quinta-feira, 22 de outubro de 2020

ISSN 1983-392X

Correios

de 29/5/2005 a 4/6/2005

"E não é que o tal Maurício Marinho, dos correios, aquele que nos proporcionou a imagem obscena de, com toda desfaçatez, colocar os R$ 3.000,00 no bolso, esclareceu que o que vimos não aconteceu. Dizem seus advogados que Marinho afirmou que aquele dinheirinho foi "pagamento por uma consultoria que tinha prestado aos empresários e que esse valor seria doado a uma instituição religiosa..." Amém."



"Os jornais noticiam que, após ser tornado público o escândalo dos correios, o Deputado Roberto Jefferson, presidente do PTB, afirmou à imprensa, depois de prestar depoimento de mais de 3 horas a procuradores da República que investigam as suspeitas de corrupção que pediu

"...a todos os companheiros que entregassem a carta de demissão."

pois, segundo o deputado, o partido deixará as presidências do Instituto de Resseguros do Brasil e da Eletronorte e as Diretorias da Eletronuclear e da Embratur. A pergunta que não quer calar é: E o que – diabos! – fazia o “partido” nessas presidências e Diretorias? Essa é a questão que ninguém quer discutir: que motivos teriam os partidos para exigir determinados cargos? E que responsabilidade tem quem barganha cargos em empresas públicas, independentemente da qualificação ou competência dos agraciados, laranjas a serviço das necessidades financeiras dos partidos de seus mandantes?"

Wilson Silveira - escritório Newton Silveira, Wilson Silveira e Associados - Advogados e CRUZEIRO/NEWMARC Patentes e Marcas Ltda - 30/5/2005

"Carta aos Brasileiros

Os Correios e seus 108 mil empregados clamam por respeito! Ainda dominados pelo sentimento de perplexidade, nós, que fazemos parte dos mais de 108 mil empregados dos Correios, vimos a público protestar contra o que vem sendo chamado de "corrupção nos Correios". É preciso deixar claro que se trata de um fato isolado, motivado por alguém que, com certeza, não representa o verdadeiro empregado desta que vem sendo continuamente reconhecida pelos brasileiros, em pesquisas diversas, como a Instituição de maior credibilidade no Brasil. O fato mostrado pela mídia e que tem dominado a atenção do país, especialmente a nossa, é de extrema gravidade e precisa ser apurado com rigor. Entretanto, não concordamos com a forma pela qual o assunto vem sendo tratado, manchando a imagem de respeito e de dignidade que os Correios conquistaram e construíram ao longo do tempo, com o suor e a abnegação dos que verdadeiramente representam a imagem do empregado desta Empresa. Vimos pedir à imprensa, aos parlamentares e especialmente ao povo brasileiro que reflitam sobre o assunto e procurem conhecer a verdade dos fatos, e, principalmente, que passem a tratar o ocorrido como um fato isolado, reconhecendo  que o mesmo não condiz com a história  e a tradição desta instituição que tantos serviços presta à população brasileira. Neste momento, nós, empregados dos Correios, orgulhosos da empresa em que trabalhamos, estamos unidos aos milhares de brasileiros ansiosos pela verdade e pela justiça, mas queremos  manter a tranqüilidade necessária para podermos exercer o nosso trabalho dignamente, cumprindo com a nossa obrigação de bem servir ao público e mantendo  os Correios brasileiros no justo lugar de destaque como um dos melhores serviços postais no cenário internacional. Urge que separemos imediatamente o joio do trigo!"

Litza Maria Miranda Morgado - Presidente da Sociedade Civil Maria, Maria - dos Correios - 30/5/2005

"Com razão o Presidente Roberto Busato, na entrevista hoje concedida, manifestando sua estranheza diante da resistência do governo à criação da CPI dos Correios. Tudo faz crer que houve um loteamento de interesses partidários, onde cada um dos apoiadores do Planalto pretende lucrar com a solidariedade dada ao Presidente. A esta altura, não existe propriamente uma bancada governista, mas sim um grupo de parlamentares interessado em obter maiores e melhores vantagens, no mais curto espaço de tempo. Infelizmente, o Presidente ainda não se compenetrou desta vergonhosa realidade... A manifestação do Presidente Roberto Busato traduz, em poucas palavras, tudo aquilo que o nosso povo está sentindo, tomado de compreensível decepção."

Aristoteles Atheniense, advogado em Belo Horizonte - 30/5/2005

"Estamos sempre lendo, ou ouvindo, a afirmação de que o Governo perdeu, que o Governo sofreu mais uma derrota, como veio de acontecer com a aprovação (desejada) da CPI dos Correios. Porém, é preciso ver, e divulgar uma ótica diversa do ocorrido. Assim, dar-se-á o devido e justo realce à realidade, conscientizando todos os cidadãos da verdade absoluta e incontestável sobre o ocorrido: diante de mais um escândalo tão aviltante para a dignidade dos brasileiros (contribuintes), a aprovação e iminente instalação da CPI dos Correios representa, na verdade, uma vitória da democracia e do exercício cidadania."

Pedro Luís de Campos Vergueiro - 31/5/2005

"Parece-me que o presidente Lula passou à leitura dos clássicos brasileiros. Pelo que anda aprontando para encerrar a CPI dos Correios, deve ter lido Machado de Assis. Pena que não entendeu o recado. Após a leitura ele deve ter aproveitado o seguinte trecho: "...A venalidade, disse o Diabo, era o exercício de um direito superior a todos os direitos. Se tu podes vender a tua casa, o teu boi, o teu sapato..., coisas que são tuas por uma razão jurídica e legal, mas que, em todo caso, estão fora de ti, como é que não podes vender a tua opinião, o teu voto, a tua palavra, a tua fé, coisas que são mais do que tuas, porque são a tua própria consciência, isto é, tu mesmo? Negá-lo é cair no absurdo e no contraditório. Demonstrando assim o princípio, o Diabo não se demorou em expor as vantagens de ordem temporal ou pecuniária, depois, mostrou ainda que, à vista do preconceito social, conviria dissimular o exercício de um direito tão legítimo, o que era exercer ao mesmo tempo a VENALIDADE e a HIPOCRISIA, isto é, merecer duplicadamente." "A Igreja do Diabo" -"in" Onze Contos de Machado de Assis" Coleção Núcleo de Literatura - pg. 17 - 3ª ed. 1994 - Ed. Núcleo - S. Paulo."

Cláudio B. Costa - OAB/SP 11.087 - 2/6/2005

"Atenção...! foi dada a largada

Disparam, velozes como nunca vi

Baixo clero, alto, mais ou menos, é a macacada

Na briga, s’estapeia por um lugar na CPI

Uns a favor, outros contra  e os  “pelo contrario”

Tentam provas, dossiês, mais escuta

Na caça aos culpados, buscam um otário

Mas, o que ninguém quer é ser filho da rima

Se a CPI dos Correios é coisa séria

Precisa ser apurada até o fim

E, os culpados, remetidos pr’a longe...distante

Caso contrário, zombam de tudo, vira pilhéria

Gargalhadas, risadas, cócegas no rim

E o Relatório, pasmem, acaba na posta restante..."

Pio Pardo - 2/6/2005

"Amigos migalheiros, vejam que primor de ética:

"Contra CPI, Palocci abre cofre, ministro vai liberar R$ 1.500.000,00 (um milhão e quinhentos mil reais) para emendas de cada deputado que votar com o governo... Compromisso foi assumido ontem em reunião com aliados... no palácio do planalto o pessimismo cedeu lugar ao otimismo... governistas calculam ter 40 dos 61 votos da comissão de constituição e justiça para impedir a investigação" (Estadão, primeira página, 3/6/05)

Digo eu, será que a grande maioria do povo brasileiro sabe o que significa isso? Nossa classe política sabe que o povo é massa fácil de manobra, porque foi essa classe que sucateou as escolas públicas! E continuam sempre os mesmos no poder, como em uma roda gigante, ora uns por cima outros por baixo, ora uns por baixo outros por cima, mas, sempre os mesmos! Até quando? Abraços,"

Aderbal Bacchi Bergo - migalheiro - juiz de Direito aposentado - 3/6/2005

Comente

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

WhatsApp Telegram