domingo, 25 de outubro de 2020

ISSN 1983-392X

Brasileiras abordam Gilmar Mendes

de 14/1/2018 a 20/1/2018

Nem sempre, para não dizer quase nunca, é agradável ouvir a verdade! (Migalhas 4.275 - 15/1/18 - "Gilmar Mendes" - Clique aqui) Elas tiveram a oportunidade que a maioria dos brasileiros conscientes queriam ter tido. Faço minhas as palavras delas.

Elisa Aurélio - 15/1/2018

A gente colhe exatamente aquilo que planta (Migalhas 4.275 - 15/1/18 - "Gilmar Mendes" - Clique aqui). Por isso não é de estranhar que esse magistrado herói seja tão ovacionado!!!

Paulo Andrade - 15/1/2018

Já que estamos num espaço democrático, quero dizer que acho adequado interpelações desta natureza (Migalhas 4.275 - 15/1/18 - "Gilmar Mendes" - Clique aqui). Não se pode achar que tudo é possível e que não haverá consequências. Eles tem de ao menos pensar que esse tipo de manifestação pode ocorrer... Deu para perceber que o editor conhece bem Lisboa.

Othon Luiz Menezes de Souza Lima - 15/1/2018

Este rotativo pode até abominar, mas é direito do cidadão manifestar suas opiniões, direito esse constitucional (Migalhas 4.275 - 15/1/18 - "Gilmar Mendes" - Clique aqui). As instituições e sobretudo os instituídos não têm poder nem direito de calar o que pensa o brasileiro. Se não querem ser alvo de falatório que ajam de acordo com a moral para defender os interesses do país e não deste ou daquele em particular.

Cibele Giuzio - 15/1/2018

O povo sempre tem a razão (Migalhas 4.275 - 15/1/18 - "Gilmar Mendes" - Clique aqui). Um ministro que almoça um dia com alguém que irá julgar no dia seguinte, falta com a ética a moral e acima de tudo com o dever de um ministro. Se estes corruptos forem interpelados pela sociedade, talvez irão conduzir melhor a conduta a que estão destinados.

Odair Nocetti Orlando - 15/1/2018

Autoridades são porventura deuses inatingiveis? (Migalhas 4.275 - 15/1/18 - "Gilmar Mendes" - Clique aqui)  E que desprezo é esse pela moral popular? Os senhores não têm vergonha?????? Reforço o coro pois quem sustenta essa nação sou eu com meus impostos, senhores, e todo dia o couro do brasileiro é esfolado pra sustentar essa República de bananas que não tem soberania e faz tudo o que o Estrangeiro manda mantendo-nos como seus lacaios para que continuem ricos enquanto para nós sobram as migalhas. E sem trocadilhos.

Cibele Giuzio - 15/1/2018

A superexposição midiática dá nisso (Migalhas 4.275 - 15/1/18 - "Gilmar Mendes" - Clique aqui). Talvez, agora, o Exmo Ministro pondere que o silêncio que manteve ante a mal-educada cidadã deve se tornar recorrente quando se põe diante de repórteres. Como se diz nessas terras, quem fala o que quer, ouve o que não quer.

Eduardo Szazi - 15/1/2018

Eu não entendo bem: vocês estão defendendo Gilmar (Migalhas 4.275 - 15/1/18 - "Gilmar Mendes" - Clique aqui)?

Iran B. Melo - 15/1/2018

Na minha opinião, isso retrata o quanto o povo brasileiro está cansado e com vergonha de suas autoridades (Migalhas 4.275 - 15/1/18 - "Gilmar Mendes" - Clique aqui). Chegou ao limite e, a única forma de desabafar é se expor e ver se consegue trazer à razão esses imortais. Acho válida a manifestação, até porque dá à parte, nesse momento, a oportunidade de se defender, ainda que indefensável.

Krikor Kaysserlian - 15/1/2018

Mais uma piada de "brazuca" (Migalhas 4.275 - 15/1/18 - "Gilmar Mendes" - Clique aqui). Acho estranho que os signatários das migalhas - que penso serem inflamados defensores do politicamento correto, da liberdade de opinião, mesmo que seja troncha e muitas vezes abjetamente distorcida e etcs tais - acharem digno de encômio a atitude das duas desvairadas. Afinal um juiz não tem liberdade de convicção e decidir de acordo? Afinal as decisões são fundamentadas. Não são só opinião mas fruto de doutrina e princípios. As decisões do Ministro Gilmar Mendes podem ser passiveis de discordo. Discordo fundamentado, também, em teses jurídicas. Mas para isso há lugar, foro e ocasião. O ministro estava na baixa lisboeta, acompanhado de sua esposa, com a inequivoca vestimenta de turista - tênis, agasalho - desfrutando a condição de cidadão em férias. Ser distratado grosseiramente por duas doidonas diz mais do Brasil e do "País da Bruzundangas"que os discursos do Lula, o non sense analfabético da Dilma e os programas do PT que mil páginas de sociologia. E os migalheiros que batem palmas? Seria interessante ter um perfil das duas desmiolodas e seus fanzocos migalheiros. Quem são?

Alexandre de Macedo Marques - 15/1/2018

É a baixaria que envolve o país no meio da Lava Jato (Migalhas 4.275 - 15/1/18 - "Gilmar Mendes" - Clique aqui).

Eduardo W. de V. Barros - 15/1/2018

Livre expressão, também endosso a manifestação (Migalhas 4.275 - 15/1/18 - "Gilmar Mendes" - Clique aqui).

Carlos Alberto Barreto - 15/1/2018

A que ponto chegamos - ministros do STF deveriam ser respeitados pela população e personificar a esperança de todos nós em um país mais decente (Migalhas 4.275 - 15/1/18 - "Gilmar Mendes" - Clique aqui).

João Telles Corrêa Filho - 15/1/2018

Pura picardia (Migalhas 4.275 - 15/1/18 - "Gilmar Mendes" - Clique aqui). Tranquilamente Gilmar, Ministro muito afamado, como a escutar um fado em meio à gritaria, seguindo uma estrela guia, soltou um sorriso singelo, em Portugal, sempre belo, num gesto de picardia.

Eldo Dias de Meira - 15/1/2018

Façam a mea culpa (Migalhas 4.275 - 15/1/18 - "Gilmar Mendes" - Clique aqui). Quem cria a moral popular é a mídia e os financiadores dos movimentos. Interessante que homofobia explícita na Globo pode com o apoio da massa popular. É melhor repensar nas escolas de jornalismo o sentido de imprensa livre, que não significa manipulação descarada livre da população. Catherrine Deneuve falou e acabou com uma frase inteligente o tal machofeminismo na França. Interessante a profundidade deste fato, supostamente irrelevante. Só o Le Figaro deu importância à resposta da desconhecida lider popular das mulheres por óbvias questões. No Brasil ninguem respeita mais nada. Aprenderam a ofender de graça pouco importando a solenidade do cargo. Os professores bateram panelas e divulgaram insanamente mas se calam e continuam calados aos 10 bilhões de emendas e outros desvios de conduta. Chega porque isto dá para um sociólogo sério e imparcial escrever uma enciclopédia.

Rubens Aidar - 15/1/2018

Lamentável (Migalhas 4.275 - 15/1/18 - "Gilmar Mendes" - Clique aqui)! É o mínimo que se pode dizer sobre a forma grosseira e mal educada, com o que o Ministro Gilmar Mendes foi abordado em Lisboa. Goste-se ou não de suas decisões, ele é um Ministro da Suprema Corte Brasileira, e merece nosso respeito. É evidente que ele está sujeito a críticas, especialmente quando fala fora dos autos, ou ainda quando ultrapassa a linha do respeito com algum colega, mas deve ser criticado de forma respeitosa, e não da maneira como o foi, que se não bastasse ter sudo grosseira e desrespeitosa, ainda foi divulgada em redes sociais, como se tal fosse motivo de orgulho. Existem meios legais para se "atacar" decisões judiciais - quando há Fundamentos para serem reformadas - mas não se pode atacar diretamente o Magistrado que as proferiu. Especialmente em se tratando de um Ministro da Suprema Corte. Lamentável!

Herivelton Vieira - 15/1/2018

O dr. Gilmar se mete em tudo, dá pitaco em tudo e não pode ser incomodado (Migalhas 4.275 - 15/1/18 - "Gilmar Mendes" - Clique aqui)? Ah, só pode se for um Romero Jucá da vida. Decisões fundamentadas? Aquela do voto de minerva pela não cassação da chapa Dilma/Temer foi uma vergonha. Gilmar é uma piada até na marchinha de João Roberto Kelly para o carnaval de 2018? Será que vai processá-lo?

Abílio Neto - 16/1/2018

Esse tipo de protesto que ofende autoridades e políticos em público é de uma imbecilidade que não tem definição (Migalhas 4.275 - 15/1/18 - "Gilmar Mendes" - Clique aqui). Vem de gente sem raciocínio lógico. Não são cidadãos exercendo nenhum direito e sim praticando um crime. Não sei se eu teria educação e passividade. Vindo de um homem creio que daria uma bofetada na cara do fdp. Vindo de uma mulher eu diria: vá procurar o que fazer sua mal amada. Pronto, ia perder o nível só de sacanagem, só para dar o que falar.

Jonas Tadeu Nunes - 16/1/2018

Gostei da expressão "machofeminismo" (Migalhas 4.275 - 15/1/18 - "Gilmar Mendes" - Clique aqui). Temperado com a histeria, que caracteriza certas criaturas do gênero, é insuportável. Quando vem apimentado com uma dose indigesta do "Bozó", personagem do imortal Chico Anísio que encarnava a sem noção de certas mediocridades triunfantes da Globo, é nauseante. Padrão uma atrizinha de novela metida a falar bobagens incongruentes.

Alexandre de Macedo Marques - 16/1/2018

Não sou obrigado a concordar com todas as decisões dele, mas sou obrigado a respeitá-lo enquanto autoridade (Migalhas 4.275 - 15/1/18 - "Gilmar Mendes" - Clique aqui). Uma manifestação com essa causa mais males do que benefícios (se é que há algum benefício nisso).

Marcos Antonio de Abreu dos Santos - 17/1/2018

Não tenho admiração por esse ministro, porém, respeito é o mínimo (Migalhas 4.275 - 15/1/18 - "Gilmar Mendes" - Clique aqui)!

Marcia Cristina da Silva Cavazzani - 18/1/2018

Não há dúvidas, a culpa pela atrocidade verbal sofrida pelo agourento Ministro Gilmar Mendes foi provocada por seu ex-colega de ministério Joaquim Barbosa (Migalhas 4.275 - 15/1/18 - "Gilmar Mendes" - Clique aqui). Durante uma fala em plenário dizia "saia às ruas ministro Gilmar Mendes, sai à rua”. Como ficou evidente não foi uma boa ideia, mesmo que a rua seja em outro país.

José Aparecido Martins - 18/1/2018

Lá ele ficou calado, se comportou como devia em qualquer lugar... (Migalhas 4.275 - 15/1/18 - "Gilmar Mendes" - Clique aqui) Mas aqui ele age com insolência, arrogância e etc, como se tivesse o rei na barriga.

Margarete Lisboa da Silva - 18/1/2018

Comente

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

WhatsApp Telegram