quarta-feira, 21 de outubro de 2020

ISSN 1983-392X

Artigo - Tristes tempos

de 5/9/2010 a 11/9/2010

"Poeticamente interessante, sentimentalmente inteligente e verdadeiramente denunciante esse texto (Migalhas 2.466 - 8/9/10 - "Brasil nem tão varonil..." - clique aqui). Excelente !"

Carla Souza Campos - 8/9/2010

"Antes de tudo, PARABÉNS Dr. Edison Vicentini Barroso pela crônica que nos engrandece e faz pensar, repensar e ir de encontro a decisões que são tão necessárias de se ter  (Migalhas 2.466 - 8/9/10 - "Brasil nem tão varonil..." - clique aqui). Mas, perdoe-me a ousadia, as decisões que deveriam ser tomadas por todos não são somente aquelas a serem tidas nas urnas eleitorais. Não está somente no Poder Executivo e no Poder Legislativo a mudança que tanto almejamos. Também está no Poder Judiciário. Lamentavelmente sou obrigado a exemplificar com o Poder Judiciário do Estado de São Paulo o fato de almejarmos mudanças. A poucos dias encerrou-se a greve dos funcionários desse poder que, convenhamos, vivem a anos infelizes por não terem respeitados o direito à simples reposição inflacionária (constitucional) enquanto os magistrados conseguem isso e muito mais. O FAM, mais um exemplo, que os magistrados receberam integralmente e os funcionários continuam com 'o chapéu na mão' com a esmolar lhes sejam pagos o que lhes é de direito. Férias... Ora, há quem não as recebe e quando recebe é com parecelamento a 'perder de vista'. Licença Prêmio, direito esse que principalmente os aposentados que tem o direito não recebem e se sentem por demais infelizes e injustiçados. Os Oficiais de Justiça que tiveram revogada a lei que os beneficiava por serem obrigados a trabalharem em regime especial de horário, porque trabalham na madrugada, na noite, nos dias de descanso e nos feriados. Mas o que desejo dizer é que não está somente nos Poderes Executivo e Legislativo a abrangência das suas palavras. Está também no Poder Judiciário no qual o Doutor é parte integrante. Mais uma vez PARABÉNS pelas sábias palavras por serem tão abrangentes e nos alertar mais e mais que é preciso haver mudanças."

Maurício Calefo - 9/9/2010

"Que obra-prima (Migalhas 2.466 - 8/9/10 - "Brasil nem tão varonil..." - clique aqui) ! A agonia da lucidez... Reverências ao autor ! Abraços,"

Leandro Tomaz - 10/9/2010

"Muito sensível o lamento do desembargador Edison Vicentini Barroso, que soube manejar com maestria cada uma das palavras, como se fossem notas musicais de uma triste sinfonia  (Migalhas 2.466 - 8/9/10 - "Brasil nem tão varonil..." - clique aqui). Um senão apenas quando diz 'ETA povo brasileiro, que teima em correr da luz, com medo de crescer.' É que bem olhando este país em sua inteireza, desembargador, dos povos ribeirinhos do Amazonas aos campesinos dos rincões dos pampas gaúchos, é possível ver que essa gente não corre da luz, mas é deliberada e criminosamente dela alijada. O brasileiro brasileiro, quatro entre cinco habitantes deste Brasil, vive nas trevas da pobreza, da falta de educação, da falta de saneamento básico, da falta de assistência médica, da falta de segurança, da falta de Justiça e até da falta de trabalho ou de condições dignas de trabalho. Tudo somado, falta-lhe discernimento até para separar a informação imparcial daquela manipulada pelos meios hoje partidarizados, como rádio e televisão. São presas muito fáceis dos políticos, desonestos por definição em sua maioria, e também de pastores de seitas lucrativas que florescem em cada canto. Assim, a esse povo não pode ser carreada nenhuma culpa por não saber escolher, muito menos por medo de crescer. Os tempos tristes, infelizmente, tendem a se perpetuar porque até o partido que nasceu do povo descobriu como é útil manter o povo nas trevas."

Léia A. Silveira Beraldo - advogada em São Paulo/SP - 10/9/2010

"Que tenho eu com isso ? (Migalhas 2.466 - 8/9/10 - "Brasil nem tão varonil..." - clique aqui)
Logo eu que sou taxado de louco quando clamo por uma guerra civil sem quartel, todos contra todos.
Simples mortais contra autoridades
Empregados privados contra funcionários públicos
MST contra UDR.
Empresário contra empreiteiros de obras públicas
Primeiro temos que decidir na bala quem pode votar
Só sim, seremos capazes de decidir alguma coisa no voto.
Mas !
Brasileiro varonil cantarola a marselhesa, mas detesta sangue.
Todo mundo quer ver DEUS, mas ninguém que morrer.
Querem tomar osso de cachorro com 'xô tóto'
Não é abraçados sob bandeira brasileira
Cantando hino nacional que a coisa vai mudar."

José Roberto Amorim - 10/9/2010

"Esse artigo vale a pena ler, porque um dos aspectos dramáticos dos dias atuais é a 'Educação' (Migalhas 2.466 - 8/9/10 - "Brasil nem tão varonil..." - clique aqui). A educação que liberta, que leva o indivíduo a raciocinar, pensar, observar, pesquisar, tirar sua próprias conclusões. Isso que é necessário. Não esquecendo, lembra-se do Candidato a Presidente que tinha a Bandeira da Educação, nas eleições de 2006 ? E viva o Brasil."

Altimar Pasin de Godoy - 10/9/2010

"Excelentíssimo Senhor doutor desembargador Edison Vicentini Barroso, que lindo artigo sobre 'Tristes tempos' (Migalhas 2.466 - 8/9/10 - "Brasil nem tão varonil..." - clique aqui). Só penso que apesar de tudo somos ainda uma NAÇÃO CRIANÇA e portanto a ser EDUCADA. Fico olhando os descendentes dos ESCRAVOS, por exemplo, a grande maioria honesta e trabalhadora como a grande maioria dos brasileiros, povo alegre e de boa-fé. Compete a nós que tivemos a oportunidade de estudar, a duras penas, dar aos menos favorecidos, migalha por migalha um pouco do nosso SABER, um pouco de nossa EDUCAÇÃO, um pouco de nossa privilegiada FORMAÇÃO."

Sonia Castro Valsechi - advogada, OAB/SP 39.867 - 10/9/2010

Comente

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

WhatsApp Telegram