quinta-feira, 29 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Serviço de transporte de mercadorias para exportação é isento de ICMS

Em maio último transitou em julgado acórdão proferido pela Primeira Seção do Superior de Justiça que pôs fim, pelo menos em tese, a uma acalorada discussão sobre a incidência, ou não, do Imposto sobre operações relativas à Circulação de Mercadorias e sobre prestações de Serviços de transporte interestadual, intermunicipal e de comunicação - ICMS, nas operações de transporte interestadual e intermunicipal de mercadorias destinadas ao exterior (ERESP n.º 710.260).

quinta-feira, 5 de junho de 2008


Serviço de transporte de mercadorias para exportação é isento de ICMS

Sergio Pin Junior*

Em maio último transitou em julgado acórdão proferido pela Primeira Seção do Superior de Justiça que pôs fim, pelo menos em tese, a uma acalorada discussão sobre a incidência, ou não, do Imposto sobre operações relativas à Circulação de Mercadorias e sobre prestações de Serviços de transporte interestadual, intermunicipal e de comunicação - ICMS, nas operações de transporte interestadual e intermunicipal de mercadorias destinadas ao exterior (ERESP n.º 710.260).

Prática comum dos Estados-Membros da Federação, as autoridades fazendárias estaduais exigem o recolhimento do ICMS na hipótese de transporte de determinada mercadoria não ter como destinação direta e imediata o exterior, ainda que tenha como paradeiro final o mercado internacional.

Em outras palavras, produto tendo como destino final o mercado externo, caso em seu trajeto até o porto onde será providenciada sua exportação, exista a necessidade de passagem por fronteira estadual ou a utilização de diferentes tipos de transporte, ainda que dentro de um único Estado, deverá ser cumprida a obrigação tributária de recolhimento do ICMS. Vale dizer, situação corriqueira em um país como o nosso de dimensões continentais.

Tal entendimento por parte dos fiscos estaduais, todavia, apenas reverbera pacífica posição do Supremo Tribunal Federal sobre a matéria uma vez que nossa Corte Suprema preconiza que o afastamento da incidência do ICMS estampado no art. 155, § 2º, X, "a", sobre operações destinadas ao exterior e serviços prestados a destinatários fora do país, não permite alargamento para abarcar a prestação de serviço de transporte interestadual e intermunicipal realizado com mercadoria destinada ao exterior.

Com razão, os serviços de transportes de produtos destinados à exportação não estão garantidos pela regra imunizante constitucional, mas sim, têm a incidência do ICMS "afastada" por disposição legal contida em legislação infraconstitucional, ou seja, típico caso de isenção.

Para melhor entendermos devemos lembrar o texto do art. 3.º, inciso II, trazido pela Lei Kandir (Lei Complementar n.º 87/96 - clique aqui) onde está previsto a não incidência do ICMS sobre operações e prestações que destinem ao exterior mercadorias, inclusive produtos primários e produtos industrializados semi-elaborados, ou serviços.

O referido artigo, em sua primeira parte apenas reproduz a imunidade prevista na Constituição ao afastar a incidência do ICMS na exportação de mercadorias (industrializadas), porém, seguindo adiante em sua leitura passamos a identificar um leque de outras possibilidades onde o tributo estadual não é devido, abrangendo quaisquer mercadorias, inclusive as qualificadas como produto primário e os serviços, desde que relacionados à exportação.

O legislador infraconstitucional, com o devido respaldo da Constituição Federal ( clique aqui - art. 155, § 2.º, inciso XII, alínea "e"), por meio da LC 87/96, criou a isenção dos serviços de transportes interestaduais de produtos destinados ao exterior com o mais lídimo espírito de desonerar tais mercadorias, na tentativa de permitir uma competição maior de nossas empresas no mercado internacional, pois é óbvio que o ônus do recolhimento de ICMS sobre tal serviço, caso não houvesse a isenção em pauta, acabaria integrando o preço do produto destinado à exportação. Além disso, manteve resguardado o princípio da isonomia no que diz respeito aos contribuintes do ICMS que estão fora de cidades portuárias e buscou manter balanceada a igualdade entre os estados na medida em que não privilegiou regiões com saída para o oceano.

Esperamos, agora, que o precedente da Primeira Seção de nossa Corte Superior possa dirimir a polêmica sobre o assunto, sensibilizando os Estados que insistem em exigir o recolhimento sobre serviços de transporte de mercadoria destinada ao exterior para que cessem com tal prática, transmitindo a segurança necessária para que as empresas enquadradas nos termos da lei complementar citada, possam realizar tais operações sem que lhe seja imputado ilegalmente o dever de recolher o ICMS.

______________

*Advogado do escritório
Araújo e Policastro Advogados.

_______________

Atualizado em: 3/6/2008 08:44

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Celso Cintra Mori

Migalheiro desde 2005

Almir Pazzianotto Pinto

Migalheiro desde 2003

Lenio Luiz Streck

Migalheiro desde 2005

Ricardo Penteado

Migalheiro desde 2008

Maria Berenice Dias

Migalheira desde 2002

Sérgio Roxo da Fonseca

Migalheiro desde 2004

Marco Aurélio Mello

Migalheiro desde 2014

Jeniffer Gomes da Silva

Migalheira desde 2020

Antonio Pessoa Cardoso

Migalheiro desde 2004

Jones Figueirêdo Alves

Migalheiro desde 2011

Carla Domenico

Migalheira desde 2011

Publicidade