quinta-feira, 22 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Projeto de Lei nº 692/2008: o fim do Tribunal de Impostos e Taxas como instrumento de justiça fiscal

Fernando Ayres e Otávio Bertolino

É fato notório que o Tribunal de Impostos e Taxas do Estado de São Paulo ("TIT"), criado pelo Decreto nº 7.184, de 5.6.1935, é um dos mais antigos (em funcionamento há mais de 73 anos) e respeitados tribunais administrativos do País. Atualmente órgão da Secretaria de Estado dos Negócios da Fazenda do Estado de São Paulo, vinculado à Coordenadoria da Administração Tributária ("CAT"), ao TIT é atribuída competência para conhecer e julgar, em segunda instância, os recursos interpostos no âmbito de processo administrativo tributário decorrente de lançamento de ofício (artigos 1º, 34, 41 e 42 da Lei Estadual nº 10.941/2001).

quarta-feira, 7 de janeiro de 2009


Projeto de Lei nº 692/2008: o fim do Tribunal de Impostos e Taxas como instrumento de justiça fiscal

Fernando Gomes de Souza Ayres*

Otávio Henrique de Castro Bertolino*

É fato notório que o Tribunal de Impostos e Taxas do Estado de São Paulo - "TIT", criado pelo Decreto nº 7.184, de 5.6.1935, é um dos mais antigos (em funcionamento há mais de 73 anos) e respeitados tribunais administrativos do País. Atualmente órgão da Secretaria de Estado dos Negócios da Fazenda do Estado de São Paulo, vinculado à Coordenadoria da Administração Tributária - "CAT", ao TIT é atribuída competência para conhecer e julgar, em segunda instância, os recursos interpostos no âmbito de processo administrativo tributário decorrente de lançamento de ofício (artigos 1º, 34, 41 e 42 da Lei Estadual nº 10.941/2001 - clique aqui).

Além disso, cabe lembrar que o TIT "surgiu em razão da necessidade de se estabelecer um conjunto de normas e procedimentos de administração, destinados a exercer o controle de qualidade sobre os lançamentos tributários e influenciados pelos princípios da publicidade, da economia, da motivação e da celeridade, garantindo ao contribuinte o pleno exercício do contraditório e da ampla defesa", conforme atesta texto publicado em sua própria página na "internet" (www.fazenda.sp.gov.br/tit/).

Respeito ao pleno exercício do contraditório e da ampla defesa, fundado no princípio constitucional estabelecido no artigo 5º, inciso LV, da Constituição Federal de 1988 (clique aqui), que resguarda aos litigantes, também em processo administrativo, "o contraditório e ampla defesa, com os meios e recursos a ela inerentes".

Pois bem. O TIT, ao menos como é reconhecido (órgão administrativo imbuído da missão de julgar a validade de lançamentos tributários de acordo com o princípio do contraditório e da ampla defesa), está ameaçado de extinção.

Com o louvável objetivo de "tornar célere o julgamento dos processos administrativos submetidos ao Tribunal de Impostos e Taxas", mediante "a eliminação de atividades logísticas", conforme consta de sua exposição de motivos, o Projeto de Lei nº 692/2008 (clique aqui) , encaminhado pelo Poder Executivo à Assembléia Legislativa em 30.10.2008, caso aprovado em seu texto original, será o agente de tal extinção.

O PL 692/2008, encaminhado em regime de urgência pelo Governador do Estado de São Paulo à Assembléia Legislativa, revoga a Lei nº 10.941, de 25.10.2001, que dispõe sobre o processo administrativo tributário decorrente de lançamento de ofício.

A iniciativa do Governo de encaminhar à Assembléia Legislativa um Projeto de Lei, que visa à celeridade do processo administrativo tributário é positiva e merece apoio. No entanto, basta uma breve análise dos artigos do PL 692/2008 para concluir que, em nome de tal celeridade, princípios constitucionais serão violados e a própria atividade do TIT restará comprometida. Sem esgotar a lista de pontos críticos contidos no PL nº 692/08, as seguintes inovações merecem revisão com urgência:

(i) artigo 9º - institui a intimação dos atos processuais por edital publicado no Diário Oficial do Estado, revogando o direito do contribuinte e/ou procurador de receber as intimações pessoais por carta registrada com aviso de recebimento;

(ii) toda a Seção IV "Das provas" - entre outras disposições, admite presunção legal de existência e de veracidade das provas produzidas pela fiscalização;

(iii) toda a Subseção V - "Das Nulidades" - as incorreções ou omissões verificadas em Auto de Infração não acarretarão sua nulidade e, mesmo estando o processo em fase de julgamento, os erros de fato e os de capitulação da infração ou da penalidade serão corrigidos pelo órgão de julgamento, de ofício ou em razão de defesa ou recurso, não sendo causa de decretação de nulidade;

(iv) artigos 28 e 49 - talvez o ponto mais crítico do PL nº 692/08, uma vez que praticamente retira a função jurisdicional atualmente atribuída ao TIT. Nos termos de tais dispositivos, no julgamento pelo Tribunal é vedado afastar a aplicação de legislação tributária sob alegação de ilegalidade ou inconstitucionalidade;

(v) artigo 71 - a representação fiscal passa ter direito a pedido de vista dos autos em julgamento, além de poder tomar parte dos debates, o que evidentemente desequilibra a favor do Fisco a relação processual com o contribuinte; e

(vi) ao contrário da Lei nº 10.941/01, não há qualquer previsão acerca do direito de realização de sustentação oral pelos contribuintes.

Da leitura dos itens acima destacados, não é preciso grande esforço para identificar violações a princípios constitucionais básicos, precipuamente o da ampla defesa, do devido processo legal, da equidade entre as partes. Outros dispositivos constantes do PL nº 692/08, tais como a opção (de duvidosa aplicação) do depósito administrativo pelo contribuinte, a utilização do processo eletrônico (certamente inacessível a maior parte dos contribuintes), a previsão da possibilidade da criação de exceções aos próprios dispositivos do PL, mediante ato normativo do Coordenador de Administração Tributária (artigo 36, parágrafo único, artigo 40, §3º, artigo 46, §4º e artigo 71, §1º), entre outros, reafirmam a necessidade imediata de revisão do PL nº 692/08.

É importante salientar, aliás, que tal revisão já está em curso na Assembléia Legislativa Paulista e emendas ao PL nº 692/08 vêm sendo apresentadas. Contudo, o acompanhamento da tramitação do referido PL é fundamental, assim como a movimentação das entidades de classes, de representação da sociedade, para que o texto sofra as alterações necessárias.

Não há dúvidas que a atual legislação que trata do processo administrativo tributário no Estado de São Paulo merece reformas, que o funcionamento do TIT deve modernizar-se, acompanhando o dinamismo e a complexidade das relações entre Fisco e contribuintes. Nesse sentido, os objetivos originais do PL nº 692/08 de imprimir celeridade ao processo, modernizar o TIT, possibilitar melhor acesso a informações, melhorar a qualidade da prestação jurisdicional, entre outros, devem ser apoiados e comemorados.

Contudo, não se pode admitir violação a princípios fundamentais, em nome de uma suposta celeridade. A continuidade do TIT, como instrumento de justiça fiscal, depende disso.

____________________

*Associados da área tributária do escritório Pinheiro Neto Advogados

* Este artigo foi redigido meramente para fins de informação e debate, não devendo ser considerado uma opinião legal para qualquer operação ou negócio específico.

© 2009. Direitos Autorais reservados a PINHEIRO NETO ADVOGADOS












_______________

Atualizado em: 6/1/2009 10:11

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

É Autor Migalhas? Faça seu login aqui

AUTORES MIGALHAS

Adel El Tasse

Migalheiro desde 2019

Milena Fório

Migalheira desde 2018

Guilherme Alberge Reis

Migalheiro desde 2020

Pablo Werner

Migalheiro desde 2020

Gustavo Rene Nicolau

Migalheiro desde 2003

Vinicius Riguete Rigon

Migalheiro desde 2017

Lilian Pinheiro

Migalheira desde 2019

Valdirene Lopes

Migalheira desde 2013

bruna

Migalheira desde 2018

Publicidade