quarta-feira, 20 de janeiro de 2021

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

A CF/88 e o regime de dedicação exclusiva

Robson S. Lins

Assunto que provoca dúvidas e suscita discussões de toda sorte, o regime de dedicação exclusiva dos professores das instituições de ensino superior tem sido alvo de interpretações equivocadas e, talvez, instrumento de perseguição política de alguns servidores. Dessa forma, é salutar e sobretudo recomendável promover o debate isento sobre esse conturbado tema, a despertar na sociedade visão crítica e independente, sempre com vistas à correta interpretação e aplicação dos preceitos contidos na CF/88.

quarta-feira, 12 de agosto de 2009


A CF/88 e o regime de dedicação exclusiva

Robson Sitorski Lins*

Assunto que provoca dúvidas e suscita discussões de toda sorte, o regime de dedicação exclusiva dos professores das instituições de ensino superior tem sido alvo de interpretações equivocadas e, talvez, instrumento de perseguição política de alguns servidores. Dessa forma, é salutar e sobretudo recomendável promover o debate isento sobre esse conturbado tema, a despertar na sociedade visão crítica e independente, sempre com vistas à correta interpretação e aplicação dos preceitos contidos na CF/88 (clique aqui).

Para tanto, é necessário fixar as premissas do raciocínio que ora se desenvolve. Nesse ponto, esclarece-se que no pano de fundo da questão está a possibilidade dos servidores acumularem cargos públicos. Esse tema é tratado em âmbito constitucional desde a Carta Política de 1891, quando o constituinte determinou a vedação absoluta da acumulação de cargos públicos remunerados, na tentativa de se moralizar a farra da distribuição desses cargos entre os queridos dos poderosos. Diversos são os registros da época, inclusive Cartas Régias e Decretos Imperiais, que denotam a preocupação da Administração em evitar o prejuízo do serviço público, onde um mesmo indivíduo chegava a concentrar quatro ou cinco funções simultâneas. Há relatos sobre o agravamento dessa situação com a vinda da corte de D. João VI ao Brasil, fugindo das tropas do General Junot. O monarca, impedido de retornar à Europa sob o domínio de Napoleão, agraciava os fidalgos descontentes e nostálgicos com oferta de empregos e outras gentilezas. Por essa razão, o art. 73 da Constituição de 1891 (clique aqui)estabeleceu radical proibição a toda e qualquer acumulação de cargo público remunerado.

A partir de então, as Constituições brasileiras, sob forte influência desses episódios, adotaram a proibição do acúmulo como regra. Contudo, passaram a excepcionar os casos em que as acumulações eram não apenas benéficas, mas necessárias ao eficiente desempenho das funções públicas. Essa orientação se manteve no sistema instituído pela CF/88, que, em seu art. 37, inciso XVI, estabeleceu as exceções em que a acumulação de cargos públicos é autorizada. Dessarte, o ordenamento jurídico atual permite, desde que respeitados o teto remuneratório e a compatibilidade de horários, a acumulação de:

a) dois cargos de professor;

b) um cargo de professor com outro técnico ou científico; e

c) dois cargos ou empregos privativos de profissionais de saúde, com profissões regulamentadas.

Com efeito, embora a regra seja a proibição, o texto constitucional garante o exercício de dois cargos públicos aos servidores que cumprirem as exigências postas naquele dispositivo legal.

De outro lado, tem-se o regime de dedicação exclusiva, introduzido no ordenamento brasileiro pela lei 4.345, de 26 de junho de 1964 (clique aqui), e regulamentado pelo Decreto 94.664, de 23 de julho de 1987 (clique aqui), que dispõe que o professor da carreira de Magistério Superior, submetido a esse regime, prestará quarenta horas semanais de trabalho em dois turnos diários completos e será impedido de exercer outra atividade remunerada, seja pública ou privada. Portanto, em conformidade com essa norma jurídica, o professor D.E. fica impedido de exercer qualquer atividade, senão o magistério.

Observados esses dois marcos legais, nitidamente conflitantes entre si, resta investigar qual deles deve prevalecer. Cumpre assinalar que a interpretação constitucional é pautada por princípios cardeais, entre os quais estão o da supremacia da Constituição e o da continuidade da ordem jurídica. O primeiro princípio traz em si a idéia de que a Constituição Federal goza de superioridade hierárquica sobre as demais leis, servindo de suporte a toda legislação do Estado. Desse modo, nenhuma lei pode afrontá-la, sob pena de se romper a estrutura jurídico-normativa. O princípio da continuidade da ordem jurídica, por sua vez, tem lugar com o advento da nova Constituição. Com a entrada em vigor, a Constituição defronta-se com o sistema legal já existente, que tinha seu fundamento de validade na Constituição anterior. Assim, para que não haja um vazio jurídico, todas as leis que não forem incompatíveis com a nova Carta Política têm sua eficácia mantida. Esse instituto é conhecido como o da recepção das normas.

Voltando-se os olhos ao caso da acumulação dos cargos, tem-se que a Constituição Federal garante a possibilidade do servidor exercer dois cargos públicos, desde que respeite a compatibilidade de horários e o teto remuneratório. Por sua vez, a norma que institui o regime de dedicação exclusiva limita sobremaneira direito assegurado constitucionalmente. Aqui já se vislumbra a contrariedade do texto constitucional promovida pela lei 4.345/64, o que impede a irradiação de seus efeitos no ordenamento vigente, conforme dispõe o princípio da supremacia da Constituição. Tampouco se pode falar em recepção, haja vista que essa norma é anterior à Carta Constitucional de 1988, porquanto estabelece limitação mais gravosa à liberdade de exercício de trabalho do que a garantida pelo sistema atual. Oportuno mencionar que tanto a lei 4.345/64, como o Decreto 94.664/87 são natimortos, pois no momento de sua publicação vigia norma constitucional semelhante à trazida pela CF/88, estabelecendo exceções à regra proibitiva de acumulação dos cargos públicos.

Insta consignar que o instituto da desacumulação absoluta trazido pelo regime de dedicação exclusiva é, além de inconstitucional, improducente e mesmo atentatório ao princípio da eficiência pública. Um verdadeiro tiro no pé, se se pensar que em determinadas situações a acumulação de cargos é recomendável, senão imperiosa. Ruy Barbosa, à época da primeira vedação total empreendida no corpo da Constituição de 1891, já demonstrava com exemplo magnífico o desacerto do instituto: "Suponhamos a coexistência de um curso de bacteriologia e um instituto consagrado às investigações deste ramo de estudos. Seria acaso mais proveitoso à sociedade, nesses dois serviços, distribuí-los entre um prático sem teoria e um teorista sem prática, do que reuni-los num pasteur, num koch, num Oswaldo Cruz, ou num Carlos Chagas?" É evidente a resposta.

A possibilidade de acumulação de cargos pelo professor, trazida pelo texto constitucional, denota a preocupação com o aprimoramento técnico desse profissional. Permite-se que se reduza o professorado a hora de aula, e a hora de aula a um intervalo entre negócios de maior importância para a vida econômica e intelectual dos professores, entre as causas do foro, ou as sessões dos tribunais, ou as urgências e a clínica de consultório. Essas atividades enriquecem esses profissionais com o imprescindível conhecimento empírico, pragmático, nu e cru que somente a vida além da academia se lhes apresenta.

Dessa feita, o instituto da dedicação exclusiva, como proibição absoluta de acumulação de outros cargos, é fruto de interpretação equivocada e contrária à Constituição vigente, não podendo ser utilizado contra os professores que exercem as atividades previstas nas exceções do art. 37, XVI, da CF/88. Ademais, admitir como válido esse impedimento equivale a restringir injustificadamente a atividade de magistério àqueles que podem transmitir não apenas a teoria científica, mas a vivência prática da ciência.

_______________

*Advogado do escritório Newley, Romanowski, Araújo & Guerra Advogados Associados

 

 

 

 

 

________________

Atualizado em: 11/8/2009 10:33

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Maria Berenice Dias

Maria Berenice Dias

Informativo Migalheira desde 2002
Taciana Santos Lustosa

Taciana Santos Lustosa

Informativo Migalheira desde 2020
Carolina Amorim

Carolina Amorim

Informativo Migalheira desde 2020
Júlio César Bueno

Júlio César Bueno

Informativo Migalheiro desde 2004
Thiago Boaventura

Thiago Boaventura

Informativo Migalheiro desde 2017
Jones Figueirêdo Alves

Jones Figueirêdo Alves

Informativo Migalheiro desde 2011
Renato da Fonseca Janon

Renato da Fonseca Janon

Informativo Migalheiro desde 2017
Scilio Faver

Scilio Faver

Informativo Migalheiro desde 2020

Publicidade