quinta-feira, 22 de outubro de 2020

ISSN 1983-392X

Greve dos servidores

de 18/4/2010 a 24/4/2010

"Senhor Diretor, leio a nota em Migalhas: Greve (Migalhas 2.368 - 16/4/10). E, ao que parece, com toda razão, já que há dois anos eles não têm reajuste. Bem! Eu escrevi a Migalhas sobre as diferenças que são dadas aos juízes e aos servidores, principalmente aposentados. Pedi inclusive que informem seus aumentos nestes últimos 20/30 anos. Por quê? Porque se o Governador vem dando aumentos sucessivos aos juízes, desembargadores obviamente isso é um ato de corrupção, para impedir que eles apóiem os servidores. Basta averiguar as sentenças que são dadas quando os servidores vão ao Judiciário, que é confundido com Justiça. Uma vergonha!"

Olavo Príncipe Credidio – OAB/SP 56.299 - 19/4/2010

"Sr. editor, desculpe-me a franqueza, mas não acho legítimo que Migalhas apoie a greve do Judiciário por melhores salários (Migalhas 2.368 - 16/4/10 - "Greve"). V. Sa. analisou quanto ganham os servidores, para poder avaliar se é justo ou não o que reivindicam? Claro que não! Outra questão: se o aumento for concedido, quem garante que os servidores passarão a tender-nos (os advogados) com presteza, educação, eficiência? Então, desculpe, mas estão metendo a colher num angú que não conhecem..."

José Fernandes da Silva - OAB/SP 62.327 - 23/4/2010

"Sr. diretor, leio em Migalhas o comentário do dr. José Fernandes da Silva. Obviamente, pimenta nos olhos dos outros é refresco, pensa o migalheiro; e certamente ele não é e não foi funcionário público para saber a penúria dos funcionários e dos servidores, principalmente dos aposentados. Ele sabe quanto ganham? Os salários deviam ser expostos e expostos também os dos juízes e os dos Assembléia Legislativa, os maiores beneficiados, se forem os protegidos políticos. Recentemente o Prefeito fez isso: expô-los! Pode crer que não pensaria dessa maneira. Eu sou advogado, porém aposentei-me como Diretor de Escola Pública, por concurso, após dar aulas por cerca de vinte anos. Se não tivesse herança de meus pais, casa para morar, não teria nem onde morar, pois o provento de hoje (aposentadoria) não permitiria. Antes de se manifestar deve-se saber o quanto ganham, senão é palpite e palpite não dá certo nem na loteria. Atenciosamente,"

Olavo Príncipe Credidio – OAB/SP 56.299 - 23/4/2010

Comente

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

WhatsApp Telegram