sexta-feira, 4 de dezembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Ampliação da obrigatoriedade do visto de advogado nos atos supervenientes das sociedades

Renata Soares Leal Ferrarezi

O Projeto de Lei do Senado nº. 42/2008, de autoria do Senador Marcelo Crivela, altera o § 2º do art. 1º da Lei 8.904/94 (Estatuto da Advocacia e da Ordem dos Advogados do Brasil - OAB), para prever a obrigatoriedade da atuação de advogado nos atos e contratos constitutivos de pessoas jurídicas, bem como nas alterações contratuais supervenientes.

terça-feira, 24 de junho de 2008


Ampliação da obrigatoriedade do visto de advogado nos atos supervenientes das sociedades

Renata Soares Leal Ferrarezi*

O Projeto de Lei do Senado nº. 42/2008 (clique aqui), de autoria do Senador Marcelo Crivela, altera o § 2º do art. 1º da Lei 8.904/94 - Estatuto da Advocacia e da Ordem dos Advogados do Brasil - OAB (clique aqui), para prever a obrigatoriedade da atuação de advogado nos atos e contratos constitutivos de pessoas jurídicas, bem como nas alterações contratuais supervenientes.

Atualmente, de conformidade com a regra inscrita no art. 1º, parágrafo 2º, da Lei 8.906/94 (clique aqui), todos os atos constitutivos de pessoas jurídicas têm que ter visto de advogado, devendo ser indicado o nome do profissional e o número de inscrição na Ordem dos Advogados do Brasil e a respectiva Seccional desse órgão na qual está inscrito.

O visto de advogado somente é dispensado nos contratos de microempresas e empresas de pequeno porte.

A atuação do advogado de acordo com a previsão legal vigente alcança apenas os atos constitutivos não se estendendo às alterações contratuais posteriores.

De acordo com o mencionado Projeto os atos constitutivos e atos supervenientes só poderão ser admitidos a registro, nos órgãos competentes, quando visados por advogados, sob pena de nulidade.

O Senado Marcelo Crivela justifica a apresentação do projeto mencionando que a Constituição Federal de 1988 (clique aqui), em seu art. 133, define o advogado como indispensável à administração da justiça e, na linha de essencialidade dos seus trabalhos profissionais, evidencia que está a merecer revisão o disposto no § 2º da Lei Estatutária, no que se reporta à alteração dos contratos mediante os quais se constituem as pessoas jurídicas.

De acordo, ainda com o autor do projeto, a recomendação de que os contratos constitutivos de pessoas jurídicas sejam visados por advogado encontra eco na própria segurança jurídica preconizada pelo Estado, mas, além disso, a chancela de advogado no instrumento desses contratos tem o condão de afastar eventuais alegações posteriores de desconhecimento dos direitos e deveres dos constituintes da pessoa jurídica.

A obrigatoriedade do visto de advogado inscrita na Lei nº 8.904/94, cuja ampliação é pleiteada no PLS 42/2008, não é nova e apenas repetiu a contida no Estatuto anterior aprovado pela Lei 6.884/80 (clique aqui), do seguinte teor:

"Art. 71... § 4º - Os atos constitutivos dos estatutos das sociedades civis e comerciais só serão admitidos a registro e arquivamento nas repartições competentes quando visados por advogados".

Vale salientar também que a obrigatoriedade do visto de advogado nos atos constitutivos de sociedades já foi objeto de questionamento no judiciário, tendo o Supremo Tribunal Federal, ao julgar a Ação Direta de Inconstitucionalidade - ADIn 1194 (clique aqui), ajuizada pela Confederação Nacional da Indústria -CNI contra diversos dispositivos do Estatuto da Advocacia decidido pela constitucionalidade da exigência contida no seu art. 1º, § 2º, que dispõe que os atos e contratos constitutivos de pessoas jurídicas, sob pena de nulidade, só podem ser admitidos a registro, nos órgãos competentes, quando visados por advogados.

Desta forma, por força de lei, toda pessoa jurídica deve ter em seu contrato constitutivo, a chancela advocatícia dos termos e condições sob os quais está se formando e se propõe a atuar.

Essa medida, porém, de acordo com o PLS 42/2008 não deve ficar restrita ao momento de formação das pessoas jurídicas porque, as alterações posteriores podem afetar significativamente a natureza das disposições originais, transformando-as em entidades completamente diversas das concebidas originalmente, e do ponto de vista externo, a transformação deve continuar a servir à sociedade e a pautar-se pelos limites da lei.

A propositura do projeto tem o propósito de estender a atuação dos advogados aos contratos supervenientes, de forma que as modificações estruturais continuem a atender aos interesses das pessoas jurídicas, do modo que julgarem mais adequados ao seu sucesso, porém, que também respondam satisfatoriamente aos interesses da sociedade em que estão inseridas e sobre a qual projetam os efeitos dos seus atos.

____________

* Advogada especializada nas áreas tributária e societária em São Paulo





________________

Atualizado em: 18/6/2008 12:33

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Celso Cintra Mori

Migalheiro desde 2005

Leonardo Quintiliano

Migalheiro desde 2019

Giselle Farinhas

Migalheira desde 2017

Flávia Pereira Ribeiro

Migalheira desde 2019

Lilia Frankenthal

Migalheira desde 2020

Carla Domenico

Migalheira desde 2011

Justiliana Sousa

Migalheira desde 2020

Teresa Arruda Alvim

Migalheira desde 2006

Publicidade