terça-feira, 20 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Guarda compartilhada: uma necessidade imperiosa

Gisele Martorelli

Pesquisa realizada no Canadá demonstra que, de dois milhões de crianças que viviam separadas do pai, aproximadamente seiscentas mil tinham deixado de vê-lo. Dos filhos de pais divorciados, apenas 18% viam o pai com freqüência e 19% haviam deixado de vê-lo. Dos filhos de pais separados que, não sendo casados entre si, tinham convivido maritalmente, 39% tinham deixado de ver o pai e 20% viam-no menos de uma vez por mês. Dos filhos de pais que nunca tinham vivido maritalmente, 60% nunca viam o pai e só 12% raramente o viam.

sexta-feira, 25 de junho de 2004

Guarda compartilhada: uma necessidade imperiosa


Gisele Martorelli*

Pesquisa realizada no Canadá demonstra que, de dois milhões de crianças que viviam separadas do pai, aproximadamente seiscentas mil tinham deixado de vê-lo. Dos filhos de pais divorciados, apenas 18% viam o pai com freqüência e 19% haviam deixado de vê-lo. Dos filhos de pais separados que, não sendo casados entre si, tinham convivido maritalmente, 39% tinham deixado de ver o pai e 20% viam-no menos de uma vez por mês. Dos filhos de pais que nunca tinham vivido maritalmente, 60% nunca viam o pai e só 12% raramente o viam.

Nos Estados Unidos, foi realizada pesquisa do Departamento de Serviços Humanos e Sociais, na qual se constatou que meninas sem um pai nas suas vidas têm 2,5 vezes mais propensão a engravidarem na adolescência e 53% mais chances de cometerem suicídio; meninos sem um pai nas suas vidas têm 63% mais chances de fugirem de casa e 37% mais chances de utilizarem drogas; meninos e meninas sem pai têm duas vezes mais chances de necessitarem de cuidados profissionais para problemas emocionais ou de comportamento.

Essas estatísticas põem em relevo o instituto da guarda compartilhada: pai e mãe dividem a educação e todos os principais encargos e benefícios da convivência com os filhos após a separação ou divórcio do casal. Embora com residência principal fixada na casa de um ou de outro, os filhos não deixam de ter adequada e permanente convivência com o genitor não guardião, atenuando-se os efeitos da separação e evitando-se a dissipação da relação afetiva entre pais e filhos. O instituto teve origem na Inglaterra, onde hoje é denominado de "responsabilidade parental conjunta" e está incorporado à legislação de diversos outros países.

Guarda compartilhada distingue-se da guarda única, em que só um dos genitores decide tudo em relação aos filhos, e também da guarda alternada, que é aquela na qual cada um dos dois pais, em esquema de revezamento, detém a guarda do filho de maneira exclusiva durante um determinado espaço de tempo - que pode variar uma semana, um mês, um ano etc -; nesse período, os genitores detêm a guarda, física e jurídica, dos filhos.

Ambos os modelos - guarda única e alternada - trazem conseqüências seriíssimas para o relacionamento entre pais e filhos. Na medida em que a criança perde o convívio, total ou parcial, com um dos seus genitores, perde o referencial da presença de ambos os pais em sua vida, e cria sentimentos de perda e abandono que abalam a sua psique; e mais, há progressivo afrouxamento dos laços que unem o filho ao genitor não guardião, até o seu completo desatamento. Uma criança, filha de pais separados, não os separa internamente; ao contrário, eles continuam juntos no seu mundo interno. Na modalidade guarda alternada, a criança fica passando de mão em mão, acarretando ausência de referencial de lar e instabilidade emocional e psíquica. Além disso, as duas modalidades estimulam a disputa da prole, que é tida, comumente, nos processos de ruptura conjugal, como um prêmio, como se fosse um objeto e não, um sujeito de direitos. Chega a ser absurdo, assim, ouvir, no âmbito judicial, uma criança, para que ela diga com quem prefere ficar, sem maiores considerações a respeito das fantasias relativas a lealdade, medos, traições, vinganças, só para citar algumas, que, em sua maior parte, habitam seu mundo inconsciente.

O novo Código Civil deixou de privilegiar a mãe no exercício da guarda, mas, lamentavelmente, manteve a guarda única, na qual um dos genitores, o pai ou a mãe, o que tiver melhores condições - embora não especifique a nova lei que condições são essas (emocionais? financeiras?) - exerce de forma unilateral e exclusiva a guarda dos filhos menores, cabendo ao genitor não guardião exclusivamente os direitos de visita, alimentos e fiscalização da criação dos filhos; ou seja, o papel do pai ou da mãe continua relegado a um plano secundário, deixando-se de lado a guarda compartilhada.

Felizmente, não obstante a exclusão da guarda compartilhada no novo Código Civil, há um Projeto de Lei de n. 6.315/02 apresentado pelo Deputado Feu Rosa, que pretende instituir a possibilidade de guarda compartilhada nos casos de separação judicial e divórcio, quando consensuais. Assim, a criança terá o seu direito assegurado pela Constituição Federal, em seu artigo 227, que impõe como dever da família, da sociedade e do Estado assegurar à criança e ao adolescente, com absoluta prioridade, dentre outros, o direito à convivência familiar e comunitária.
_____________

* Advogada do escritório Martorelli Advogados









_________

Atualizado em: 24/6/2004 10:18

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

É Autor Migalhas? Faça seu login aqui

AUTORES MIGALHAS

Marina Coelho Araújo

Migalheira desde 2019

Luciana Juhas

Migalheira desde 2020

Laura França Silva

Migalheiro desde 2020

Marcelo Gayer Diniz

Migalheiro desde 2013

Michelle Tonon

Migalheiro desde 2020

Thainá Barbosa

Migalheira desde 2020

Filipe Pergentino

Migalheiro desde 2020

Celso Cintra Mori

Migalheiro desde 2005

Natália Miranda Sadi

Migalheira desde 2010

Luís Borrelli

Migalheiro desde 2020

Gabriela Wallau

Migalheira desde 2020

Publicidade