domingo, 25 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Justiça manda parar novas redes de banda larga

Desde o último dia 14 de novembro, a implantação do backhaul como meta do Plano Geral de Metas de Universalização está suspensa liminarmente por decisão da 6ª Vara Federal do Distrito Federal, concedida à Pro Teste (Associação de Defesa do Consumidor).

segunda-feira, 15 de dezembro de 2008


Justiça manda parar novas redes de banda larga

Eduardo Ramires*

Milene Louise Renée Coscione*

Desde o último dia 14 de novembro, a implantação do backhaul como meta do Plano Geral de Metas de Universalização está suspensa liminarmente por decisão da 6ª Vara Federal do Distrito Federal, concedida à Pro Teste (Associação de Defesa do Consumidor).

A decisão da Juíza Federal Substituta Maria Cecília de Marco Rocha determinou a suspensão da vigência das alterações dos contratos de concessões das operadoras de telefonia fixa que substituíam a obrigação de implantação de postos de serviços de telecomunicações - PSTs por implantação de redes de acesso de banda larga à população (backhaul).

É importante lembrar que a substituição dos PSTSs por backhaul foi objeto de discussão e negociação entre a Agência Nacional de Telecomunicações - ANATEL e as concessionárias de telefonia fixa ao longo do segundo semestre de 2007.

Por um lado, a ANATEL pretendia compartilhar com as concessionárias a expansão do acesso à banda larga em todo território nacional, reconhecendo claramente que a internet é instrumento essencial à inclusão sócio-digital no mundo contemporâneo em afinado entrosamento com as políticas públicas do atual Governo. Por outro lado, as concessionárias resistiam a assimilar obrigações economicamente de muito maior vulto como obrigação da concessão, o que lhe importaria em enormes peias e amarras à expansão do acesso em banda larga em todo país.

O núcleo da controvérsia residiria na reversibilidade da rede e meios necessários à fruição do acesso a banda larga e, na mesma medida, à utilização de recursos públicos para a expansão das redes de Serviço de Comunicação Multimídia - SCM, explorado por empresas privadas.

Parece-nos, claro, entretanto, que a dúvida sobre o regime jurídico a que se submetem as redes referidas não representa um motivo para a decisão adotada.

É clara a intenção do Governo em transformar o acesso à banda larga em alta velocidade uma atividade pública em decorrência da essencialidade dessa infra-estrutura para a sociedade contemporânea.

O que se pretende é assegurar que o acesso em banda larga seja prestado tanto sob o regime público, quanto sob o regime privado. De modo que, por um lado, permanece a livre exploração dessa atividade pelos particulares e, por outro, o Poder Público compromete-se a assegurar o acesso à internet em banda larga a toda gente. No primeiro caso, não há que se falar em reversibilidade de redes e meios; no segundo caso, é imperioso reconhecê-la.

Seja em regime público seja em regime privado, entretanto, os investimentos feitos em backhaul revertem inevitavelmente para o consumidor. Uma vez implantadas, as redes precisam ser usadas para gerar renda. Impedir sua instalação não representa benefício nenhum, mas um prejuízo para a infra-estrutura de telecomunicação do País.

________________

*Integrantes do escirtório Manesco, Ramires, Perez, Azevedo Marques Advocacia

____________

Atualizado em: 12/12/2008 15:08

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS

Ricardo Azevedo Sette

Migalheiro desde 2004

Seiiti Arata

Migalheiro desde 2005

Carlos Harten

Migalheiro desde 2007

Débora Lins Cattoni

Migalheira desde 2010

Vanessa Salem Eid

Migalheira desde 2020

FELIPE DA SILVA LIMA

Migalheiro desde 2020

Ricardo Melantonio

Migalheiro desde 2020

Vanessa Arruda Ferreira

Migalheira desde 2006

Ekaterine Karageorgiadis

Migalheira desde 2012

Silvio Garrido

Migalheiro desde 2010

João Amadeus dos Santos

Migalheiro desde 2018

Juliana Bernardo

Migalheira desde 2020

Publicidade