quinta-feira, 22 de outubro de 2020

ISSN 1983-392X

Gramatigalhas

de 7/6/2015 a 13/6/2015

"Dúvida. Crase no pronome em 'a todos', leva ou não?"

Nota da redação o informativo 1.228, de 10/8/05, esclareceu o uso da crase antes de pronomes na seção Gramatigalhas. Clique aqui para conferir. Na mesma seção, o informativo 2.123, de 15/4/09, trouxe regras gerais do uso da crase. Clique aqui para conferir.

Maria Teresa Fusaro - 7/6/2015

"Prof. José Maria, por gentileza: existe diferença entre 'enumerar' e 'numerar'?"

Davi de Moraes - 7/6/2015

"Que regras me permitem dizer que estão corretas as expressões a seguir? Ou seja, que posso usar uma ou outra? 'Revelou aos colegas que se havia casado. Revelou aos colegas haver-se casado.' e 'Quando terminou a audiência, fomos para casa. Terminada a audiência, fomos para casa'."

Aderbal Dutra - 9/6/2015

"Vi essa dúvida de na internet e ninguém respondeu objetivamente:

'Deparei-me com o entendimento de alguns gramáticos de que em diversos casos envolvendo o infinitivo impessoal, já carregando ele impessoalidade e valor passivo, seria dispensável o uso do 'se' tanto como índice de indeterminação do sujeito quanto como pronome apassivador.

Exemplos:
1) 'Fazer o bem é importante' (e não 'fazer-se o bem');
2) 'Osso duro de roer' (e não 'duro de roer-se');
3) 'Hora de chamar a polícia' (e não 'de chamar-se a polícia').

Gostaria de perguntar se, em casos como esses, o uso do 'se' é meramente dispensável ou, mais do que isso, é proibido. Fico na dúvida se a questão é mero preciosismo, já que mesmo um Sérgio Buarque de Holanda escreve:

'O fato de virtude idêntica ter sido notada nos Diálogos das Grandezas ao abordar-se o clima do Brasil (...)' ["Visão do Paraíso", 1959].

Outra dúvida: a linha de pensamento exposta acima poderia ser aplicada ao gerúndio também? Isto é, o gerúndio pode tornar o índice de indeterminação do sujeito e o pronome apassivador 'se' igualmente dispensáveis? Apresento alguns casos a seguir e gostaria de perguntar se o 'se' neles é necessário, facultativo ou, até mesmo, proibido:

1) 'Levando-se em conta a crise, bom seria aumentar a poupança.'
2) 'A obra desses poetas, considerando-se o pouco que viveram, é vastíssima.'
3) 'Pensando-se em casos como o dele, não pode haver dúvidas quanto ao perigo de fumar.'
4) 'Vivendo-se, daí vem a paciência'."

Honey da Silva Lopes - 10/6/2015

"Oi, José Maria. Sou revisor de texto e corretor de redações. Tenho seu Manual de Redação e ele é, para mim, de grande valia! Obrigado! Não tinha nele a dúvida 'a soldado' (Gramatigalhas - 23/7/08 - clique aqui)."

Odair Pires - 10/6/2015

"O correto é me ame ou ame-me?"

Maria de Fátima Ferreira - 10/6/2015

"Olá! Ótimo texto (Gramatigalhas - 9/8/12 - clique aqui). Mas tenho uma sugestão: antes do texto explicativo, deveria deixar uma resposta simples, porque geralmente quem está escrevendo um texto e tem dúvida sobre uma palavra, quer uma resposta rápida. Tenha um bom dia."

Bryam Coelho - 12/6/2015

"Qual o sentido figurado da expressão "por outro viés"? Citar expressões sinônimas. Obrigado."

Rafael Soares Pacheco - 12/6/2015

"O correto é 'obrigado eu', 'eu que agradeço' ou somente 'obrigado'?"

Marcelo Merlin - 13/6/2015

Olá! Tenho uma dúvida sobre o uso ou não da ênclise no seguinte texto: 'Ainda o amo porque há algo de retardado em desfazer-se de um amor'. O correto acima seria 'em desfazer-se de um amor' ou 'em se desfazer de um amor'? Grata desde já!"

Marina Silveira Carvalho Alves - 13/6/2015

Comente

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

WhatsApp Telegram