quinta-feira, 22 de outubro de 2020

ISSN 1983-392X

Severino Presidente

de 3/4/2005 a 9/4/2005

"Ao contrário do que dizem fariseus e filisteus acho a conduta do deputado Severino um avanço na praxis da política nacional. Em vez de políticos dissimulados, hipócritas, contritos nas desonestas declarações de amor ao povo e à democracia, metendo a mão na rés pública com mão de gato e pata de elefante, temos o Severino a reclamar para si e para a sua grei, em alto e bom tom, sem máscara, o que a maioria dos políticos visam na prática da política e na vida pública. Dar-se bem, amealhar fortuna, "tirar o seu". Tout court, meter a mão. Frente à frenética "ida ao pote" dos petistas pequeno-burgueses, do PMDB bucaneiro e do PL vendilhão no Templo, mil vezes o desassombro do Severinão. Pelo menos sabemos com quem estamos lidando. Sua "pureza" de Geni, seu lema "Mateus, primeiro os teus", seu franciscano "é dando que se recebe",  expõem-no à  vendetta da maldita hipocrisia nacional. A mesma hipocrisia que tão bem manejou no tempo do Collor. Antes dez Severinos que um Sarney e suas troupes."

Alexandre de Macedo Marques - 3/4/2005

"Queria me juntar na bela fala do migalheiro Alexandre de Macedo Marques sobre "Severino Presidente". Realmente é um avanço na práxis da política nacional. Aliás, todo biólogo, antropólogo ou botânico quando pretende estudar qualquer ser vivo, analisa-o em seu habitat natural e começa a estudar os seus hábitos e tentar relacioná-los com o meio ao seu redor. Tanto mais séria será a pesquisa científica, quanto maior variáveis for possível detectar. No entanto, quando o assunto são os políticos essa pesquisa torna-se difícil, haja visto a dissimulação e subterfúgios que esses seres perpetram quando estão atuando no seu meio. Todavia, e contrariando a regra, poderemos estudar durante os próximos dois anos, uma espécie que naturalmente está desprovida dessas dissimulações, e então poderemos ver a olho nu, o que apenas conseguíamos sentir na pele. Brilhante quem votou em Severino para presidente, pois, consciente ou inconsciente, elegeram uma personificação autêntica dos desejos frustrados brasileiros e tornaram realidade um "odorico paraguaçu", que faria inveja na ficção de Dias Gomes, ou removeria poeira do túmulo de Jorge Amado."

Lauro Mendonça Costa - 4/4/2005

"Brasília - O presidente da Câmara, deputado Severino Cavalcanti (PP-PE), anunciou em ofício enviado à Secretaria Geral da Mesa, que decidiu devolver "ao autor", que é o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a partir de agora, todas as medidas provisórias (MPs) enviadas ao Congresso que não obedeçam à regra constitucional de que somente assuntos relevantes e urgentes podem ser decididos por MP. O deputado afirma, no ofício, que sua decisão é fundamentada no Regimento Interno da Câmara e no artigo 62 da Constituição.

Essa notícia, publicada nos jornais de hoje, deve passar a assombrar a Presidência da República. Mas, pensando no Severino, há males que vem para bem. Será que, a partir de agora, na nossa República, passarão a existir três poderes, independentes e harmônicos, ficando para o Legislativo a função de legislar e para o Executivo executar? Parece que isso já estava escrito em algum lugar..."

Wilson Silveira - escritório Newton Silveira, Wilson Silveira e Associados - Advogados e CRUZEIRO/NEWMARC Patentes e Marcas Ltda - 6/4/2005

Comente

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

WhatsApp Telegram