quinta-feira, 3 de dezembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Roosevelt e Bush

O liberalismo clássico prega a mais ampla liberdade para o mercado, proibida qualquer regulamentação formulada pelo Estado. Se o mercado vai mal, deve se dar mais mercado ao mercado, nunca o Estado. Todas as liberdades do homem resultam da liberdade na economia, afirmam. A civilização caminha do coletivo para o individual.

segunda-feira, 6 de outubro de 2008


Roosevelt e Bush

Sérgio Roxo da Fonseca*

O liberalismo clássico prega a mais ampla liberdade para o mercado, proibida qualquer regulamentação formulada pelo Estado. Se o mercado vai mal, deve se dar mais mercado ao mercado, nunca o Estado. Todas as liberdades do homem resultam da liberdade na economia, afirmam. A civilização caminha do coletivo para o individual.

Os primeiros planos econômicos formulados pela União Soviética, logo após a implantação do comunismo, foram condenados como instrumento de dominação do Estado sobre o indivíduo. Sustentou-se mesmo que uma economia planificada pelo Estado representava a inauguração da mais severa ditadura. O mundo testemunhava o fim da Primeira Guerra Mundial.

Dez anos após, ocorreu a quebra da bolsa de Nova York, desastre então administrado pelos economistas clássicos norte-americanos que não conseguiram evitar o mergulho do país numa grande recessão. Os primeiros filmes de Chaplin retratam a época, de se destacar "O Garoto".

O Presidente Roosevelt resolveu em 1933 intervir na economia norte-americana em busca de garrotear os efeitos da grande recessão. O seu plano recebeu o nome de "New Deal". Seus opositores o acusaram de adotar uma tendência socializante de forte inspiração no comunismo soviético. O plano durou até 1937. O governo alcançou seus objetivos tanto que começou a se preparar para enfrentar a Segunda Grande Guerra que já se avizinhava.

O "New Deal" tinha fundamento teórico nas lições do inglês Keynes que defendia a intervenção do Estado no meio econômico, com o objetivo de estancar as crises cíclicas prognosticadas pelos entendidos.

Dizia Keynes que o Estado, nessa emergência, deveria converter-se no principal protagonista do mercado, passando a ampliar desmesuradamente seus serviços. Caberia aos governantes inventar serviços, como abrir estradas desnecessárias, subsidiar pesquisas abstrusas, e, até mesmo enterrar dólares engarrafados nas minas extenuadas de carvão, aconselhando o contribuinte a encontrá-los.

Viam a economia recessiva como um lago adormecido, devendo o governo lançar pedras no seu centro, movimentando ondas até as suas margens.

Se os norte-americanos encontrassem os dólares enterrados, passariam a comprar mercadorias, empurrando os produtores a aumentar a fabricação, contratando mais e mais trabalhadores, que, por sua vez, injetariam mais dinheiro no mercado, reproduzindo o progresso necessário para estancar a recessão.

Os eixos básicos do "New Deal" foram:

a) intervenção do Estado na economia norte-americana;

b) regulamentação da atividade econômica;

c) expansão do serviço público;

d) guerra contra a corrupção no serviço público.

A industrialização brasileira, após o fim da Segunda Grande Guerra, ocorreu com forte intervenção estatal. Se não havia capital privado para empurrar a economia, deveria o governo criar as famosas empresas estatais e para estatais, entre as quais é possível citar: Volta Redonda, Petrobrás, COSIPA, USIMINAS, Fábrica Nacional de Motores, Álcalis. O capital dos contribuintes criou essas grandes empresas.

A imprensa noticia que o primeiro projeto do governo Bush contra a crise foi dirigido para supostamente resgatar a insolvência dos especuladores. Foi rejeitado. O segundo projeto, hoje já aprovado pelo senado, contém também socorro a pessoas menos favorecidas. Já são ouvidas críticas, segundo as quais o governo inclina-se para o populismo. Outros dirão que o republicano Bush, derrotado na primeira rodada, tenta sobreviver, trilhando os passos de Roosevelt, que não era republicano, mas, sim, democrata.


_______________________




*Advogado, Procurador de Justiça aposentado do Ministério Público de São Paulo, professor da Faculdade de Direito COC










__________________

Atualizado em: 6/10/2008 14:07

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Renato de Mello Almada

Migalheiro desde 2008

Ronaldo de Jesus

Migalheiro desde 2019

Douglas Lima Goulart

Migalheiro desde 2020

Renato da Fonseca Janon

Migalheiro desde 2017

Celso Wanzo

Migalheiro desde 2019

Letícia Baddauy

Migalheira desde 2020

Gustavo Santiago Martins

Migalheiro desde 2019

Diogo L. Machado de Melo

Migalheiro desde 2008

Anna Carolina Venturini

Migalheira desde 2014

Paulo Henrique Cremoneze

Migalheiro desde 2019

Ricardo Alves de Lima

Migalheiro desde 2020

Sílvio de Salvo Venosa

Migalheiro desde 2019

Publicidade