terça-feira, 19 de janeiro de 2021

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Da legitimidade concorrente para propositura das ações civis públicas

Para a propositura da ação civil pública, que visa tratar de direitos coletivos e difusos, a lei nº. 7.347, de 24 de julho de 1985, atualmente em vigor, legitima apenas o Ministério Público, as associações representativas, bem como algumas pessoas jurídicas (Defensoria Pública, União, Estados, Distrito Federal e Municípios, além das autarquias, empresas públicas, fundações e sociedades de economia mista).

quarta-feira, 11 de junho de 2008


Da legitimidade concorrente para propositura das ações civis públicas

Bernardo José Drumond Gonçalves*

Para a propositura da ação civil pública, que visa tratar de direitos coletivos e difusos, a lei nº. 7.347, de 24 de julho de 1985 (clique aqui), atualmente em vigor, legitima apenas o Ministério Público, as associações representativas, bem como algumas pessoas jurídicas (Defensoria Pública, União, Estados, Distrito Federal e Municípios, além das autarquias, empresas públicas, fundações e sociedades de economia mista).

Ou seja, para defesa em juízo de direitos concernentes à responsabilidade por danos morais e patrimoniais causados ao meio-ambiente, ao consumidor, à ordem econômica ou economia popular, estão necessariamente excluídos os próprios interessados difusos. Isso dificulta a exploração de todas as questões envolvidas e, ainda, diminui o alcance da coisa julgada. Por exemplo, na hipótese da ação civil coletiva movida pelo Ministério Público de Minas Gerais contra a Copasa, na Comarca de Montes Claros1 - na qual é questionada a ausência da prestação do tratamento de esgoto, a despeito da realização da cobrança pelo respectivo serviço - há o impedimento dos diretamente interessados participarem da demanda, o que inviabiliza a discussão dos seus problemas individuais causados pela mesma razão (ausência de tratamento de esgoto), como danos ambientais e à saúde.

Partindo-se dos pressupostos básicos de um Estado Democrático de Direito, como é o caso do Brasil, no qual se privilegia a construção de decisões participadas (aquelas em que o próprio envolvido contribui para a formação da conclusão) e o direito de ação (art. 5º, inciso XXXV, da Constituição Federal/88 - clique aqui), a restrição da legitimidade representa manifesta afronta ao paradigma constitucional eleito.

Juristas como Ada Pellegrini Grinover, Antônio Gidi e Kazuo Watanabe vêem apoiando essa extensão da legitimidade aos interessados naturais, que é considerado por Mauro Cappelletti como um "modelo ideal". Em sua obra Teoria das Ações Coletivas, o Professor Vicente de Paula Maciel Júnior (2007) destaca que "[...] no sistema jurídico brasileiro, por exemplo, aonde está sedimentado o direito constitucional de inafastabilidade de apreciação pelo Poder Judiciário da lesão ou ameaça a direito (art. 5º, XXXV), e em face da previsão constitucional e legal do direito à vida, saúde, ambiente saudável, etc., essa legitimação ao indivíduo para o exercício da tutela coletiva na defesa de bens, direitos e situações difusas, existe e não pode ser limitada".

Some-se a isso o fato de que, atualmente, para os cidadãos pleitearem os direitos difusos, sujeitam-se à inerente burocracia dos serviços públicos brasileiros, diante da necessidade de representação indireta.

Nesse particular, impõe-se a mudança do texto de lei, para fins de eliminar a restrição da legitimidade para propositura da ação civil pública, sob pena de prosperar nefasta e grave afronta à garantia constitucional do exercício de ação.

____________

1 Autos nº. 0433.04.133937-8

____________________

*Advogado sócio do escritório Homero Costa Advogados









______________

Atualizado em: 3/6/2008 14:54

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Bruno Emanuel S Learte

Bruno Emanuel S Learte

Migalheiro desde 2021
Abel Simão Amaro

Abel Simão Amaro

Migalheiro desde 2004
Agnaldo Bastos

Agnaldo Bastos

Migalheiro desde 2018
Anna Carolina Venturini

Anna Carolina Venturini

Migalheira desde 2014
Ricardo Alves de Lima

Ricardo Alves de Lima

Migalheiro desde 2020
Carla Louzada Marques

Carla Louzada Marques

Migalheira desde 2020
Ivan Esteves Barbosa

Ivan Esteves Barbosa

Migalheiro desde 2020
João Paulo Saraiva

João Paulo Saraiva

Migalheiro desde 2019
Thiago Boaventura

Thiago Boaventura

Migalheiro desde 2017
Quésia Falcão de Dutra

Quésia Falcão de Dutra

Migalheira desde 2019
Ricardo Penteado

Ricardo Penteado

Migalheiro desde 2008

Publicidade