terça-feira, 27 de outubro de 2020

MIGALHAS DE PESO

Publicidade

Burla ao Precatório

O Senado Federal, em dois turnos de votação, aprovou a PEC 12/06, de autoria do Senador Renan Calheiros.

sexta-feira, 6 de novembro de 2009


Burla ao Precatório

Jorge Rubem Folena de Oliveira*

O Senado Federal, em dois turnos de votação, aprovou a PEC 12/06 (clique aqui), de autoria do Senador Renan Calheiros.

A PEC institui "regime especial"1 que autoriza Estados, Distrito Federal e Municípios, que estejam em mora na quitação dos precatórios (procedimento para pagamento de condenações judiciais contra o Poder Público), a pagá-los em até quinze anos2.

A PEC tramita atualmente na Câmara dos Deputados, sob o nº 351/09 (clique aqui), e, em 27 de outubro, foi aprovada pela Comissão Especial criada para examiná-la.

A "PEC do calote" é mais um símbolo da crise de representatividade política no País, na medida em que os membros do Poder Legislativo, que deveriam representar a vontade dos eleitores, na verdade advogam interesses contrários, beneficiando o poder público devedor, distorcendo o adágio popular, que fica assim: "devo, não nego e não pago enquanto puder".

Esta lamentável postura, que põe em xeque as instituições públicas, conta também com a participação dos Poderes Executivo (o inadimplente) e Judiciário, representado na hipótese pelo STF, que, mesmo sabendo do não cumprimento das decisões judiciais, firmou jurisprudência contrária à intervenção nos Estados e Municípios inadimplentes (artigos 34, VI e 35, IV, da CF/88 - clique aqui)3, além de autorizar o sequestro de verba pública somente nos casos de não observância da ordem cronológica do pagamento4.

Com efeito, o não pagamento de precatório constitui violação ao Estado Democrático de Direito, uma vez que a sentença passada em julgado é um direito individual, previsto no artigo 5º, XXXVI da CF.

Na República, os poderes constituídos (Legislativo, Executivo e Judiciário) têm suas competências definidas na CF, funcionando de forma independente e harmoniosa entre si (art. 2º da CF), a fim de assegurar a manutenção das instituições e da ordem social.

É perigoso para a democracia quando um Poder (o Executivo) retarda o cumprimento da decisão do Judiciário. Ou quando o Legislativo, casuisticamente, cria nova norma jurídica como forma de burlar o adimplemento da condenação judicial, depois de esgotados todos os recursos. Como, então, exigir do povo o cumprimento de qualquer dever?

Por outro lado, incentivar a compensação de créditos de precatórios para pagamento de débitos inscritos na Dívida Ativa5 favorecerá a ampliação de um mercado perverso de cessão de créditos, em que os titulares dos direitos sofrem deságio sobre os valores a serem recebidos, o que favorece apenas as instituições de crédito especializadas e capitalizadas. Aqui reside, talvez, o lado mais perverso e obscuro da aludida PEC.

Portanto, a mencionada PEC não só atenta contra o Estado Democrático de Direito (art. 1º), como também contra as cláusulas pétreas da separação dos poderes e dos direitos e garantias individuais, previstos no artigo 60, § 4º, III e IV, da CF.

_______________

1 Artigo 2º da redação da proposta, que altera o art. 97 da ADCT.

2 Art. 2º da PEC, que acrescenta o art. 97 do ADCT.

3 IF 5.050-AgR-SP.

4 ADI 1.662.

5 Artigo 1º da PEC, que propõe inclusão da redação do § 9º no art. 100 da Constituição.

_______________

*Sócio do escritório e Folena, Jordão e Barbosa Advogados & Consultores. Presidente da Comissão Permanente de Direito Constitucional do IAB - Instituto dos Advogados Brasileiros

_____________

Atualizado em: 5/11/2009 10:54

AUTORES MIGALHAS

Busque pelo nome ou parte do nome do autor para encontrar publicações no Portal Migalhas.

Busca

AUTORES MIGALHAS VIP

Valmir Pontes Filho

Migalheiro desde 2004

Luís Roberto Barroso

Migalheiro desde 2003

Marília Lira de Farias

Migalheira desde 2020

Anna Carolina Venturini

Migalheira desde 2014

Miguel Reale Júnior

Migalheiro desde 2003

Vantuil Abdala

Migalheiro desde 2008

Gilberto Bercovici

Migalheiro desde 2007

Ricardo Penteado

Migalheiro desde 2008

Stanley Martins Frasão

Migalheiro desde 2002

Rogério Pires da Silva

Migalheiro desde 2005

Publicidade