domingo, 25 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Governança corporativa e crise financeira: na pauta das pequenas e médias empresas

A governança corporativa, sistema e estrutura pelo qual as sociedades são dirigidas e prestam contas de suas atividades a seus investidores e aos stakeholders (outros agentes que com ela se relacionam, interna ou externamente) tem sido crescentemente adotada pelas companhias abertas brasileiras, fundamentalmente visando a aumentar o seu valor de mercado e a facilitar e baratear seu acesso ao capital.

segunda-feira, 1 de dezembro de 2008


Governança corporativa e crise financeira: na pauta das pequenas e médias empresas

Roberta Nioac Prado*

A governança corporativa, sistema e estrutura pelo qual as sociedades são dirigidas e prestam contas de suas atividades a seus investidores e aos stakeholders (outros agentes que com ela se relacionam, interna ou externamente) tem sido crescentemente adotada pelas companhias abertas brasileiras, fundamentalmente visando a aumentar o seu valor de mercado e a facilitar e baratear seu acesso ao capital. Nestas companhias já está amplamente difundido e aceito que boas regras de governança são uma exigência absoluta do próprio mercado.

Por outro lado, sob a ótica das empresas de pequeno e médio porte, via de regra com estrutura familiar, a idéia de governança corporativa ainda não é consolidada tal como deveria, ao menos em termos quantitativos. Muito embora já seja sabido que a boa governança é fundamental para a perenidade de qualquer empresa de controle familiar, notadamente quando da sucessão de uma geração a outra.

Nesses casos, a governança corporativa pode não ter por objetivo principal acessar a poupança disponível, mas sim contribuir para que a empresa tenha continuidade através de várias gerações. Para tanto, faz-se necessário implementar um adequando planejamento jurídico sucessório em três esferas, quais sejam: na transmissão da propriedade das participações societárias, no exercício do poder de controle e na sua gestão. E sempre visando a que a empresa dependa menos de pessoas e mais de processos, ou seja, de mecanismos jurídicos e institucionais estruturados de forma profissional.

Nesta linha, a adequada implementação de boas práticas de governança corporativa e de planejamento jurídico sucessório, também coincidem com o aprimoramento do processo decisório da sua alta gestão, profissionalizada ou não, através da separação objetiva dos papéis dos familiares, acionistas, conselheiros e executivos. E isto é fundamental, na medida em que em regra empresas pequenas e médias contam com certas peculiaridades que envolvem, entre outras, relações e sentimentos familiares, sucessão de lideranças, e a difícil transição de propriedade e poder de uma geração para outra.

Ademais, transparência e eficiência na gestão, dois pilares importantes da governança, resultam em mais e melhores alternativas de financiamento, público ou privado, vital para empresas de qualquer porte.

Especialmente em razão da atual crise financeira e do tão escasso crédito.

_____________________

*Doutora em Direito Empresarial pela USP, Coordenadora do Núcleo de Governança e Planejamento Jurídico nas Empresas Familiares da Direito GV e do GVLaw

 

 

 

 

_______________

Atualizado em: 26/11/2008 12:58

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS

Marcos Bruno

Migalheiro desde 2016

Gleydson K. L. Oliveira

Migalheiro desde 2019

Fernanda Andreazza

Migalheira desde 2019

Matheus Romero Martins

Migalheiro desde 2020

Daniel Gonçalves Rangel

Migalheiro desde 2017

Augusto Leal

Migalheiro desde 2019

Kelvin Peroli

Migalheiro desde 2020

Maria Olívia Machado

Migalheira desde 2014

Renato Lôbo Guimarães

Migalheiro desde 2013

Pedro Acosta de Oliveira

Migalheiro desde 2019

Edison Carlos Fernandes

Migalheiro desde 2016

Larissa Ross

Migalheiro desde 2020

Roberto Leibholz Costa

Migalheiro desde 2004

Publicidade