sábado, 24 de outubro de 2020

ISSN 1983-392X

Advogado preso

de 23/9/2018 a 29/9/2018

Infelizmente cenas lamentáveis como essas tendem a se repetir (Migalhas nº 4.450 - 24/9/18 - "Confusão" - clique aqui). A magistratura dificilmente respeita a advocacia, muitas vezes julgam sem ler, sem a qualidade técnicas que se espera de quem recebe polpudos salários, penduricalhos e mordomias sem que tenham qualquer responsabilidade pelas suas falhas e abusos, muitos julgando totalmente na contra mão da lei, jurisprudência e doutrina dominante e simplesmente mandam o causídico recorrer: "recorre doutor". Por outro lado temos uma OAB totalmente fragilizada e desrespeitada por seus próprios dirigentes que muitas vezes utilizam do cargo para ter visibilidade, angariar cliente e usando-a como palanque político. A atitude do causídico é lamentável, nada justifica agressões, mas a falta de equiparação de forças da OAB em se dar o respeito e fazer valer a não hierarquia entre magistrados, membros do Ministério Público e advocacia é mais lamentável ainda.

Juliano Rodrigues Claudino - 27/9/2018

Lamentável essa atitude e, assim como repudio ataques às prerrogativas dos advogados, repudio veementemente os fatos ocorridos (Migalhas nº 4.450 - 24/9/18 - "Confusão" - clique aqui). Nada justifica qualquer tipo de violência contra um magistrado e entendo que uma atitude dessa é um ataque direto ao Poder Judiciário e à democracia!

Marcelo Fontes - 27/9/2018

O que será que aconteceu para o causídico perder a cabeça desse jeito, heim (Migalhas nº 4.450 - 24/9/18 - "Confusão" - clique aqui)? Os fatos deverão ser apurados, lado a lado. O que será que o juiz fez? Judite tem demais por aí.

Luiz Ademir Marques - 27/9/2018

E a situação da advogada que foi algemada (Migalhas nº 4.450 - 24/9/18 - "Confusão" - clique aqui)? O incidente com o juiz terá que desfecho? Serão duas medidas diferentes? Estou esperando esse relatório com a mesma complexidade da situação da colega. Tenho certeza que essa agressão não foi gratuita. Vamos analisar friamente.

Domingos Savia Mota Carteado - 27/9/2018

Incompleta a notícia (Migalhas nº 4.450 - 24/9/18 - "Confusão" - clique aqui). Qual o motivo real da agressão? Do jeito que o Judiciário vem se portando no País, como se fosse poder monárquico. Se coloca acima de tudo e de todos. Manda algemar, prender ao bel prazer.

José Clodover dos Santos - 27/9/2018

Um absurdo sem precedentes (Migalhas nº 4.450 - 24/9/18 - "Confusão" - clique aqui). O Estado Democrático de Direitos abomina toda forma de violência! Aonde vamos chegar, se até um advogado se acha no direito de agredir um magistrado que está ali na sua função, muito difícil e complexa para resolver às causas, haja vista ter a consciência da imparcialidade nos seus despachos. Fiquei muito triste com esse episódio grotesco, que nos apavora! A paz, fora às armas, viva a Democracia!!!

Francisberto João Gaspar de Oliveira - 28/9/2018

Comente

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

WhatsApp Telegram