quinta-feira, 22 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

A polêmica do antidumping na base de cálculo do ICMS

Empresa importadora paulista negociou com exportador estabelecido na China a aquisição de 200 kgs de "escovas de toucador", que recebeu a classificação fiscal 9603.29.00. Há alguns dias, ao proceder ao seu desembaraço para consumo, seu despachante foi surpreendido pela aplicação, por parte das autoridades aduaneiras, de direito antidumping específico, à razão de US$ 14,49/kg, com base na Resolução Camex 26/07.

terça-feira, 10 de junho de 2008


A polêmica do antidumping na base de cálculo do ICMS

Antonio Carlos Valim de Camargo*

Empresa importadora paulista negociou com exportador estabelecido na China a aquisição de 200 kgs de "escovas de toucador", que recebeu a classificação fiscal 9603.29.00. Há alguns dias, ao proceder ao seu desembaraço para consumo, seu despachante foi surpreendido pela aplicação, por parte das autoridades aduaneiras, de direito antidumping específico, à razão de US$ 14,49/kg, com base na Resolução Camex 26/07.

Com a finalidade de proceder cálculos relativos ao ICMS incidente na operação o despachante, diligentemente, buscou na Internet o site da Secretaria da Fazenda (clique aqui) e encontrou o Manual de Orientação ao Importador nos Termos da Portaria CAT 59/07 e ali colheu a seguinte informação sobre a composição da base de cálculo do ICMS:

"Vale ressaltar que o valor 'Outros Tributos', envolve a taxa Siscomex considerando uma média ponderada pelo valor CIF. E o valor 'Demais Despesas' envolve a multa e juros (considerando uma média ponderada pelo valor CIF) e o valor anti-dumping ou salvaguarda a recolher para cada adição."

Por medida de cautela, houve por bem o despachante encaminhar-nos o caso para estudo. Trata-se, como veremos, de mais um ponto polêmico que se soma aos existentes que resultam do entrechoque entre os institutos da legislação do ICMS e os da Legislação Aduaneira.

Com efeito, ao proceder a um profundo estudo desse assunto, constatamos, inicialmente, que a Emenda Constitucional 33/01 (clique aqui), que alterou a redação do art. 155 da Lei Magna (clique aqui), no inciso XII do § 2º, introduziu a alínea ''i'' dispondo que cabe à Lei Complementar fixar a base de cálculo do ICMS também na importação.

Para tanto a L.C. 114/02 (clique aqui), alterou o artigo 13, V alínea "e" da L.C.87/96 (clique aqui) e, neste Estado, o legislador paulista alterou o art. 24, IV da Lei nº. 6.374/89 e na esteira dessa L.C. relacionou, além do valor CIF e dos impostos I.I., IPI e I.O.F., também "quaisquer outros impostos, taxas, contribuições e despesas aduaneiras".

O RICMS/SP conceituou despesas aduaneiras como sendo os valores pagos à repartição alfandegária, e apontou, à guisa de exemplo, alguns poucos casos, tais como : diferenças de peso, classificação fiscal e multas por infrações (art. 37-IV, § 6º do RICMS).

Em vários Estados, entretanto, tal não ocorre. Ao contrário, não é pequeno o volume de itens listados pelas diferentes legislações como despesas aduaneiras que integram a base de cálculo do ICMS na importação.

Buscando interpretar e direcionar o assunto o CONFAZ aprovou o Convênio ICMS 7/05 baixando listagem, cujo teor, altamente discutível, não cabe discutir no momento. Vou-me ater somente aos direitos anti-dumping, não sem antes informar que o referido convênio não foi assimilado por 5 Estados, inclusive o de São Paulo e que a celeuma por ele causada foi tamanha que o CONFAZ houve por bem revogá-lo por meio do Convênio ICMS 83/05.

Apesar de incluídos na base de cálculo do ICMS pelos dispositivos revogados do supracitado Convênio ICMS 7/05, entendemos que direitos anti-dumping não poderiam ali figurar face ao que dispõe o parágrafo único do art. 1º da Lei federal 9.019/95 (clique aqui), que trata da aplicação dos Direitos Previstos no Acordo Antidumping e no Acordo de Subsídios e Direitos Compensatórios.

Diz o parágrafo:

"Parágrafo único - Os direitos antidumping e os direitos compensatórios serão cobrados independentemente de quaisquer obrigações de natureza tributária relativas à importação dos produtos afetados" (gn).

Esse dispositivo foi regulamentado pelo artigo 48 Decreto federal nº. 1.602, de 23.8.95 (clique aqui), que estabelece, "verbis":

"Art. 48. Quando um direito antidumping for aplicado sobre um produto, este será cobrado, independentemente de quaisquer obrigações de natureza tributária relativas à sua importação, nos valores a cada ano, sem discriminação, sobre todas as importações do produto que tenham sido consideradas como efetuadas a preços de dumping e danosas à indústria doméstica, qualquer que seja sua procedência."

Essas disposições apontam, a nosso ver, para a característica não tributária do direito antidumping.

Vejamos o que dizem os estudiosos :

Vivian Carvalho Pimentel (Antidumping no direito brasileiro - Lei nº. 9.019/95) escreveu que o dumping manifesta-se quando "produtos de um país são introduzidos no comércio de outro país a preço inferior ao seu valor normal. Tal situação ocorre quando o preço de exportação é inferior ao preço de consumo, no mercado exportador, de produto similar, nas condições normais de comércio".

E, mais adiante, complementa aquela autora:

"A natureza jurídica dos direitos anti-dumping é de modalidade não tributária de intervenção do domínio econômico. Não se mostra compatível e correto dizer que a natureza jurídica dos direitos anti-dumping como tributária, uma vez que a própria Constituição não concilia qualquer uma das espécies tributárias previstas com a ampliação das medidas anti-dumping."

Concordamos com essa conclusão e lembramos que, de fato, é da característica do antidumping a possibilidade de sua aplicação retroativa de modo a alcançar situações pregressas.

Por essa razão Josefina Maria M.M. Guedes e Sílvia M. Pinheiros concluem:

"No que tange à retroatividade dos Direitos Anti-Dumping e das Medidas Compensatórias é hoje admitida ... pois em sendo considerado tributo, ao Direito Anti-Dumping seria vedada a possibilidade de retroagir" (in "Antidumping, Subsídios e Medidas Compensatórias". 3.ed. São Paulo: Aduaneiras, 2002.) (destacamos)

Com efeito, face à sua natureza não-tributária a aplicação do anti-dumping não se submete aos princípios constitucionais da legalidade, da irretroatividade e da anterioridade (Constituição Federal art. 150, incisos I; III, alíneas "a" e "b" respectivamente).

Essa orientação encontramos na seguinte decisão unânime da 2ª Câmara do 3º Conselho de Contribuintes Proc: 11128.001025/95-54 - Recurso: nº. 119324 - DRJ-Sao Paulo/SP - Relator: Luis Antonio Flora - Acórdão 302-34922 . Data da Sessão: 19/9/2001.

Ementa: Constatada a existência de dumping em regular investigação, o que se cobra é um "direito" e não um "tributo". E se esse direito é exigido para sanar dano ou ameaça de dano, ele tem caráter indenizatório, o que contraria aquela disposição constante do art. 3º do CTN que diz que "Tributo é toda prestação pecuniária que não constitua sanção de ato ilícito".

Daí a nossa conclusão de que o direito antidumping, em função das características a ele atribuídas pela Lei federal nº. 9.019/95 atrás reproduzida:

i) não tem natureza tributária;

ii) é cobrado (e pago) de forma autônoma e independente das demais obrigações tributárias

iii) pode ter caráter retroativo

iv) seu pagamento não repercute no cumprimento das demais obrigações tributárias

v) não integra a base de cálculo dos tributos incidentes na importação, inclusive o ICMS.

Como conseqüência, concluímos que está incorreta a informação contida no referido "site" da Secretaria da Fazenda, que manda inclui o antidumping na base de cálculo do ICMS incidente na importação e recomendamos ao importador a impetração de Mandado de Segurança.

A propósito da referência à salvaguarda contida naquele "site", ressalte-se que essa cobrança tem natureza diferente do antidumping. Enquanto este é uma punição que resulta da prática de "dumping" por certa nação exportadora, a salvaguarda é uma reação a valores exorbitantes praticados por determinado exportador em operação contratada por importador brasileiro.

Trata-se, na realidade, de um adicional ao Imposto de Importação, e, em razão de sua natureza tributária, quando aplicada, integra a base de cálculo do ICMS incidente na importação.

_______________

*Fiscal de Rendas aposentado da Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo e sócio-diretor de Valim de Camargo Advocacia





_______________

Atualizado em: 9/6/2008 09:47

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

É Autor Migalhas? Faça seu login aqui

AUTORES MIGALHAS

Lorena Pretti Serraglio

Migalheira desde 2020

Sherley Santos Brito

Migalheira desde 2018

Alexandre Pontieri

Migalheiro desde 2008

Ivan Mauro Calvo

Migalheiro desde 2020

Nathalia Guerra de Sousa

Migalheira desde 2020

Leonardo Pantaleão

Migalheiro desde 2017

Vanessa Arruda Ferreira

Migalheira desde 2006

Taisa Carneiro Mariano

Migalheira desde 2020

Carolina Silos Rodrigues

Migalheira desde 2017

Fernanda Luiza Tumelero

Migalheira desde 2020

Fabiano Menke

Migalheiro desde 2019

Publicidade