sábado, 24 de outubro de 2020

ISSN 1983-392X

Paternidade

de 25/7/2010 a 31/7/2010

"Não foi o primeiro a contestar (Migalhas 2.435 - 23/7/10 - " E agora José?"). Mas, como os outros antecedentes, da mesma forma é uma atitude despropositada se um exame barato (para o suposto pai é uma quantia mais que irrisória) poderá dar a certeza, ou não, da paternidade. A obstinação do sr. José Alencar, Vice-Presidente da República, em se recusar a fazer o exame de DNA, além de um péssimo exemplo, é uma atitude indigna de quem vem sendo considerado um exemplo na luta contra as adversidades da natureza. Nesse drama já antigo que agora veio a público por causa da sentença proferida reconhecendo a paternidade,  D. Marisa, como mulher, mãe e esposa, deveria ter a coragem de vir a público e se pronunciar. Ou então, exigir que fosse feito o exame de DNA para saber se Rosemary é, ou não, sua enteada. É tão simples chegar a um resultado real como é desnecessário manter uma querela que já dura nove anos por causa de reflexos econômicos futuros."

Pedro Luís de Campos Vergueiro - 26/7/2010

"Fiquei decepcionado com o comentário sobre o reconhecimento da filha do vice-presidente (Migalhas 2.435 - 23/7/10 - " E agora José?"). Se o casaco é prova rídicula, por que a negativa em fazer o DNA? Ou, porque é vice-presidente e está doente deve ter tratamento especial? Não é o pai basta fazer o exame e não ridicularizar quem tem o direito de saber sua paternidade."

Saul Simões Junior - advogado e professor universitário - 26/7/2010

"Inobstante sua admirável valentia contra o câncer, a partir do caso em que a Coteminas importou da China, em 2006, tecido para confecção de fardamento camuflado, para vencer uma licitação em que concorriam dois produtores de Santa Catarina, passei a considerá-lo um 'traidor da pátria' (Migalhas 2.435 - 23/7/10 - " E agora José?")."

Iracema Palombello - 26/7/2010

"É inacreditável que num site que se pretende jurídico sejam publicadas coisas como os comentários da migalha 'E agora, José' (Migalhas 2.435 - 23/7/10 - " E agora José?"). O tom debochado, a miopia jurídica, o mensoscabo e tentativa de desqualificar a autora e os indícios da relação do réu com a mãe da autora são deploráveis. A pretensão da autora é de direito, e moral. Existem, ainda que possivelmente esfumaçados pelo tempo, 'bonus fumus iuris'. Assim entendeu, acertadamente, o juiz decidindo pelo exame de DNA, 99,99999999% confiável na determinação da paternidade. Nega-se o colega do Lula na Presidência da República a ceder material. Uns milímetros de sangue, um esfregaço na bochecha, um fio de cabelo, são suficientes. Para mim, nenhuma estranheza há em tal atitude conhecendo o perfil do sr. José Alencar. Ora, manda a lei e a jurisprudência que no caso de negação em ceder material para o exame seja imputada a paternidade. Só isso! Mas o Migalhas vai além. Numa espantosa atitude apresenta-se solidário ao escritório de advocacia que representa o vice presidente da República, vencido nesta fase do feito. E, numa torcida estranha, saúda o previsível recurso. Espero que o TJ/MG não se curve ao temor reverencial ou a outras pressões e manobras e mantenha a decisão. Interessante seria o Migalhas comentar como um 'cometa' do interior mineiro na década de 50 ostenta hoje uma fortuna miliardária. Graça Divina por intercessão de 'bispos' e 'bispas', 'apóstolos' e 'missionários'?"

Alexandre de Macedo Marques - 27/7/2010

"Comparando os comentários da redação do Migalhas 'E agora, José?' (Migalhas 2.435 - 23/7/10 - " E agora José?") e 'Paternidade a toda a prova' (Migalhas 2.437 - 27/7/10 - "Paternidade a toda prova") deparo-me com aquilo que a minha tia-avó Georgina chamava de 'Fugir com a b... à seringa'! Nenhum migalheiro manifestado opôs-se a que os advogados, na defesa dos interesses do sr. José Alencar - ou de seus herdeiros - usassem as acrobacias jurídicas usuais na matéria. Inclusive a desqualificação moral da mãe da autora. Mas, lembro a todos, inclusive ao Migalhas, que há uma prova que está imune ao tempo e que prevalece até ao final dos tempos: a genética. É evidente que a prova positiva de paternidade terá repercussões econômicas tremendas. Tão grandes, que até o evangélico José Alencar, cujo comparecimento perante o julgamento final e definitivo - em que deve acreditar - é previsível a curto prazo, não hesita em carregar tal possível culpa. Em seu benefício terreno? De seus herdeiros?"

Alexandre de Macedo Marques - 27/7/2010

"Doutor José foi tremendo (Migalhas 2.435 - 23/7/10 - " E agora José?")

Quando inda fez brincadeira

Aquela calma mineira

Um dia acaba nem sendo

Quando ele reina só vendo

Nunca quer ser condenado

Deixa sua calma de lado

Olha prá frente e prá trás

Mostra quem dá o recado

E ensina como se faz

Hoje já tão sossegado

Nega suas coisas prá trás."

Ontõe Gago - Ipu/CE - 27/7/2010

"Depois da má literatura jurídica, tendo como protagonista o vice-presidente da República José Alencar no numerito lítero-mineiro 'O tempo tudo apaga', o Migalhas traz à cena, com aplausos dos ligados à Literatura, o escritor romântico José de Alencar (Migalhas 2.435 - 23/7/10 - " E agora José?"). Como dizia o Sócrates, o primo mais sério e inteligente do Macaco Simão, 'não precisa explicar. Eu só queria entender'."

Alexandre de Macedo Marques - 29/7/2010

Comente

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

WhatsApp Telegram