiras, bem como submetê-las à auditoria, em conformidade com a Lei n°. 6.404/76 (clique aqui).

São cinco as demonstrações financeiras previstas na Lei n°. 6.404/76, a saber:

(i) balanço patrimonial;

(ii) demonstração dos lucros ou prejuízos acumulados;

(iii) demonstração do resultado do exercício;

(iv) demonstração dos fluxos de caixa; e

(v) demonstração do valor adicionado.

Ocorre que a obrigatoriedade de publicação das demonstrações financeiras pelas sociedades de grande porte reguladas pelo Código Civil foi suprimida do Projeto de Lei durante o processo legislativo e a matéria acabou sendo disciplinada pela Lei n°. 11.638/07 da seguinte forma:

"Art. 3º - Aplicam-se às sociedades de grande porte, ainda que não constituídas sob a forma de sociedades por ações, as disposições da Lei nº. 6.404, de 15.12.76, sobre escrituração e elaboração de demonstrações financeiras e a obrigatoriedade de auditoria independente por auditor registrado na Comissão de Valores Mobiliários."

Dessa forma, o art. 3º da Lei n°. 11.638/07 exige que as sociedades de grande porte reguladas pelo Código Civil apenas escriturem e elaborem suas demonstrações financeiras em consonância com a Lei n°. 6.404/76 e as submetam à auditoria, não sendo obrigatória a publicação.

O fato de a ementa da Lei n°. 11.638/07 indicar que ela "estende às sociedades de grande porte disposições relativas à elaboração e divulgação de demonstrações financeiras" não tem o condão de obrigar a publicação. Isto porque:

(i) trata-se de evidente equívoco do legislador, que "esqueceu" de alterar a ementa quando a obrigatoriedade da publicação foi suprimida do Projeto de Lei; e

(ii) a parte preliminar de uma lei, incluindo a ementa, não impõe norma de conduta; somente os artigos (a parte normativa) de uma lei é que impõem norma de conduta (arts. 3º e 5º da LC n°. 98/1998 - clique aqui).

As únicas sociedades que estão obrigadas a publicar suas demonstrações financeiras são as por ações (anônima e em comandita por ações), de capital aberto ou fechado, observadas as seguintes exceções:

(i) a companhia fechada com menos de vinte acionistas e patrimônio líquido inferior a R$1milhão não está obrigada a publicar suas demonstrações financeiras desde que elas sejam arquivadas na Junta Comercial (art. n°. 294, II, da Lei n°. 6.404/76);

(ii) a companhia fechada, com patrimônio líquido inferior a R$2milhões, não está obrigada a elaborar e publicar a demonstração dos fluxos de caixa (art. n°. 176, § 6º, da Lei n°. 6.404/76); e

(iii) apenas as companhias abertas estão obrigadas a elaborar e publicar a demonstração do valor adicionado (art. n°. 176, V, da Lei n°. 6.404/76).

A CVM, ao manifestar seu entendimento preliminar acerca da Lei n°. 11.638/07 por meio de Comunicado ao Mercado de 14.1.2008, ajudou a esclarecer eventuais dúvidas que pairassem a respeito da obrigatoriedade ou não da publicação. A CVM pronunciou-se da seguinte forma:

"Como já mencionado, a Lei nº. 11.638/07 estendeu às sociedades de grande porte (...) a obrigatoriedade de manter escrituração e de elaborar demonstrações financeiras com observância às disposições da lei societária. Assim, embora não haja menção expressa à obrigatoriedade de publicação dessas demonstrações financeiras, qualquer divulgação voluntária ou mesmo para atendimento de solicitações específicas (credores, fornecedores, clientes, empregados, etc.), as referidas demonstrações deverão ter o devido grau de transparência e estar totalmente em linha com a nova lei (art. 3º)."

Nota-se, portanto, que o resultado da interpretação literal da Lei n°. 11.638/07, primária e essencial, não difere daquele obtido com a interpretação histórica.

Também se obtém o mesmo resultado quando se adota uma interpretação sistemática da Lei n°. 11.638/07. O § 1º do art. n°. 176 da Lei n°. 6.404/76, que disciplina a forma (contas com valores dos exercícios anterior e corrente) de publicação das demonstrações financeiras pelas companhias, abertas ou fechadas, não se aplica às sociedades de grande porte reguladas pelo Código Civil, porque a Lei n°. 11.638/07 determina que elas observem as normas da Lei n°. 6.404/76 sobre escrituração e elaboração de demonstrações financeiras, apenas. O § 1º do art. n°. 176 da Lei n°. 6.404/76 não dispõe sobre escrituração e tampouco sobre elaboração de demonstrações financeiras. Como visto, ele disciplina a forma de publicação das demonstrações financeiras, apenas.

Além disso, o § 6º do art. n°. 176 da Lei n°. 6.404/76 dispõe que a companhia fechada, com patrimônio líquido inferior a R$2 milhões, "não será obrigada à elaboração e publicação da demonstração dos fluxos de caixa. Logo, o § 6º do art. n°. 176 da Lei n°. 6.404/76 corrobora o entendimento de que "elaborar" é diferente de "publicar". Se assim não fosse, bastaria que o § 6º do art. n°. 176 da Lei n°. 6.404/76 dispensasse a elaboração das demonstrações financeiras para que, automaticamente, ficasse dispensada a publicação.

E mais: o art. n°. 294, II, da Lei n°. 6.404/76 dispensa a companhia fechada com menos de vinte acionistas e patrimônio líquido inferior a R$1milhão de publicar suas demonstrações financeiras, desde elas sejam arquivadas na Junta Comercial. Referido art. n°. 294, II, dispensou a publicação, mas não a elaboração. Portanto, as companhias fechadas com menos de vinte acionistas e patrimônio líquido inferior a R$1milhão podem optar por publicar ou não suas demonstrações financeiras, embora continuem obrigadas a elaborá-las em conformidade com a Lei n°. 6.404/76. O art. n°. 294, II, da Lei n°. 6.404/76 reforça, portanto, a dissociação entre as obrigações de publicação e de elaboração das demonstrações financeiras previstas na Lei n°. 6.404/76.

Não se nega que o legislador tenha perdido a oportunidade de corrigir uma distorção antiga, que é a inexistência de obrigação de divulgação de informações ao mercado pelas sociedades de grande porte reguladas pelo Código Civil.

Seria realmente salutar que a obrigação de publicação das demonstrações financeiras não fosse atrelada ao tipo societário. O ideal seria que tal obrigação estivesse vinculada ao porte das sociedades, em virtude da inegável importância econômica e social que as grandes empresas desempenham na economia moderna. Infelizmente a correção dessa distorção exigirá a promulgação de nova lei.

Conclui-se que as únicas três novas obrigações que a Lei n°. 11.638/07 criou para as sociedades de grande porte constituídas sob a forma de limitada, simples, em conta de participação, em nome coletivo, em comandita simples e cooperativa são a escrituração, elaboração e auditoria (por auditor independente registrado na CVM) de suas demonstrações financeiras. Por se tratar de faculdade e não de obrigatoriedade, a falta de publicação das demonstrações financeiras por essas sociedades não poderá gerar a responsabilização de seus administradores e controladores.

___________

1 Artigo 176, § 1º, da Lei 6.404/76: "As demonstrações financeiras de cada exercício serão publicadas com a indicação dos valores correspondentes das demonstrações do exercício anterior."
___________

*Advogado do escritório Gaia, Silva, Rolim & Associados - Advocacia e Consultoria Jurídica










_______________

Atualizado em: 28/1/2008 14:35

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

É Autor Migalhas? Faça seu login aqui

AUTORES MIGALHAS

Amanda Lobão

Migalheira desde 2020

Daniella Barbosa Pereira

Migalheira desde 2017

Danielle Alves

Migalheira desde 2019

Leonardo Guimarães

Migalheiro desde 2016

Diego Filipe Casseb

Migalheiro desde 2015

Rubens Naves

Migalheiro desde 2008

Gustavo Binenbojm

Migalheiro desde 2005

Felipe Pacheco Borges

Migalheiro desde 2020

Publicidade