Auditoria e Controles Internos

Distrito Federal Curso
Encerrado


Auditoria e Controles Internos

  • Data: 29, 30/6 e 1/7
  • Horário: 8h30 às 17h30
  • Local: Microtécnica Informática - SCRN 702/703 - Bloco A - Loja 47 - Asa Norte - Brasília/DF

O curso apresenta os conceitos, os requisitos e as principais ferramentas para o estudo, a implantação e a avaliação de controles internos, considerando os avanços recentes e mais significativos na matéria, com vistas a dotar o participante de um adequado ferramental para assessorar a sua organização a implementar um eficaz sistema de controle para dar suporte à consecução de sua missão e alcançar seus objetivos.

Objetivo

Proporcionar aos participantes conhecimentos teóricos e práticos em auditoria governamental e na implementação e avaliação de controles internos na administração pública.

Público alvo

Profissionais de auditoria interna de órgãos/entidades públicos, auditores de tribunais/conselhos de contas, gestores públicos e demais interessados em padrões e práticas de auditoria e controle interno na administração pública.

Programa

1. Revisão conceitual

1. Auditoria governamental

2. Conceito e classificação

3. Auditoria externa

4. Auditoria interna

  • a profissão de auditor interno
  • auditoria interna e controladoria
  • planejamento da atividade de auditoria interna
  • relacionamento com a alta administração e com o auditado

5. Sistema de controle interno do poder executivo

  • atribuições
  • formas de atuação
  • limitações da atuação dos auditores
  • auxílio ao controle externo

6. O controle exercido pelo Conselho Nacional de Justiça

2. Normas de auditoria

1. Fontes de normas de auditoria

  • Conselho Federal de Contabilidade Instituto de Auditores Internos (IIA/Audibra)
  • Organização Internacional das Entidades Fiscalizadoras Superiores (Intosai)

2. Classificação das normas de auditoria

  • código de ética
  • relativas à pessoa do auditor
  • relativas à execução do trabalho
  • relativas à apresentação dos resultados

3. Normas relativas à pessoa do auditor

4. Normas relativas à execução do trabalho

3. Controles internos

1. Conceito de controle e sua relação com o planejamento

2. Controle como uma das funções clássicas da administração

3. Controle sob a visão da gestão por processos e no ciclo do PDCA

4. Os cinco elementos fundamentais do controle

  • análise de cada um dos elementos fundamentais do controle
  • interação dos elementos no ciclo ou na atividade de controle

5. Classificações de controle

  • quanto à natureza
  • quanto ao momento em que é exercido
  • quanto à localização de quem exerce
  • quanto à função de quem exerce

6. Controle interno

7. Entendendo a confusão terminológica

8. Desmistificando os conceitos de controle interno

  • a evolução dos controles internos
  • hoje um instrumento do gestor, para propiciar alcance de objetivos

9. Definição de controle interno, segundo o COSO

10. Definição de controle interno, segundo a INTOSAI

11. Definição de controle interno, segundo a STN

12. Síntese das definições de controle interno e abstrações fundamentais do conceito

  • objetivo e objetivos gerais do sistema de controle interno
  • processo, pessoas e razoável certeza
  • limitações
  • o controle é interno ao processo de trabalho ou à atividade que ele controla daí a recomendação construir "dentro" e não "sobre"

4. Modelos de referência para implantação e avaliação de controles internos

1. COSO - Internal Control Integrated Framework

  • origens do COSO
  • o colapso da Enron e o “renascimento” dos controles: COSO I, COSO II, Basiléia, SOX
  • estrutura tridimensional integrada de controle interno (cubo COSO) e sua abordagem
  • o cubo INTOSAI e suas diferenças em relação ao COSO

2. COSO II - ERM Enterprise Risk Management Integrated Framework

  • foco: COSO I – estrutura de controles
  • COSO II - gestão de riscos

3. Conceito de risco e definição de gerenciamento de riscos segundo o COSO II

4. A gênese da gestão de riscos: os objetivos institucionais, os riscos a eles associados e os controles para mitigá-los

5. Entendendo os riscos corporativos: categorias, definições e fatores (fontes de risco)

6. Riscos: a razão de ser de um controle – ampliação do papel do controle interno como respostas aos riscos que podem impactar as categorias de objetivos organizacionais (1ª. dimensão do CUBO)

  • estratégicos
  • operacionais
  • comunicação
  • conformidade

7. Os componentes do COSO, ou os meios para se atingir os objetivos organizacionais (2ª. dimensão do CUBO)

  • ambiente interno
  • fixação de objetivos
  • identificação de eventos
  • avaliação de riscos
  • respostas a riscos
  • atividades de controle
  • informação & Comunicação
  • monitoramento

8. Os níveis de aplicabilidade do COSO, ou as entidades objeto do controle (3ª. dimensão do CUBO)

9. Porque utilizar o COSO II como modelo de referência para o estabelecimento de uma estrutura de controles internos

  • o posicionamento da INTOSAI
  • o COSO como marco conceitual de avaliação de riscos e controles na SOX

10. Estratégias para implementação de uma estrutura de controles internos

  • planejamento
  • mapeamento, avaliação e priorização: matriz de riscos e controles
  • documentação
  • testes
  • monitoramento

11. Descrição, finalidade e autoria de outros modelos de referência e regulamentações que consolidam as principais práticas de gestão de riscos, controles internos e auditoria

5. Metodologia para avaliação de controles internos

1. Avaliação de controles internos

2. Definição do processo de avaliação de controles internos

3. A quem compete avaliar os controles internos da entidade

4. Atitudes requeridas do analista/auditor na avaliação de controles internos

  • em relação aos gestores e agentes da entidade avaliada
  • como proceder em caso de constatação de desvios ou fraudes

5. Ferramentas de aplicação

  • fluxogramas e mapas de processo
  • questionários de avaliação de controles internos - QACIs
  • matriz de riscos e controles
  • matriz de planejamento
  • matriz de achados
  • pesquisa documental, entrevistas e observação de operações

6. Etapas da avaliação

  • planejamento
  • contextualização
  • contexto operacional
  • estrutura organizacional
  • referencial de conformidade

7. Elaboração do plano de trabalho

  • definição do escopo e da equipe de auditoria
  • preparação de papéis de trabalho preliminares
  • plano de reuniões e entrevistas e cronograma de atividades
  • preparação de apresentação para reunião de abertura
  • homologação do plano de trabalho pelo supervisor

8. Execução

  • levantamento, documentação e validação dos processos
  • levantamento: atividades detalhadas desta subfase
  • documentação: fluxogramas, mapas, QACIs etc.
  • validação: testes de observância e atesto de responsáveis

9. Elaboração da matriz de riscos e controles

10. Elaboração da matriz de planejamento (dos testes de controle)

11. Elaboração da matriz de achados (na execução dos testes de controle)

12. Revisão dos papéis de trabalho

  • revisão pela equipe de auditoria
  • revisão dos resultados pelo Supervisor
  • reunião para discussão das conclusões com o Gestor

13. Relatório

  • objetivos do relatório; quando determinar e quando recomendar

14. Monitoramento

  • como elaborar o plano de monitoramento do plano de ação estabelecido

Instrutor

- Antonio Alves de Carvalho Neto
Especialista em Orçamento Público e Controle Externo pelo ISC/TCU e CEFOR/Câmara dos Deputados; 30 anos de experiência em auditoria, controladoria, contabilidade geral, contabilidade de custos, orçamento e planejamento, implantação de sistemas integrados de gestão e consultoria empresarial; Instrutor do Instituto Serzedello Corrêa, do TCU, em disciplinas ligadas à gestão pública, à auditoria governamental e ao controle externo da administração pública; Autor de artigos publicados sobre questões afetas ao controle externo

Carga horária

24 horas

Forma de pagamento

Pessoa Física

Amex, Mastercard, Visa (todos em até 6 vezes)
Cheque (em até 3 vezes)
Depósito Bancário

Pessoa Jurídica

Amex, Mastercard, Visa (todos em até 6 vezes)
Boleto Bancário (em até 3 vezes)
Depósito Bancário

*Material didático: Os participantes recebem material didático sob a forma de apostilas ou livros ou cópias de outros documentos, para o acompanhamento da explanação.

*Inclusos : Coffee break e Certificado de Participação

*Os participantes receberão o certificado, desde que obtenham 75% de frequência).

Realização

  • Editora Lex

__________________

INFORMAÇÕES E INSCRIÇÕES

TELEFONE

(61) 2103-4101

e-mail

cursos.df@lex.com.br

ou

Clique aqui

Publicado terça-feira, 7 de junho de 2011