terça-feira, 20 de outubro de 2020

ISSN 1983-392X

Adjetivo - Conversa paralela

de 26/7/2015 a 1/8/2015

"Batman, a propósito do diálogo entre jovens advogados na porta da Justiça Federal, no qual um disse ao outro que o juiz era bom, mas não era um Sérgio Moro, fica a seguinte dúvida: ou o noviço causídico está na profissão errada, talvez lhe caísse bem a promotoria, ou talvez tenha se olvidado dos ensinamentos básicos ministrados nas boas academias de ensino jurídico sobre a garantia da ampla defesa em prol dos cidadãos e presunção de inocência de qualquer acusado, incluindo vedada antecipação de pena, práticas que infelizmente não vêm sendo adotadas com esmero na aprazível comarca de Curitiba (Migalhas 3.665 - 27/7/15 - "Adjetivo")."

José Diogo Bastos Neto - 27/7/2015

"Ao comentar a petição de Marcelo Odebrecht andou mal este poderoso rotativo. O título da nota, 'Não deve satisfações', dá a entender que estariam, réu e defensores, fazendo menoscabo da Justiça. Ao contrário, terem respondido a uma tão esdrúxula intimação judicial, nas circunstâncias, foi até um ato de elevada consideração para com o Magistrado. A nota finaliza afirmando que este órgão não conhece a estratégia da defesa e por isso não irá comentá-la. Ora, afora efetivamente comentar e fazer juízo de valor sobre a defesa, qualificou-se o proceder profissional como sendo 'inusitado'. Inusitado é o não usual, o incomum, o estranho, raro, insólito...Tais adjetivos caem como luva antes que aos advogados, ao Juiz Sérgio Moro."

Luiz Fernando Pacheco, advogado, vice-presidente do Conselho do IDDD – Instituto de Defesa do Direito de Defesa - 29/7/2015

"Agora o que não falta é advogado medalhão criticando o juiz Sérgio Moro. Deveriam cuidar melhor da defesa de seus chiques e poderosos clientes, todos envolvidos em crimes de colarinho branco. O juiz Moro é uma brasa, mora?"

Abílio Neto - 29/7/2015

Comente

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

WhatsApp Telegram