quinta-feira, 26 de novembro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Waldir - um homem de muitas histórias

Salvador Ceglia Neto

Muitos lamentamos que o "Príncipe dos Advogados" não tenha deixado um livro de memórias que preservasse para a eternidade a riquíssima experiência de vida, pessoal e profissional, de Waldir Troncoso Peres.

terça-feira, 11 de agosto de 2009


Waldir - um homem de muitas histórias

Salvador Ceglia Neto*

Muitos lamentamos que o "Príncipe dos Advogados" não tenha deixado um livro de memórias que preservasse para a eternidade a riquíssima experiência de vida, pessoal e profissional, de Waldir Troncoso Peres.

Isso, de certa forma, contribui para fortalecer o mito. Tal como Pelé, dificilmente apareça alguém como ele.

Com a fama de não mais que folhear algumas páginas dos sempre volumosos autos processuais, Waldir deles extraia a seiva, o néctar, a alma, e como num passe de mágica, manobrava como um bruxo com aquele elixir, praticamente hipnotizando plateia e jurados que ficavam completamente à mercê daquela verve privilegiada que aparentava comprazer-se com o manejo incondicional da mente humana.

Transformava mentiras em verdades, criminosos em vítimas, sempre tendo como pano de fundo o sentido incomensurável da natureza humana, com todos os seus vícios, perversidades, mazelas, imperfeições, sempre escusáveis e justificáveis, na visão bondosa, paternalista, quase deísta, de um espírito que pareceu, e certamente é, de um grau muito elevado.

Na década de 70 funcionava junto ao Tribunal do Júri de São Paulo um combatente promotor público, de quem tive a honra de ser aluno de Direito Penal, na Faculdade Paulista de Direito, o Dr. Dirceu de Mello, que tinha a fama de não deixar malfeitores sem condenação.

Hoje, na qualidade de Magnífico Reitor da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, o ilustre Desembargador e ex-presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo recentemente, em saborosa conversa, comentou comigo sobre os pitorescos Júris em que teve a oportunidade de se defrontar com Waldir.

A oratória de Waldir era imbatível e demolidora, mas o cioso promotor público não se intimidava e em sucessivos apartes tentava fazer ver aos Jurados a culpabilidade dos acusados.

O resultado final dos Júris travados nessas circunstâncias invariavelmente não agradavam ao combativo promotor público.

Depois de dezenas de Júris travados nessas condições, o eterno e perspicaz promotor resolveu mudar de tática, abstendo-se de apartear o mais aquinhoado tribuno advocatício.

É que percebera que a cada aparte, Waldir crescia e com sua inigualável retórica convencia ainda com mais força os jurados e desconsertava a plateia e o resistente promotor.

Os resultados finais melhoraram... na visão de Dirceu.

Waldir se renovava, se revigorava, rejuvenescia com os apartes do Ministério Público ou dos assistentes da acusação.

Mas a velha raposa não se fez de rogada e insistentemente perguntava ao estratégico Procurador se não desejava mesmo aparteá-lo nos longos julgamentos, convite que o Promotor Dirceu delicadamente declinava.

Memoráveis julgamentos com dois brilhantes contendores que ainda hoje ecoam no Salão dos Passos Perdidos.

________________




*Sócio do escritório Ceglia Neto, Advogados





_____________

Atualizado em: 10/8/2009 13:17

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Carla Domenico

Migalheira desde 2011

Douglas Lima Goulart

Migalheiro desde 2020

Sílvio de Salvo Venosa

Migalheiro desde 2019

Miguel Reale Júnior

Migalheiro desde 2003

Vantuil Abdala

Migalheiro desde 2008

Renato de Mello Almada

Migalheiro desde 2008

Láiza Ribeiro

Migalheira desde 2020

Valmir Pontes Filho

Migalheiro desde 2004

Murillo de Aragão

Migalheiro desde 2018

Publicidade