sexta-feira, 15 de janeiro de 2021

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

A Justiça contra o consumidor

Já disseram que a Justiça falha porque tarda. A demora da Justiça acarreta a permanência dos conflitos de interesses na sociedade, gerando uma sensação de impunidade.

terça-feira, 2 de junho de 2009


A Justiça contra o consumidor

Arthur Rollo*

Já disseram que a Justiça falha porque tarda. A demora da Justiça acarreta a permanência dos conflitos de interesses na sociedade, gerando uma sensação de impunidade.

Quem ingressa com processo judicial nunca tem a certeza de êxito. Por mais pacífica que seja a tese na jurisprudência, cada caso é um caso, o que significa que o processo pode demorar muito e, além disso, o autor vir a perder a ação. Quem perde a ação geralmente arca com os honorários da parte vencedora, fixados entre 10 e 20% do valor da condenação ou, na ausência desta, segundo o prudente arbítrio o Juiz.

Ao serem advertidos pelo advogado da demora do processo e do risco de perderem a ação, porque essa informação tem que ser dada, muitos clientes "deixam para lá". Deixar para lá significa, na prática, que o problema permanecerá eternamente na sociedade, porque quem deixa de entrar com a ação permanece insatisfeito e passa a não acreditar mais na Justiça.

Aqueles que, mesmo advertidos, "teimam" em promover a ação sentem o peso da demora na tramitação do processo. A Justiça de São Paulo, sem dúvida alguma, é a mais assoberbada. Em alguns fóruns demoram três meses para juntar uma petição no processo. O processo no Juizado Especial, que devia ser concluído em aproximadamente um mês, está demorando muitas vezes mais de dois anos para terminar. A audiência de conciliação nesse tipo de processo, em alguns fóruns, está sendo designada para daí um ano e meio. Recursos de apelação no TJ/SP não costumam demorar menos de quatro ou cinco anos para julgamento.

Essa demora, sem dúvida, contribui para problemas agudos dos consumidores, como a ineficiência dos serviços prestados pela Telefônica. Após ser multada na via administrativa, esta empresa recorre à via judicial, aliás o que é um direito seu, sendo que o processo se arrasta por anos a fio, pelos problemas da Justiça. Isso impede que as multas administrativas venham a doer no bolso, provocando a reincidência dos comportamentos nocivos ao consumidor.

Muitos consumidores deixam de recorrer à Justiça pela demora e outros que recorrem, por vezes, se deparam com decisões esdrúxulas (já ouvimos o relato de caso em que a empresa foi condenada a pagar indenização de R$15 por danos morais). Tudo isso desestimula novas ações e dificulta os acordos por parte das empresas, já que ou o consumidor aceita um mau acordo ou terá que esperar por anos o desfecho de seu processo.

Para driblar a demora da Justiça, alguns consumidores estão adotando novas estratégias. A ação, como regra, deve ser proposta no domicílio do réu. Muitos fornecedores têm domicílios espalhados por todo o Brasil, o que permite que o consumidor escolha dentre eles aquele onde a demora é menor.

Muitas ações contra empresas aéreas, por exemplo, vêm sendo propostas em estados do Nordeste, onde a Justiça é mais célere. Alguns consumidores, como aconteceu no caso do acidente da TAM, preferiram propor suas ações em outros países, onde a Justiça é mais célere.

A demora da Justiça prejudica os consumidores, porque aumenta o número de recusas injustificadas por parte dos fornecedores ao atendimento de demandas legítimas daqueles. Enquanto esse quadro não melhorar, terão os consumidores que continuar pesquisando a Justiça que demora menos antes de entrar com uma ação.

______________

*Advogado, mestre e doutorando em direitos difusos e coletivos da Faculdade de Direito de São Bernardo do Campo

____________

Atualizado em: 1/6/2009 12:00

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Sílvio de Salvo Venosa

Sílvio de Salvo Venosa

Migalheiro desde 2019
Renato da Fonseca Janon

Renato da Fonseca Janon

Migalheiro desde 2017
Nicole Cunha

Nicole Cunha

Migalheira desde 2021
Marília Lira de Farias

Marília Lira de Farias

Migalheira desde 2020
Lilia Frankenthal

Lilia Frankenthal

Migalheira desde 2020
Antonio Pessoa Cardoso

Antonio Pessoa Cardoso

Migalheiro desde 2004
Camila Crespi Castro

Camila Crespi Castro

Migalheira desde 2019
Gustavo Binenbojm

Gustavo Binenbojm

Migalheiro desde 2005
Cesar de Lima e Silva

Cesar de Lima e Silva

Migalheiro desde 2019
Rogério Pires da Silva

Rogério Pires da Silva

Migalheiro desde 2005
Gilberto Giusti

Gilberto Giusti

Migalheiro desde 2003

Publicidade