quarta-feira, 20 de janeiro de 2021

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Da PEC 231/95 - Redução de jornada de trabalho e elevação do adicional de horas extras

A nossa CF/88, em seu art. 7º, inciso XIII, fixa a "duração do trabalho normal não superior a oito horas diárias e quarenta e quatro semanais, facultada a compensação de horários e a redução da jornada, mediante acordo ou convenção coletiva de trabalho".

quarta-feira, 22 de julho de 2009


Da PEC 231/95 - Redução de jornada de trabalho e elevação do adicional de horas extras

Orlando José de Almeida*

A nossa CF/88 (clique aqui), em seu art. 7º, inciso XIII, fixa a "duração do trabalho normal não superior a oito horas diárias e quarenta e quatro semanais, facultada a compensação de horários e a redução da jornada, mediante acordo ou convenção coletiva de trabalho". Já o inciso XVI estabelece que "a remuneração do serviço extraordinário será superior, no mínimo, em cinquenta por cento a do normal".

No entanto, com relação a tais dispositivos, foi apresentada a PEC 231/95 (clique aqui), que reduz a jornada de trabalho de 44 (quarenta e quatro) horas para 40 (quarenta) horas semanais, enquanto que a remuneração pelo trabalho extraordinário passa a sofrer um acréscimo de, no mínimo, 75% (setenta e cinco por cento) do valor da hora normal. A Comissão Especial da Câmara dos Deputados, no dia 30 de junho de 2009, proferiu parecer favorável à continuidade da tramitação da PEC.

A matéria em análise durante vários anos não foi esquecida pelo Governo e pelos sindicalistas representantes dos trabalhadores, principais responsáveis pela volta do referido tema à pauta da Câmara dos Deputados, que seguirá, posteriormente, ao Senado Federal.

Antes, porém, necessário que sejam avaliados dados concretos, sem deixar de lado a situação que o mundo vem atravessando devido à recente crise econômica.

Assim, merece ser realçado que as mudanças propostas envolvem significativos aumentos dos custos. Vale dizer que, para não reduzir o nível de emprego, as empresas terão maiores ônus em razão da elevação de maior remuneração de horas extras ou com a contratação de empregados.

Segundo os defensores da proposta, a diminuição da jornada deverá elevar a qualidade de vida dos assalariados e propiciar a criação de empregos. Para o líder do governo na Câmara, Henrique Fontana (PT/RS), o projeto é extremamente positivo e ajudaria o Brasil nesse momento, porque vai gerar empregos.

Importante destacar aqui, que não se pode avaliar fatos isolados, deixando de considerar, como já dito anteriormente, a situação econômica que o país está vivendo, mas não só o Brasil, como também o resto do mundo.

Já nos primeiros dias do ano de 2009, foram divulgados dados econômicos que apontavam a consequência da crise nos países ricos e seus reflexos no território brasileiro.

O resultado foi a dispensa de trabalhadores, fechamento de empresas, queda da produção e das vendas, atingindo tanto empresários quanto trabalhadores. No final do ano de 2008, já era evidente a retração da produção.

Diante da atual conjuntura econômica, questiona-se se a referida alteração seria benéfica aos empregados. O aumento de custos, por si só, será um obstáculo a mais para o crescimento e a criação de empregos. A simples alteração Constitucional não modificará a realidade financeira das empresas que enfrentam a crise econômica.

Além do mais, e mesmo se desprezado o atual cenário econômico, os custos mais elevados nas contratações poderá fragilizar a indústria brasileira à concorrência internacional, fato que não favoreceria em nada a criação de empregos. O que poderá ocorrer de fato será um incentivo à informalidade, devido ao aumento dos custos para se manter um empregado devidamente regularizado.

Verifica-se que a proposta de alteração da CF/88 certamente irá trazer grandes impactos na economia, cujos efeitos serão sentidos por todos, mas a oneração da folha de pagamento refletirá principalmente para os pequenos e médios empregadores, sejam pessoas físicas ou jurídicas.

De outro lado, deve ser lembrado que não se faz necessária a modificação da CF/88, visando à redução de jornada, considerando-se que o próprio texto da nossa Lei Maior assim o autoriza na parte final do inciso XIII, do art. 7º, mediante negociações coletivas.

Pelo que foi acima relatado, ao que nos parece, o ônus para o País em virtude de eventual aprovação da PEC 231/95, será bem superior aos benefícios sugeridos, notadamente nesse momento em que estamos atravessando uma crise mundial.

________________

*Advogado do escritório Homero Costa Advogados









______________

Atualizado em: 21/7/2009 11:21

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Selma Ferreira Lemes

Selma Ferreira Lemes

Informativo Migalheira desde 2005
Thiago Boaventura

Thiago Boaventura

Informativo Migalheiro desde 2017
Diogo L. Machado de Melo

Diogo L. Machado de Melo

Informativo Migalheiro desde 2008
Leonardo Quintiliano

Leonardo Quintiliano

Informativo Migalheiro desde 2019
Bruno Emanuel S Learte

Bruno Emanuel S Learte

Informativo Migalheiro desde 2021
Maria Berenice Dias

Maria Berenice Dias

Informativo Migalheira desde 2002
Gilberto Giusti

Gilberto Giusti

Informativo Migalheiro desde 2003
Camila Crespi Castro

Camila Crespi Castro

Informativo Migalheira desde 2019
Levi Rezende Lopes

Levi Rezende Lopes

Informativo Migalheiro desde 2020
Marília Lira de Farias

Marília Lira de Farias

Informativo Migalheira desde 2020

Publicidade