domingo, 25 de outubro de 2020

ISSN 1983-392X

Artigo - “Como o réu é culpado, não é preciso provar a culpa”

de 14/1/2018 a 20/1/2018

Como é possível emitir um parecer sem análise prévia dos autos sem aparentar parcialidade (Migalhas 4.276 - 16/1/18 - "Caso do Lula" - Clique aqui)? Basear-se exclusivamente na sentença equivale a ver o copo meio cheio. Em minha opinião, mais vale o que decidiu Sérgio Moro, que por obrigação do ofício e seriedade na causa, debruçou-se na íntegra dos autos.

Anderson Silva - 16/1/2018

O nobre colega, só esqueceu na narrativa do fato que era um "ajuste de contas", ou seja, forma de recebimento de valores já pactuados pela delinquência (Migalhas 4.276 - 16/1/18 - "Caso do Lula" - Clique aqui). Se alguém negocia receber valor indevido, o fato de aplicá-lo em sua quadrilha ou a si próprio é de dimensão menor.

Marcelo Coelho Silva - 16/1/2018

Parabenizo o colega Fábio Tofic pela maneira didática, elegante e jurídica com que abordou a polêmica sentença a ser destrinchada pelo TRF quanto a condenação do presidente Lula (Migalhas 4.276 - 16/1/18 - "Caso do Lula" - Clique aqui). Uma verdadeira aula a ser estendida aos arautos leigos da área jurídica para que as notícias que transmitem tenham fundamentos, como ora apresentados.

Afonso H. Maimoni - 16/1/2018

A julgar pelo que li, pode ser que o dr. não tenha ciência, mas o condenado em 1ª instância nunca esteve, de fato, longe do poder (Migalhas 4.276 - 16/1/18 - "Caso do Lula" - Clique aqui). Sem nomeação, continuou articulando. E entregou-se, ao aceitar aquela malfadada às pressas, como ministro da casa Civil, apenas pela prerrogativa de foro. Aí já é outra história.

Marcia Mieko - 16/1/2018

Análise lúcida e assertiva (Migalhas 4.276 - 16/1/18 - "Caso do Lula" - Clique aqui). Congratulaçoes.

Gilvam Miguel de Caldas - 16/1/2018

De plano parabenizar o articulista, pela análise da d. sentença (Migalhas 4.276 - 16/1/18 - "Caso do Lula" - Clique aqui). Foi prudente, no seu tempo, agora sim: cabe o "irretocável". Foi aí que lembrei da entrevista com pompa e circunstância do Presidente do Tribunal Regional Federal da 4ª região, que em grande mídia, alardeava uma obra prima de sentença. Interessante, não?

Sergio De Paula - 16/1/2018

As provas contra o Lula estão nos autos, Marcelo Odebrecht diz ter dado o dinheiro para a reforma no triplex em troca de vantagem e o dono da OAS diz ter feito a reforma, além de inúmeros outros testemunhos e  comprovação da materialidade da reforma (Migalhas 4.276 - 16/1/18 - "Caso do Lula" - Clique aqui).

Paulo Xisto - 16/1/2018

Tentei entender sua análise "imparcial" (Migalhas 4.276 - 16/1/18 - "Caso do Lula" - Clique aqui). Sou PT, sempre votei em Lula e meu julgo não tem valor, mas me impressiona sua análise, tenho eu, não muito suscinta, pois não é caso seu, ou seja, sua obrigação. Mas me importa saber, como reverter uma decisão, movida pela paixão, e que envolve o futuro de um reconhecido político, e colocar em prática toda a consciência de Direito que o senhor tem. Não sei se na época já existia a penhora de bens que coloca o triplex em nome da empreiteira, sem objeção por partes. Fui bloqueado em dois grupos, com todas as publicações deletadas. Hoje, de vez em quando me bloqueiam, alegam que é spam, e não sei o fim das publicações, pois depois de ser deletado em dois grupos, arrumei quatro, deficiência da minha doença de esquizofrenia, ou revolta da falta da mesma? Agora estava bloqueado pelo face, li sua tese, e mesmo sem ser entendido do ramo, me interesso. Enfim, revogar uma sentença, mesmo equivocada, e se o Supremo tomar uma decisão política? Existem pessoas que me ouvem, talvez hoje, 35.000 (em forma de curtidas), o que dizer para essas pessoas? Se eles pensam que não tenho responsabilidade, estão enganados, mas se for quebrado o "estado de Direito", a "Constituição", os direitos "políticos e civis", o que responder a todas essas pessoas se os juízes quebrarem todas essas regras. Essa é minha dúvida, isso tira o meu sono, mas não consigo parar, pois vejo sempre que há alguma coisa errada. Se não puder responder agradeço a atenção.

 

Demison de Oliveira Costa - 17/1/2018

De início vejo com pouca esperança minha humilde opinião ser publicada (Migalhas 4.276 - 16/1/18 - "Caso do Lula" - Clique aqui). Quero dizer apenas que é muito difícil ver com parcialidade o parecer do nobre jurista, diga-se não só pelo interesse que guarda no tema tendo patrocinado tantos processos em defesa dos algozes da pátria, notadamente os denunciados na Lava a Jato. Com a rara coragem que outros colegas do Direito ressaltam, igualmente saliento que infelizmente o meio jurídico está altamente permeado por profissionais alinhados com a ideologia de esquerda socialista. Corroborando o ponto de vista sobre a duvidosa imparcialidade do artigo do nobre jurista, destaca-se de alguns trechos que denotam sua predileção ou interesse diverso da parcialidade "julgamento moral não cabe entre as paredes apertadas do tribunal; pertence às ruas, à política, enfim, às urnas." " "...desejo sorte e altivez de espírito para enfrentarem com destemor a horda das ruas." (HORDA: bando indisciplinado, malfazejo, que provoca desordem, brigas, etc.)

Robinson Souza - 17/1/2018

Você fez toda essa análise à toa, porque se você deixou de ler uma palavra por menor que seja, você deve estar dando sua opinião muito equivocada (Migalhas 4.276 - 16/1/18 - "Caso do Lula" - Clique aqui). Porque juiz, para dar uma sentença, ouve 200 testemunhas, 10 advogados do réu, todas as provas apresentadas, a defesa de cada um deles, fotos, imagens, depoimentos, vídeos, ligações telefônicas... e muito mais que isso!!! Portanto, juiz é juiz e eles não são loucos... é melhor só obedecê-los e pronto!!!

Luiz Carlos Costa - 17/1/2018

Obviamente o advogado constrói uma tese de defesa e não dá um parecer isento (Migalhas 4.276 - 16/1/18 - "Caso do Lula" - Clique aqui). Lula é chefe de quadrilha, portanto mesmo não mais estando na presidência continuava se beneficiando da corrupção, que é um crime continuado. Ele foi o mentor do esquema do qual continuou se beneficiando. Simples assim. Lula na cadeia já.

Raphael Sampaio Neto - 19/1/2018

Penal é muito complicado  (Migalhas 4.276 - 16/1/18 - "Caso do Lula" - Clique aqui). Não sei se ele é culpado ou não. A única coisa que queria é que ele me desse a receita de como ficar rico trabalhando honestamente, pois trabalhei duro mais de quarenta anos, e o que ganho mal dá para eu viver.

Angelina Vianna - 19/1/2018

Comente

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

WhatsApp Telegram