Exame da OAB

26/4/2010
Kennedy Ribeiro

"Sou um bacharel. Na verdade, espero dizer, 'eu era um bacharel até dia 18/4/10'. E, com certeza, na seara civil esta prova estava muito mais difícil e extensa que a anterior anulada. Também, podemos perceber isto pelo espelho de respostas desta e o espelho da prova do exame anterior (2009.2). Nestes, o padrão de respostas foi muito maior. Repleto de detalhes. Fiz o exame pela primeira vez. Sou a favor dele, porque gera uma credibilidade (qualidade) aos profissionais. Lembremos, que iremos atuar (atuamos) com a sociedade. E, ela, só nos percebe, mais, pelo Exame, isto é, as pessoas nos valorizam por termos passado pelo Exame OAB. Contudo, acredito que algumas coisas devem ser alteradas. Vejo uma pressão enorme em cima deste exame, tanto pela OAB, quanto pelas universidades. A sociedade só se atenta pelo resultado. Agora, o maior absurdo, é estudarmos cinco anos e para exercer nossa profissão sermos obrigados a nos submeter a um exame obrigatório pagando mais de R$ 150,00 de inscrição. No meu estado (MS) o valor foi de R$ 200,00, e nenhum concurso público, seja para o MP, magistratura ou Defensoria Pública é tão caro. Isto porque, a aprovação nestes concursos garantem um subsidio mensal, vitaliciedade e inamovibilidade, enquanto a aprovação no Exame garante o pagamento perpétuo de uma anuidade. E, ainda que trabalhemos em instituições com sindicatos próprios, teremos de arcar com a OAB. Por fim, lamento que a OAB se atente tanto para este Exame como maneira de filtrar os mais preparados a exercerem a sagrada missão de advogados, mas não mantenha a mesma postura para os profissionais já atuantes (com suas inscrições da OAB) que atuam de forma desregrada, sem ética e respeito aos seus cliente e aos correligionários, contra a própria instituição. Então, que a OAB mantenha o mesmo espírito para os que entram e para os que já estão dentro."

Envie sua Migalha