domingo, 25 de outubro de 2020

ISSN 1983-392X

Artigo - O consumidor nas compras

de 30/5/2010 a 5/6/2010

"Matéria sempre objeto de recorrência, é oportuno acrescentar que pior do que as agruras pela aquisição de um produto em estabelecimento físico, é adquiri-lo pela Internet (Migalhas 2.399 - 1/6/10 - "Consumidor consumido" - clique aqui). O desrespeito parece ser diretamente proporcional à distância entre o fornecedor e o comprador - principalmente quando trata-se de morador aqui da região nordeste. Estou em plena via crucis por causa de um notebook Dell que ao sair da caixa já não funcionava. E nem todas as queixas, horas de telefone, visita à assistência autorizada, nem mesmo ter espalhado meu bizarro caso pelos Facebook, Reclame Aqui e correlatos, fizeram a empresa cumprir com sua obrigação legal. Procon? Pra quê?"

Clarice Bagrichevsky - 1/6/2010

"Vivi uma situação muito semelhante a esta relatada pelo Exmo. desembargador, e é realmente um desrespeito à dignidade da pessoa humana a forma como o consumidor é tratado em ocasiões como essa (Migalhas 2.399 - 1/6/10 - "Consumidor consumido - clique aqui). O pior é que, apesar de todos os danos sofridos, o consumidor, ao final de anos de espera, leva apenas o bem ou o valor corrigido monetariamente. Os danos morais, que o consumidor obviamente passou durante todo esse tempo, na maioria das vezes infelizmente não são condenados. Por isso é tão confortável (e barato) para a empresa aguardar a condenação do Judiciário."

Alice Cooper Felippini - 1/6/2010

"Parabéns, o desembargador descreveu muito bem a situação e o sofrimento do consumidor (Migalhas 2.399 - 1/6/10 - "Consumidor consumido" - clique aqui)! Vivo esta situação."

Maria Rosangela de Oliveira Pedreira - 2/6/2010

Comente

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

WhatsApp Telegram