quinta-feira, 22 de outubro de 2020

ISSN 1983-392X

Gramatigalhas

de 6/3/2005 a 12/3/2005

"Questionamento ao Dr. José Maria da Costa. A minha dúvida é a seguinte: o correto é em princípio ou a princípio? Obrigada."

Alana Maria Clementino de Paula - 9/3/2005

"Prof. José Maria da Costa: Solicito um esclarecimento sobre o uso de crase antes de pronomes (V. Sa., V. Excia., minha, sua, etc.). Virtualmente Grato."

Mario Luiz Pegoraro - 11/3/2005

"1) A morte por desnutrição de oito crianças Kaiowá-guarani, no Mato Grosso do Sul, comentada em excelente reportagem da Agência Carta Maior, traz à baila um problema de prosódia. Moro nas Perdizes, onde existe uma rua muito conhecida cujo nome é Kaiowás. A maioria das pessoas não sabe o que isso significa; eu mesmo já pensei que se tratava de uma tribo indígena norte-americana. Todos falam na rua “Caióvas”. Certa vez, resolvi usar a pronúncia “caiouás”, o que deu motivo a muita gozação. Afinal, a pronúncia do nome da rua é “caiouás” ou “caióvas”, como o pessoal fala?; 2) Darci Ribeiro, em 1984, quando era vice-governador do Rio, cunhou a expressão “sambódromo”. Acho que, dessa vez, o professor “não mandou legal”, como dizem os jovens. Melhor seria, penso, que dissesse “sambatório”, pois o sufixo tório indica lugar, como se vê em dormitório, lugar onde se dorme, etc. Já a palavra grega “drómos” indica corrida, como se vê em autódromo, velódromo, hipódromo, etc. É certo que, na passarela do samba, as pessoas só correm em caso de tumulto. Talvez, por contaminação lingüística, Darci Ribeiro tornou-se avô de outra expressão muito em voga: “fumódromo”. Volto a achar que fumatório seria mais conveniente, porque as pessoas não vão ao reservado para correr, mas, para fumaçar. Aliás, expressão similar, aeródromo, foi “vetada” pelo Manual de Redação e Estilo do Estadão, talvez porque, no local, os aviões pousam e decolam, não praticam corrida. Fumatório, por sinal, é expressão consagrada: o personagem Seixas, no romance Senhora, de José de Alencar, sempre deixa o salão social para dirigir-se à sala apropriada para fumar: o fumatório. Observe-se que, naquele tempo, acredito, não existia lei que proibisse fumar em locais públicos. A nossa antiga sociedade era frugal em matéria de leis, mas, pródiga em se tratando de educação e bons costumes. Então, que acham os colegas migalheiros, ou o próprio Dr. José Maria da Costa, de todo esse palratório."

Mauricio Bernardi - 11/3/2005

Comente

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

WhatsApp Telegram