quarta-feira, 21 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

OAB nacional e o quinto constitucional

Debate-se em nível do STJ a respeito de preenchimento de vaga naquele Tribunal Superior destinada a valorosa classe de advogados brasileiros.

terça-feira, 5 de agosto de 2008


OAB nacional e o quinto constitucional

Marcos Aurélio Laranjeira de Castro*

Debate-se em nível do STJ a respeito de preenchimento de vaga naquele Tribunal Superior destinada a valorosa classe de advogados brasileiros.

Pelo que tem sido noticiado na grande imprensa nacional o mandado de segurança impetrado pela OAB nacional foi julgado improcedente pelo STJ.

O motivo da denegação do Pedido da OAB nacional ao que me parece não encontra guarida no Texto Constitucional Pátrio.

Segundo a Carta Federal da República (clique aqui) em vigor em seu artigo 94 um quinto dos lugares dos Tribunais será destinado aos membros do Ministério Público e de advogados de notório saber jurídico e de reputação ilibada.

Cercear o acesso constitucional da advocacia às Cortes Superiores de Justiça, in caso, Superior Tribunal de Justiça, na minha visão de advogado e consoante o Texto Magno de 1988 é no mínimo uma inconstitucionalidade em tese.

Em casos tais o que deve prevalecer à vontade do colegiado que julga o mandado de segurança em desfavor da OAB nacional ou a previsão legal inserida na Carta Republicana de 1988.

Acredito na magistratura brasileira e em especial nos ministros dos Tribunais Superiores que com certeza haverá uma manifestação judicial favorável ao pleito justo e constitucional da advocacia brasileira.

O que traz mais perplexidade na inusitada decisão do STJ em rejeitar a presença do advogado na sua composição através da elaboração da lista tríplice a ser enviada ao Presidente da República para fins de escolha e nomeação do futuro Ministro Egresso da advocacia é a falta de previsão legal para tal recusa do STJ segundo o texto magno federal vigente.

Segundo noticia a história muitos já tentaram calar a advocacia inclusive imperadores de Estados, conta-se que Napoleão no auge de sua realeza tentou criar um decreto na França no sentido de impedir a fala do advogado.

Os Irmãos Gracos na Antiga Roma representavam à expressão da voz popular na Tribuna Romana e defendiam abertamente as questões fundiárias e de cidadania dentre outras de grandes interesses do povo romano.

Além da inconstitucionalidade da decisão do STJ qual outro motivo levaria aquele Superior Tribunal de Justiça Pátria votar contra a respeitável categoria de advogados brasileiros.

Desde meus primeiros passos na advocacia ouvi o renomado jurista e ex-presidente da OAB nacional dr. Ernando Uchôa Lima se manifestar no sentido de ser a justiça um tripé Harmônico e Independente composto de advogados, promotores de justiça e magistrados.

Se existe a composição ternária qual o motivo da denegação do mandado de segurança impetrado pela OAB nacional, leia-se Conselho Federal da Ordem, na pessoa de seu ilustre presidente dr. César Britto, que busca na justiça a efetivação de um direito conquistado democraticamente no Congresso Nacional Constituinte.

Existem problemas maiores a serem enfrentados pela nação brasileira dentre eles podemos citar a falta de segurança pública, o desemprego, saúde, a moradia, carga tributária elevada, crianças abandonadas e expostas, prostituição infantil, corrupção, e, convenhamos não é a presença da advocacia nos Tribunais Superiores que vai esmaecer a magistratura nacional.

Confio, torno a dizer, nas decisões colegiadas de nossos Tribunais Superiores e acredito piamente que a valorosa classe de advogados do Brasil verá assegurada Constitucionalmente sua vaga de ministro no STJ, por ser de direito e dignidade da advocacia brasileira.

__________________

*Advogado, migalheiro





______________

Atualizado em: 5/8/2008 13:56

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

É Autor Migalhas? Faça seu login aqui

AUTORES MIGALHAS

Ricardo Azevedo Sette

Migalheiro desde 2004

Karina Volpato

Migalheira desde 2017

Débora Lins Cattoni

Migalheira desde 2010

Matheus Meneghel Costa

Migalheiro desde 2018

Gisele Meneses do Vale

Migalheira desde 2020

Laura de Almeida Campos

Migalheira desde 2020

Rafael Cotta

Migalheiro desde 2020

Heloisa Estellita

Migalheira desde 2003

Elaine Moreira

Migalheira desde 2020

Adriana Pallis

Migalheira desde 2008

Publicidade