quarta-feira, 21 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

A VII Conferência Nacional da OAB (III)

Parodiando trecho de imortal canção popular de Ataulfo Alves ("Meus tempos de criança"), o democrata que, no dia 9 de abril de 1964, ouvisse no rádio a notícia da edição do Ato Institucional nº 1, certamente pensaria: "eu era feliz e não sabia".

quarta-feira, 18 de junho de 2008


A VII Conferência Nacional da OAB (III):

"Eu tinha liberdades, direitos e garantias e não sabia"

René Ariel Dotti*

"Nossa memória é nossa coerência, nossa razão, nossa ação, nosso sentimento. Sem ela, não somos nada" (Luis Buñuel, 1900-1983, cineasta).

Parodiando trecho de imortal canção popular de Ataulfo Alves ("Meus tempos de criança"), o democrata que, no dia 9 de abril de 1964, ouvisse no rádio a notícia da edição do Ato Institucional nº. 1, certamente pensaria: "eu era feliz e não sabia".

O segundo Ato Institucional, assinado em 27 de outubro de 1965, pelo general Arthur da Costa e Silva e que vigorou até 15 de março de 1967, manteve e ampliou as interdições do primeiro. As principais regras de ocupação da sociedade civil, foram:

a) A votação dos projetos de lei de iniciativa do Poder Executivo deveria ser concluída em 45 dias. Esgotado esse prazo sem deliberação, o projeto seria encaminhado ao Senado Federal para apreciação no mesmo prazo. Não tendo sido ainda votado, o projeto seria considerado tacitamente aprovado;

b) A instituição das eleições indiretas para Presidente e Vice-Presidente da República, realizadas pela maioria absoluta dos membros do Congresso Nacional e em sessão pública e votação nominal;

c) A autorização para o Presidente da República decretar estado de sítio ou prorrogá-lo pelo prazo de 180 dias "para prevenir ou reprimir a subversão da ordem interna";

d) A suspensão das garantias constitucionais e legais de vitaliciedade, inamovibilidade e estabilidade. Os titulares dessas garantias poderiam ser demitidos, removidos, dispensados, postos em disponibilidade, aposentados, transferidos para a reserva ou reformados, por decreto do Presidente da República, "desde que demonstrassem incompatibilidade com os objetivos da Revolução";

e) A autorização para o Presidente da República, "no interesse de preservar e consolidar a Revolução", suspender os direitos políticos de qualquer cidadão pelo prazo de 10 anos e cassar mandatos legislativos federais, estaduais e municipais, sem qualquer limitação constitucional;

f) A extinção dos partidos políticos.

A partir de então e como efeito maniqueísta, surgiram as duas únicas agremiações: Aliança Renovadora Nacional (ARENA) e Movimento Democrático Brasileiro (MDB). A primeira, para apoiar o governo militar; a segunda, da oposição.

Outras normas ditatoriais enfunaram as velas da nau dos insensatos, os quais aprisionaram legiões de intelectuais, políticos, advogados, parlamentares, artistas, jornalistas, professores e outros democratas formadores de opinião popular.

Em muito boa hora serão realizadas a XX Conferência Nacional (Natal, novembro) e a IV Conferência Estadual dos Advogados (Curitiba, junho) com destaques para a memória da resistência da sociedade civil contra os éditos revolucionários.

Ou dizendo, sem eufemismo: comandos do golpe de Estado. (Segue).

________________





*Advogado do Escritório Professor René Dotti









_____________

Atualizado em: 13/6/2008 11:25

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

É Autor Migalhas? Faça seu login aqui

AUTORES MIGALHAS

Ricardo Lima Melo Dantas

Migalheiro desde 2016

Ivan Pereira Remor

Migalheiro desde 2020

Izabella Alves Dias

Migalheira desde 2017

Ivan Mauro Calvo

Migalheiro desde 2020

Guilherme Ieno Costa

Migalheiro desde 2004

Aloisio Masson

Migalheiro desde 2012

Juliano Tannus

Migalheiro desde 2020

Douglas Fukuhara

Migalheiro desde 2020

Paulo Rodrigues Faia

Migalheiro desde 2020

Publicidade