domingo, 25 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

O lucrativo comércio de mulheres

Recentes pesquisas mostram que o tráfico internacional de mulheres ocupa o terceiro lugar na lista dos delitos que mais obtêm lucros ilícitos, depois do narcotráfico e do contrabando de armas, e embora seja altamente expressivo, o tráfico internacional de mulheres ainda não é tipificado como crime antecedente do crime de lavagem de dinheiro.

quinta-feira, 29 de maio de 2008


O lucrativo comércio de mulheres

Jamile de Freitas Bejjani Teixeira*

Recentes pesquisas mostram que o tráfico internacional de mulheres ocupa o terceiro lugar na lista dos delitos que mais obtêm lucros ilícitos, depois do narcotráfico e do contrabando de armas, e embora seja altamente expressivo, o tráfico internacional de mulheres ainda não é tipificado como crime antecedente do crime de lavagem de dinheiro.

O artigo 1º da Lei nº. 9.613 de 3 de março de 1998 (clique aqui) ao definir o crime de lavagem ou ocultação de bens, direitos e valores, elenca um rol taxativo, que não pode ser ampliado pela analogia e nem pela interpretação extensiva, de crimes antecedentes e dentre eles não há a previsão dos delitos referentes ao tráfico internacional de seres humanos. Desta forma, subsiste apenas o crime antecedente de tráfico internacional de mulheres sem se configurar o crime de lavagem de dinheiro.

Nos idos de 1998, quando da publicação da Lei de "Lavagem de dinheiro", ainda não era, como é hoje, tão expressivo e comum o tráfico de mulheres para prostituição, tendo esse crime aumentado gradativamente em proporções geométricas a cada ano.

"A Polícia Federal, só no ano de 2005, abriu 119 inquéritos para investigar o tráfico de brasileiras para Portugal e Espanha, entre outros países. O número é três vezes maior do que as 42 investigações sobre o assunto iniciadas no ano de 2002." (Diário do Pará - PA - 25/2/2007).

Pode-se dizer seguramente que existe um "mercado lucrativo das mulheres", isso porque o Brasil é hoje, no contexto do tráfico internacional, um dos maiores exportadores de mulheres para os mercados de prostituição na Europa. Mercado este que fatura milhões com a exportação de mulheres para se prostituírem nas chamadas "Boates européias", que não passam de famigerados prostíbulos.

Até quando podemos aceitar isso? Para toda a população brasileira, e especialmente para nós mulheres, é entristecedor e revoltante vermos que em nossos litorais desembarcam todos os dias milhares de turistas, geralmente vindos de países europeus, em busca do turismo sexual. É essa a imagem que temos lá fora, pois nosso comércio internacional de mulheres é conhecido mundialmente movimentando valores vultosos de forma totalmente ilícita e inaceitável.

Já é hora de se dar um basta nisso, é preciso repreender com mais afinco estas condutas criminosas, e colocar o tráfico de seres humanos dentre os crimes antecedentes do crime de lavagem de dinheiro. Se antes, nos idos da publicação da Lei de "Lavagem de dinheiro", não era expressivo o crime de tráfico internacional de mulheres, hoje essa tipificação é necessária e se faz salutar para o combate mais eficaz à lavagem de dinheiro e a redução da prostituição internacional.

_____________

*Assessora de gabinete da Justiça Federal/Subseção Judiciária de Passos/MG





_______________



Atualizado em: 29/5/2008 07:21

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS

Matheus Romero Martins

Migalheiro desde 2020

Renata Bucco

Migalheira desde 2011

Daiane Dias Rodrigues

Migalheira desde 2019

Stella Oger Santos

Migalheira desde 2016

Cristiano Colombo

Migalheiro desde 2020

Hendrick Pinheiro

Migalheiro desde 2017

Fernanda Rosa

Migalheira desde 2019

Renato Aparecido Gomes

Migalheiro desde 2020

Wafa Kadri

Migalheira desde 2020

Helena Falcone

Migalheira desde 2014

Delcio Trevisan

Migalheiro desde 2003

Simone M. S. Magalhães

Migalheira desde 2016

Francisco Petros

Migalheiro desde 2017

Publicidade