domingo, 17 de janeiro de 2021

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Aspectos da Medida Provisória n. 449/08

Eduardo Quaglia Borelli

Recentemente, foi publicada a Medida Provisória n. 449/08 (clique aqui), que, entre outras disposições, concedeu parcelamento e remissão de débitos tributários juntos à União. A citada MP traz à baila diversas controvérsias, dentre essas, a finalidade da lei e os ditames jurídicos tributários de suas benesses. Contudo, o desfecho demandará tempo, pois somente após consolidados os entendimentos jurisprudenciais é que a matéria será pacificada.

sexta-feira, 20 de março de 2009


Aspectos da Medida Provisória n. 449/08

Eduardo Quaglia Borelli*

Recentemente, foi publicada a Medida Provisória n. 449/08 (clique aqui), que, entre outras disposições, concedeu parcelamento e remissão de débitos tributários juntos à União. A citada MP traz à baila diversas controvérsias, dentre essas, a finalidade da lei e os ditames jurídicos tributários de suas benesses. Contudo, o desfecho demandará tempo, pois somente após consolidados os entendimentos jurisprudenciais é que a matéria será pacificada.

Acerca da finalidade da lei, muito se discute qual a verdadeira intenção de nosso Presidente. Aqueles que consideram aquém às expectativas dos benefícios que a MP trouxe, defendem que se trata de estratégia de marketing do governo. Por outro lado, os que foram beneficiados elogiam o posicionamento da Administração Fazendária Federal.

Iniciando a análise jurídica, o art. 1º da MP n. 449/08, em primeiro momento, reforça o conceito de "débito de pequeno valor", anteriormente regulamentado pela Lei n. 10.522/02 (clique aqui). Nesse contexto, limitou-se a teto desse débito no patamar de dez mil reais. Embora, num primeiro momento, aparente ser banal a conceituação, é de se frisar que o patamar de tal débito influirá nas aplicações do Princípio da Bagatela nos crimes de contrabando, descaminho e contra a ordem tributária.

Outro tema de elevada importância é a limitação disposta no §1º do art. 14, o que determina o limite de dez mil reais à pessoa física ou jurídica. Dessarte, o inciso I do citado parágrafo primeiro, demonstra que teto de "débito de pequeno valor" deve ser analisado consoante o débito em si, ou seja, para cada débito ou inscrição em dívida ativa, que não ultrapasse o valor de dez mil reais, deve ser aplicada a remissão. Por outro lado, parte dos Procuradores da Fazenda Nacional frisam que o teto de dez mil reais deve ser aplicado ao montante devido por pessoa física ou jurídica, gerando assim outra discussão jurídica.

Já o art. 14, que dispõe acerca da remissão, faz menção à data de 31/12/2007, para estabelecer o prazo de cinco anos de vencimento. Não obstante, o texto do citado artigo prescreve "nessa mesma data", para o valor consolidado de dez mil reais, como patamar para a remissão. Contudo, a discussão é se a data para o cálculo do valor é a mencionada no artigo (31/12/2007) ou a da entrada em vigor da MP. Assim, é de se esperar posicionamentos divergentes entre contribuintes e autoridades fazendárias.

Outro benefício bizarro concedido é a possibilidade de pagamento do valor acima do limite de dez mil reais e parcelamento, nos moldes da MP n. 349/08. O contribuinte deve recolher a íntegra do valor excedente ao teto e dividir o restante. Todavia, não restou clareza na forma de aplicação da citada regra, com relação à remissão e perdão, o que resultará, certamente, em discussões judiciais.

Dentre esclarecimentos e divergências, o Governo Federal cumpriu o prometido, quer seja, remitiu débitos considerados de pequeno valor. Os limites desse benefício é que não foram minuciosamente explicados, restando, assim, aos operadores do direito defenderem seus entendimentos. Contudo, pode-se afirmar que, nos próximos anos, o judiciário terá muito trabalho, até que seja pacificada jurisprudência acerca do assunto.

_________________

*Advogado do escritório Marcelo Gir Gomes Advogados Associados

_________________

Atualizado em: 20/3/2009 13:54

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Anna Carolina Venturini

Anna Carolina Venturini

Migalheira desde 2014
Julio Cesar dos Santos

Julio Cesar dos Santos

Migalheiro desde 2019
Thiago Boaventura

Thiago Boaventura

Migalheiro desde 2017
Giselle Farinhas

Giselle Farinhas

Migalheira desde 2017
Marília Lira de Farias

Marília Lira de Farias

Migalheira desde 2020
Antonio Pessoa Cardoso

Antonio Pessoa Cardoso

Migalheiro desde 2004
Abel Simão Amaro

Abel Simão Amaro

Migalheiro desde 2004
Roberto Rosas

Roberto Rosas

Migalheiro desde 2015
Júlio César Bueno

Júlio César Bueno

Migalheiro desde 2004

Publicidade