domingo, 25 de outubro de 2020

ISSN 1983-392X

Gramatigalhas

de 10/4/2005 a 16/4/2005

"Prezadíssimos José Geraldo Horta da Silva e Clauber Luiz: com respeito à OAB Secção de São Paulo, por favor, vejam suas identidades de Advogados. Não contentes, dicionário serve exatamente para isso: mostrar o significado de cada palavra."

Antonio Cândido Dinamarco - 11/4/2005

"Caro Professor: A recente Emenda Constitucional 45, da pretensa reforma do Judiciário, acrescentou o inciso XII ao art. 93, grafando: "a atividade jurisdicional será ininterrupta, sendo vedado ("sic") férias coletivas...". Está correta a redação?"

Jorge Marum - Ministério Público do Estado de São Paulo - 12/4/2005

"Gostaria de saber se é correto a forma da usucapião ou do usucapião? Se a primeira forma for a correta como ficaria então da usucapião extraordinário ou extraordinária?"

Peterson Santilli - 13/4/2005

"Dr. José Maria, salve-me, por favor! É obrigatório o hífen ligando o pronome ao verbo que o precede, mesmo quando o pronome relaciona-se a um verbo posposto (proclítico)? Por exemplo: "Vou-lhe permitir sair mais cedo." "Quer-me fazer o favor de sair?" "Saiu-me fazendo ameaças." Consultei algumas gramáticas, e todas dizem que o hífen é obrigatório para separar o verbo do pronome oblíquo, e não fazem qualquer distinção ou ressalva quanto ao pronome referir-se ao primeiro ou ao segundo verbo. Em Direito, se a norma não distingue, não cabe ao intérprete distinguir; e na gramática? (Pessoalmente, acho que é necessário colocar o hífen, ainda que soe pedante)."

Manoel Guimarães - 14/4/2005

"Caros Redatores, ou melhor, Catadores, Boa tarde! Saiu em Migalhas (Migalhas 1.147 – 13/4/05 – "Se deu mal..."): "... O marido tinha ganho na mega-sena enquanto ainda estavam casados.". Gostaria, neste passo, de indagar ao mestre José Maria da Costa: seria correto dizer: "tinha ganho na mega-sena" ou "tinha ganhado na mega-sena"?"

Luís Eduardo Gomes - Advogado em SP - 14/4/2005

"Caro Prof. José Maria, na frase: “As situações não são deliberadamente premeditadas, apresentam-se apenas. Estão-se desenvolvendo perpetuamente, acontecendo de maneira toda espontânea.”, o traço de união do ‘Estão-se’ faz-se necessário? Sem ele não teríamos o mesmo efeito? Muito grata,"

Iracema Palombello - 15/4/2005

Comente

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

WhatsApp Telegram