sexta-feira, 30 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

O fundamento do regime jurídico administrativo: uma discussão político-filosófica entre Thomas Hobbes e John Locke sobre o modo de atuação do Estado

Questão essencial para o direito administrativo é o assunto do regime jurídico administrativo, que determina como o Estado deve agir.

quarta-feira, 11 de junho de 2008


O fundamento do regime jurídico administrativo: uma discussão político-filosófica entre Thomas Hobbes e John Locke sobre o modo de atuação do Estado

Danielle Steff*

Questão essencial para o direito administrativo é o assunto do regime jurídico administrativo, que determina como o Estado deve agir. Pode-se dizer que, necessariamente, o modus operandi da Administração Pública deverá levar em conta, numa relação dialética, quais os limites que o Estado deve respeitar quanto aos interesses particulares e em quais momentos sua ação, respaldada no interesse coletivo, deverá prevalecer sobre os interesses individuais.

Para chegarmos à concepção hodierna, é necessário atentar que essa discussão (sobre os limites de atuação do Estado) tem, em larga medida, seu fundamento nos pensadores políticos da modernidade. O filósofo Thomas Hobbes (1588-1679), por exemplo, afirmava que os homens viveriam em constante estado de guerra, sem qualquer segurança; porém, estes mesmos homens, naturalmente livres e racionais, cederiam seus direitos ao soberano em troca de uma vida segura. A partir do momento em que os súditos entregariam de bom grado os seus direitos, não mais poderiam reavê-los. O Estado, então, baseado nesse "interesse" de todos, agiria sem qualquer imposição à sua conduta. O que fosse útil ao todo para manter a segurança, O soberano não hesitaria em fazê-lo, a despeito de qualquer oposição daqueles que concederam os seus direitos.

Em sentido diverso, um contemporâneo de Hobbes chamado John Locke (1632-1704), mesmo partindo de pressupostos semelhantes, chega a conclusões essencialmente distintas. Locke concordava que os homens em estado de natureza teriam problemas quanto à segurança em sua vida, e, portanto, formariam um pacto dando início à sociedade civil.

Entretanto, ao contrário do Leviatã hobbesiano, o governo não teria o domínio de todos os direitos dos cidadãos. Para Locke, haveria um núcleo de direitos individuais intransmissíveis que o governo, necessariamente, deveria respeitar, a saber: a vida, a propriedade e a liberdade.

A idéia de Locke é baseada no conceito de legitimidade. Por certo que o governo receberia poderes dos cidadãos, mas, se agisse em desconformidade com a vontade daqueles que concederam poderes, estes poderiam retomar os seus direitos, insurgindo-se contra o governo. Segundo Locke, a essência desse pacto que estabelece a sociedade civil é a melhoria na condição de vida. Por isso, não seria razoável que os homens obedeçam resignados a qualquer ordem do governo.

Contrapondo os dois filósofos, podemos afirmar que o primeiro (Hobbes) é favorável à realização dos interesses coletivos em detrimento dos interesses privados. De outro modo entende Locke, que assevera a primazia dos direito individuais sobre os atos do governo, que visariam beneficiar todos os cidadãos.

E atualmente, quais interesses - individuais ou coletivos - devemos considerar prioritários? Nos parece que a decisão mais sensata é que ambos devem ser respeitados concomitantemente. Tomar apenas um desses pontos de vista nos levaria a cometer eventuais absurdos. De fato, muitas vezes os interesses particulares e os interesses coletivos, no caso concreto, podem ser dissonantes, até incompatíveis. Nessas hipóteses cabe ao administrador público valorar qual o interesse mais importante a ser respeitado.

______________

Referências Bibliográficas

Bittar, Eduardo Carlos Bianca; Almeida, Guilherme Assis de. Curso de filosofia do direito. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2007.

Di Pietro, Maria Sylvia Zanella. Direito administrativo. 16. ed. São Paulo: Atlas, 2003.

Morris, Clarence (org.). Os grandes filósofos do direito: leituras escolhidas em direito. São Paulo: Martins Fontes. 2002.

Marías, Julián. História da filosofia. São Paulo: Martins Fontes. 2002.

Sundfeld, Carlos Ari. Fundamentos de Direito Público. 4. ed. rev. e aum. São Paulo: Malheiros Editores. 2006.

Danielle Fernanda Steff, acadêmica de Direito do último ano da Faculdade Unicuritiba, Curitiba - Pr.

__________________

*Acadêmica de Direito





_______________

Atualizado em: 11/6/2008 07:32

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Gilberto Giusti

Migalheiro desde 2003

Marco Aurélio Mello

Migalheiro desde 2014

Guilherme Alberge Reis

Migalheiro desde 2020

Lenio Luiz Streck

Migalheiro desde 2005

Flávia Pereira Ribeiro

Migalheira desde 2019

Rogério Pires da Silva

Migalheiro desde 2005

Celso Cintra Mori

Migalheiro desde 2005

Valmir Pontes Filho

Migalheiro desde 2004

René Ariel Dotti

Migalheiro desde 2006

Gilberto Bercovici

Migalheiro desde 2007

Publicidade