quarta-feira, 21 de outubro de 2020

ISSN 1983-392X

STF

de 18/7/2010 a 24/7/2010

"A alta direção de Migalhas merece aplausos (Migalhas 2.432 - 20/7/10 - "Vaga no STF"). Acerca da matéria sobre a indicação de Arnaldo Malheiros Filho para a vaga do STF, Migalhas desempenhou seu grande papel de imprensa isenta para deixar bem claro que a pretensão do 'jornalista' Josias de Souza não era a de informar. Quem é do meio sabe muito bem que Arnaldo Malheiros Filho é pessoa de moral ilibada e irretorquível, capaz profissionalmente e muito querido por todos. Parabéns à alta direção de Migalhas."

Leduar Eduardo dos Reis - Forte Consultoria jurídica e empresarial - 20/7/2010

"A indicação do nome do dr. Arnaldo Malheiros Filho para a escolha pelo Presidente Lula para compor nossa Suprema Corte é motivo de orgulho para os advogados paulistas e para todos aqueles que têm no culto ao Direito Penal e Processual Penal o sentido primeiro de garantia das liberdades individuais (Migalhas 2.432 - 20/7/10 - "Vaga no STF"). Os adornos da personalidade do grande advogado são de todos os do meio jurídico conhecidos e o credenciam ao mais alto posto da magistratura nacional. Tendo-o na amizade e apreço, espero que o Presidente realize a escolha preferindo-o, pois estará a prestigiar o ideário da democracia."

Maurimar Bosco Chiasso - advogado, professor e magistrado aposentado - 20/7/2010

"Sr. Diretor, aproximando-se anunciada aposentadoria do E. Ministro Eros Grau, do C. Supremo Tribunal Federal, o Instituto dos Advogados de São Paulo expressa indelével agradecimento pelo relevante serviço prestado por sua Excelência ao Brasil e ao povo deste país, sabendo reconhecer a dedicação e o elevado conhecimento jurídico no curso de sua judicatura naquela Corte (Migalhas 2.432 - 20/7/10 - "Vaga no STF"). Outrossim, o processo de preenchimento de sua vaga deverá levar em conta os necessários predicativos constitucionais, dentre eles, o da ilibada reputação e o do notável saber jurídico, repousando a nomeação em nome sobre o qual haja consenso na comunidade jurídica. O ministério do ofício judicante no C. Supremo Tribunal Federal exige preparo e conhecimento jurídicos ímpares, que possam conduzir à exata interpretação da Constituição Federal, alicerce máximo do Estado de Direito. Repousando na indicação do senhor Presidente da República e sob a sabatina do Senado Federal, espera-se que o novel Ministro desincumba-se com a mesma eficiência de seu predecessor na árdua e honrosa tarefa de dizer, por último, da interpretação constitucional do Direito. Dos nomes que se tem anunciado como possíveis para a investidura em mencionado cargo, mencionados em Migalhas amanhecidas de hoje, como visto, bem requentadas, temos dois nomes de expressiva importância no cenário jurídico nacional, sendo lamentável que a imprensa, em aparente interesse em exaltar um dos candidatos, pretenda sutilmente denegrir outro. O Ministro Asfor Rocha, por todo o seu trabalho e dedicação no STJ, carreira de todos conhecida, seguramente merece todo o respeito e sua eventual indicação receberia aplausos de toda a classe jurídica. Não menos importante e com os predicados bastantes para a vaga, seguramente o nome de Arnaldo Malheiros Filho cumpre com larga folga os requisitos constitucionais para assunção ao C. Supremo Tribunal Federal. Falo agora, com conhecimento de causa, do brilhante advogado, jurista de primeiríssima linha, homem cuja a integridade é de todos conhecida, dr. Arnaldo Malheiros Filho. A eventual indicação do ilustre advogado, sem dúvida, muito enriquecerá a Corte maior Brasileira e a advocacia aplaudirá, haja vista tratar-se de um dos maiores advogados brasileiros. Que o Presidente da República, na difícil tarefa de escolha entre dois importantes nomes, nomeie aquele que melhor lhe aprouver, escolhendo aquele que, em substituição ao grande jurista Ministro Eros Grau, possa engrandecer o Judiciário Brasileiro, é o que espera a advocacia."

Euclydes José Marchi Mendonça - Presidente, em exercício, do IASP - 20/7/2010

"Estimado Diretor, coisas da vida fizeram com que eu tivesse o prazer, mais que a honra, em conhecer bem Arnaldo Malheiros Filho em seu início de carreira na banca de José Carlos Dias, na defesa de jornalistas perseguidos e torturados pelo regime militar (Migalhas 2.432 - 20/7/10 - "Vaga no STF"). Tudo o que foi dito sobre Malheiros Filho nas migalhas de hoje (20/7) assino em baixo e acrescento ainda outras facetas de sua rica personalidade: ele foi pioneiro no uso do computador na área jurídica, em uma época em que ainda não existia micro, remando contra tudo e todos, sempre com excelente humor. Impagável!"

Pedro John Meinrath - engenheiro - 21/7/2010

"A nota 'Vaga no STF', em Migalhas 2.432, coloca as coisas em seus devidos lugares (Migalhas 2.432 - 20/7/10 - "Vaga no STF"). Nem sempre a imparcialidade e a objetividade, na matéria jornalística, significam virtude. Certamente, todos aqueles que conhecem o grande advogado Arnaldo Malheiros Filho ficaram indignados com as maldosas insinuações contidas na matéria sobre a sucessão no STF, publicada por Josias de Souza, na Folha de S.Paulo. Migalhas, em um primeiro momento, apenas reproduziu parcialmente aquele texto, mas, certamente, depois, se deu conta de que tal comportamento, de certa forma, involuntariamente, avalizava a desinformação. Não é possível, especialmente para uma publicação dirigida ao mundo jurídico, ser imparcial diante de tão gritante injustiça, para dizer o mínimo. O advogado Arnaldo Malheiros Filho, exatamente por ser um excelente profissional, já cuidou de patrocinar o sagrado direito de defesa de muitos políticos, de diversos partidos e tendências, sem que isso possa ser entendido como cumplicidade  com o cliente. O cidadão Arnaldo Malheiros Filho já deixou perfeitamente claro seu credo político e já evidenciou os valores que preza e defende ao participar intensamente e corajosamente da luta pela restauração do estado democrático de direito."

Adilson Abreu Dallari - advogado - 21/7/2010

"Parabéns, parabéns, parabéns, parabéns (Migalhas 2.432 - 20/7/10 - "Vaga no STF")! Fazia tempo que eu não me sentia de alma tão lavada quanto depois de ler, na nota 'Vaga no STF', de 20/7/10, Migalhas 2.432, sobre o grande Malheiros. Migalhas se superou!"

Antonio Cândido Dinamarco - OAB/SP 32.673 - 21/7/2010

Comente

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

WhatsApp Telegram