Ministro Fachin - 2ª turma

31/1/2017
Eduardo W. de V. Barros

"Trata-se, evidentemente, de uma interferência casuística na seleção do novo relator do processo, que, 'se é importante e pretende passar o Brasil a limpo' deveria ser poupado desses vícios (Migalhas 4.042 - 31/1/17 - "Alea jacta est" - compartilhe). Por outro lado, não entendo porque magistrados paranaenses parecem ter o privilégio da condução do caso. Um dia será lançado o livro 'Porque Acredito em Lobisomen II' narrando as peraltices da Lava Jato, para nossa decepção."

Envie sua Migalha