quarta-feira, 28 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Mudança na Lei Paulista de Licitações

No último dia 10 de junho, a Assembléia Legislativa do Estado de São Paulo aprovou o Projeto de Lei n.º 18/07 (clique aqui), de autoria do Governador do Estado. Com isto, alterou dispositivos da Lei Estadual nº. 6.544/89(clique aqui), responsável por disciplinar os procedimentos licitatórios no âmbito estadual.

quinta-feira, 26 de junho de 2008


Mudança na Lei Paulista de Licitações

Caio de Souza Loureiro*

No último dia 10 de junho, a Assembléia Legislativa do Estado de São Paulo aprovou o Projeto de Lei n.º 18/07, de autoria do Governador do Estado. Com isto, alterou dispositivos da Lei Estadual nº. 6.544/89 (clique aqui), responsável por disciplinar os procedimentos licitatórios no âmbito estadual.

De fato, o Projeto contempla uma série de inovações ao procedimento licitatório. Em destaque, a previsão da inversão de fases como regra geral para os procedimentos e, também, a possibilidade de saneamento de falhas formais das propostas dos licitantes.

A mudança vem em boa hora e visa conferir celeridade aos certames. A incorporação desses institutos em outros diplomas sobre o tema - donde se destacam as Leis Federais nº. 10.520/02 (clique aqui) e 11.079/04 (clique aqui), a Lei Estadual Baiana 9.433/05 (clique aqui) e Lei do Município de São Paulo 14.145/06 (clique aqui) - se provou eficaz na tentativa de agilizar os procedimentos licitatórios. Notou-se a diminuição de recursos administrativos protelatórios e, sobretudo, a maior agilidade na análise da documentação dos licitantes.

A possibilidade de a Comissão somente se deter na documentação de habilitação das três licitantes melhor classificadas na proposta técnica e econômica, evitando a análise da documentação de todas as licitantes, poupa tempo precioso, sobretudo em licitações com número grande de concorrentes. Lamenta-se, apenas, o fato de se obter maior vantagem com a abertura apenas da licitante melhor classificada, já que com isto se reduziria significativamente o número de recursos na fase de habilitação, na qual, aliás, costuma residir o maior número de medidas protelatórias.

Outro ponto de relevo é a possibilidade de saneamento de falhas formais, o que evita a desclassificação de boas propostas por vícios que de modo algum as comprometem, nem implicam em vantagem indevida da licitante.

O que deve ser levado em conta, de agora em diante, é a preocupação em se manter o rigor na elaboração dos editais, de modo a estipular exigências e características precisas, de modo a permitir a correta elaboração e julgamento das propostas. A busca pela celeridade não pode servir de desculpa para a aceitação de propostas econômicas e técnicas desconformes com o edital, o que comprometeria a boa execução do contrato, beneficiando a respectiva licitante.

É preciso haver cautela da Administração no julgamento das propostas para evitar o apego excessivo à menor oferta. A escolha da melhor proposta, com comprovada exeqüibilidade é tão, ou mais, importante que a economia e celeridade.

_________

*Advogado associado, onde atua na área de Direito Administrativo do escritório Manesco, Ramires, Perez, Azevedo Marques Advocacia

____________

Atualizado em: 23/6/2008 07:36

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Abel Simão Amaro

Migalheiro desde 2004

Sílvio de Salvo Venosa

Migalheiro desde 2019

Roberto Rosas

Migalheiro desde 2015

Selma Ferreira Lemes

Migalheira desde 2005

Luís Roberto Barroso

Migalheiro desde 2003

Jones Figueirêdo Alves

Migalheiro desde 2011

Celso Cintra Mori

Migalheiro desde 2005

René Ariel Dotti

Migalheiro desde 2006

Antonio Pessoa Cardoso

Migalheiro desde 2004

Almir Pazzianotto Pinto

Migalheiro desde 2003

Maria Berenice Dias

Migalheira desde 2002

Marília Lira de Farias

Migalheira desde 2020

Sérgio Roxo da Fonseca

Migalheiro desde 2004

Publicidade