terça-feira, 1 de dezembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Férias, folgas e imposto de renda

Há algum tempo atrás se discutiu na área do Direito Público a legalidade da cobrança de imposto de renda sobre o pagamento de férias não gozadas.

sexta-feira, 14 de janeiro de 2005

Féria, folgas e imposto de renda


Sérgio Roxo da Fonseca*

Há algum tempo atrás se discutiu na área do Direito Público a legalidade da cobrança de imposto de renda sobre o pagamento de férias não gozadas.

A Fazenda Pública argumentava pela legalidade da cobrança, sustentando que o pagamento de todo crédito ou crédito de qualquer natureza deveria sofrer a incidência do imposto de renda. Como o recebimento de férias em dinheiro correspondia a um crédito, daí derivava a legalidade da cobrança.

Em sentido contrário pugnava-se pelo reconhecimento da ilegalidade da cobrança, afirmando que o pagamento de férias não correspondia à geração de um direito novo, mas, sim, a indenização de um direito antigo não exercido. Como o imposto de renda recai sobre o recebimento de riqueza nova, nada seria devido quanto ao recebimento da indenização de férias não gozadas. Indenizar, dizia-se, era deixar indene, ou seja, sem dano, operação muito diversa daquela da qual resultava o surgimento de uma riqueza nova.

Por exemplo, o pagamento realizado pela seguradora ao segurado em virtude da perda do seu automóvel não gera a incidência do imposto de renda porque o seu dono, no passado, tinha o veículo, que foi destruído, e, agora tem supostamente o valor monetário a ele correspondente. Não houve a criação de renda nova, nem incorporação patrimonial de riqueza nova. O recebimento. Pelo pagamento nada se deve a título de imposto de renda.

Se não há imposto de renda sobre o recebimento de indenização pelo automóvel perdido por sobradas razões também é ilegal a cobrança do tributo no pagamento da indenização das férias não gozadas.

O tema foi apreciado no dia 21.9.2004 pelo STJ, quanto ao pagamento da indenização por folgas não gozadas sobre o qual foi reconhecida a ilegalidade da cobrança do tributo.

"Não incide o imposto de renda no pagamento das folgas não-gozadas, previsto na Lei n. 5.811/1972, em razão da mudança ocorrida nos regimes de turno ininterrupto, por extensão dos efeitos do inciso XVI do art. 7º da CF/1988. Assim, a Petrobrás, mediante acordo coletivo assinado em agosto de 1990, prometeu-se a indenizar os períodos de folgas não-gozadas por seus empregados, conforme o disposto no art. 9º da referida lei, montante que foi pago mensalmente entre 1995 e 1996 e sobre o qual não incide o imposto de renda. Logo, a Turma deu provimento ao recurso dos empregados interposto contra a Fazenda Nacional. Precedente citado: REsp 642.872-RN, 10.8.2004. REsp 656.409-RN, Rel. Min. Franciulli Netto, julgado em 21.9.2004".
____________






*Advogado, professor da UNESP e Procurador de Justiça de São Paulo, aposentado




____________

Atualizado em: 5/11/2004 10:40

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Ricardo Alves de Lima

Migalheiro desde 2020

Fernando Salzer e Silva

Migalheiro desde 2016

Sílvio de Salvo Venosa

Migalheiro desde 2019

Cesar de Lima e Silva

Migalheiro desde 2019

André Lucenti Estevam

Migalheiro desde 2020

Gisele Nascimento

Migalheira desde 2017

Flávia Pereira Ribeiro

Migalheira desde 2019

Gilberto Bercovici

Migalheiro desde 2007

Gustavo Santiago Martins

Migalheiro desde 2019

Pedro Dalese

Migalheiro desde 2020

Vanessa Mollo

Migalheira desde 2019

Publicidade