quinta-feira, 22 de outubro de 2020

ISSN 1983-392X

Tributos

de 27/3/2005 a 2/4/2005

"Lendo notícia de "O Globo" de 25/3/05, intitulada "INSS lança pacote para reduzir déficit", fiquei revoltado com a forma em que o Governo Lula continua "trocando o sofá". Punir, outra vez, os contribuintes não me parece a solução. As leis, a Justiça, os preâmbulos e os bastidores da política, há muito necessitam revisões, assim como o caráter simplório dos políticos e tecnocratas que enveredam por caminhos tortuosos em busca de soluções que culminam em disparates. Gostaria de ler migalhas a respeito, as opiniões que abrilhantam este rotativo com embasamento legal e de forma limpa, clara e objetiva."

Luiz Carlos Carvalho da Silva - contador - 28/3/2005

"Se a reforma da Previdência de 2003 primou por penalizar inativo, velho, órfão e viúva, o novo ministro da Previdência, Romero Jucá, já escolheu um novo alvo: o doente. E o fazendeiro (dono do Ministério da Fazenda) e médico-veterinário, Dr. Palocci, ainda disse: "o povo está adoecendo sem uma justificativa plausível". Não resta dúvida de que a nova MP vai abreviar a vida do pobre, pois foi aumentada a carência para gozar o auxílio-doença, e o seu cálculo será feito com base em uma média aritmética das 36 últimas contribuições. Assim quis o piedoso ministro: o pobre brasileiro que arrumar um emprego de R$ 600,00 mensais, às duras penas, não poderá adoecer nos primeiros 36 meses do emprego (se este durar até lá), do contrário, o valor do seu benefício vai cair para o equivalente do salário mínimo. Vai ter sensibilidade assim lá no Inferno! Pesando tudo isto e mais o que não foi falado, fiz uma pequena poesia para devorar o PT e homenagear a cidade de João Pessoa, onde se assiste ao mais belo pôr-do-sol do País, na Praia do Jacaré, ao som do bolero de Ravel tocado por um saxofonista em um barco sobre o rio:

Onde pinta uma vantagem
O Petê chega na frente
E os petistas, aos montes
Vivem às custas da gente
Ladrão que rouba de luva
Tirou de velho e viúva
Agora mata doente

Só de lembrar da estrela
Dá-me uma macacoa:
Só penso para o Petê
Uma bondade bem boa:
Jogar esses pangaré
Na boca do jacaré
Do rio de João Pessoa!

Lula, Dirceu, Genuíno
Na praia, um "escarcel":
O povo trouxe Palocci
E João Paulo, outro fiel
O jacaré devorando
E eu feliz escutando
O bolero de Ravel.

É claro que o PT não merece um escarcéu, o dele é com a letra l no fim."

Zé Preá - 28/3/2005

"Adam Smith certa vez afirmou que, "Para tirar um Estado do mais baixo grau de barbarismo e elevá-lo ao mais alto nível de opulência são necessários três elementos: tributação leve, paz social e uma razoável administração da Justiça". Não obstante do cotidiano de cada um dos senhores e senhoras que consomem seu tempo na leitura destas rotas linhas, está a possibilidade da constatação fática qual coloca nossa pátria mãe querida tão distante no equilíbrio social sonhado por todos. Penso às vezes que todo o cidadão com poder de decisão sobre as ações de Estado as quais balizam nossa vida cotidiana deveriam ser obrigados a ler a obra de expoentes com Adam Smith."

Carlos Augusto Martins - 28/3/2005

"Sobre a MP 232: "Tributação sem representação é tirania". (J. Otis, político norte americano, 1725-1783)"

Nelson Pasini - escritório Pasini Advogados - 31/3/2005

"O deputado Arlindo Chinaglia, ignorando as públicas e notórias reclamações dos brasileiros no curso da última década, pelo justo devido reajuste da tabela do imposto de renda, procurou capitalizar o misero e irreal reajuste como sendo "uma decisão do governo". Ora, se era intenção do governo reajustar a tal tabela, porque o fez somente em 10%, e não no de fato devido?"

Wilson Silveira - escritório Newton Silveira, Wilson Silveira e Associados - Advogados e CRUZEIRO/NEWMARC Patentes e Marcas Ltda - 1/4/2005

Comente

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

WhatsApp Telegram