Sacolas plásticas

25/6/2012
Dálcio Moreira Carneiro

"Até que enfim, parece que começou a prevalecer o bom senso, e a sociedade civil está acordando definitivamente para a 'verdade real' por detrás de toda essa polêmica (Migalhas 2.899 - 21/6/12 - "Sacolas plásticas" - clique aqui)! Esta 'estória' de abolir o fornecimento de sacolas plásticas a pretexto de proteger o meio ambiente etc., não passa de um sofisma, de uma grande jogada de marketing de grupos econômicos do setor, que, embora a pretexto de defender uma causa justa (= a defesa do meio ambiente!), tem finalidade subalterna: reduzir custos e aumentar lucros! Apenas e tão somente! Em outras palavras, tudo isso é 'conversa para boi dormir'! E apesar de se tratar também de grave violação dos direitos dos consumidores, já que o fato do consumidor ter de pagar pelas mesmas sacolas plásticas (!!!) ou ter que pagar pelas reutilizáveis, caracteriza venda casada (vide percuciente artigo publicado pelo eminente desembargador do TJ/SP, Rizzatto Nunes - ABC do CDC - 24/5/12 - clique aqui), o fato é que essa estratégia de marketing 'colou' e passou a contar de certa forma com o apoio de algumas entidades civis e até de consumidores menos informados que, na sua imensa boa fé, acabam sendo solidários em razão da causa do meio ambiente, questão muito em foco em todo o planeta na atualidade. Ora, já existem no mercado sacolas plásticas "oxi-biodegradáveis", com prazo acelerado de decomposição (cerca de 18 meses), o que, por si só, praticamente já resolveria a questão! E não é só isso! Qualquer cidadão comum sabe que o destino das sacolas plásticas de supermercados é o acondicionamento de lixo doméstico! Ora, se isso não for feito com as sacolinhas plásticas comuns de supermercados (não nos esqueçamos que os supermercados já dispõem da tecnologia das 'oxi-biodegradáveis'!), isso necessariamente será feito com sacolas próprias para lixo (que, por óbvio, também terão que ser compradas!). Ninguém precisa ser especialista no assunto para saber que as sacolas próprias de lixo são feitas de materiais com menor capacidade de decomposição e são muito mais poluentes do que as sacolinhas comuns de supermercados... Além do mais, se praticamente todos os produtos vendidos em supermercados são acondicionados em embalagens plásticas, e se a causa a defender é a do meio ambiente, por quê somente as sacolinhas plásticas teriam que ser sacrificadas? Aproveito para encerrar meus comentários transcrevendo trecho do mencionado artigo do ilustre des. Rizzatto Nunes: 'É impressionante ver como há empresários que se especializaram em burlar as leis de proteção ao consumidor com o único e exclusivo objetivo de auferir lucro, mas uma espécie de lucro exagerado, sem fim. A ganância é mesmo uma das bases do sistema capitalista contemporâneo. E, atualmente, os maiores violadores do sistema são exatamente aqueles que não precisariam fazê-lo, pois seus ganhos são por demais excessivos'."

Envie sua Migalha