quarta-feira, 21 de outubro de 2020

ISSN 1983-392X

Nordestinos

de 7/10/2018 a 13/10/2018

"Amanheceu o dia 8 e nós nordestinos somos destinatários do ódio nacional, mas o Nordeste precisa ser estudado com muito carinho. Não podemos ser vítimas de uma nova matança como aquela de Canudos que, nos dias de hoje, ainda é estudada internacionalmente. O homem do campo daqui, seja sertanejo ou da zona da mata, continua sendo um cidadão de segunda classe, maltratado e sem direitos. A seca ainda nos apavora. A favelização nas grandes cidades nos constrange. Que o Brasil seja capaz de nos compreender e perdoar. Somos brasileiros do bem. Também queremos a união nacional e a paz."

Abílio Neto - 8/10/2018

"Nossos irmãos nordestinos
Merecem nosso respeito,
São heróis de qualquer jeito
Podem traçar seus destinos,
Têm de largar os malinos
Que roubaram no governo,
E o país ficou enfermo
Diante dessa desventura,
E só há uma criatura,
E isso está muito claro,
Por isso eu logo declaro
Pra melhorar o nordeste
Não existe mais quem preste
A não ser o Bolsonaro!" 

Mano Meira - 8/10/2018

"Abílio Neto, ontem a rua do Ouvidor pulsava enquanto a matadeira triturava aqueles tidos como brocos e fanáticos seguidores do Conselheiro, hoje a fina flor fica charlando na reluzente Oscar Freire (isso quando não dá um pulinho ali na meca da briguice - conhecida como Miami - enquanto um homi de nove dedos, criado sem pai, que foi se atrever a defender a coletividade e elevar Pindorama ao nível das primeiras nações fica sequestrado e mantido na bastilha para não concorrer as eleições. Mais um século passou, mas quem dá as cartas é a elitizinha rapinosa, extrativista e predadora de cinco séculos."

Cidrac Pereira de Moraes - 9/10/2018

"A não ser o Bolsonaro,
teu verso eu repito,
mas temos que cuidar do pleito,
não dá pra ganhar no grito!
Os nordestinos que sofrem,
com esses malfeitos do Lula,
venham pra nossa trincheira,
e pra compreender o remédio,
não precisa ler a bula.

É só olhar da janela,
ver o câmbio caindo,
ver a bolsa subindo,
é a mágica dos mercados,
lendo pra gente a notícia,
com Bolsonaro eleito,
e os ladrões condenados,
o Brasil vai levantar,
com a ajuda da polícia.

Podia ficar dizendo,
isso e aquilo,
mais ainda,
mas não tenho mais espaço,
o tempo consome as horas,
e o segundo turno exige,
muita campanha,
mundo afora!"

Cleanto Farina Weidlich - 9/10/2018

"Emendando as ideias, lembrei da herança do Jayme, o Bosonaro de hoje, é o Negro Lucio da história:

Payada do Negro Lúcio
Jayme Caetano Braun

Vou tenteando na cambona
Já bem abaixo do meio,
Lá pras bandas do rodeio
Ouço um berro de mamona;
Aqui guitarra e cordeona,
Chimarrão - fogo de anjico;
O sol já com braço e pico
Neste final de janeiro
Que vai indo mais ligeiro
Do que soldo de milico!

Mateando - meio solito
Porque o patrão e a peonada
Já saíram pra invernada,
Há muito tempo - cedito,
O sábado está bonito
E a indiada aqui da fazenda
De tarde - se vai a venda
E aos bolichos do caminho,
Ou então - beber carinho
Nos braços de alguma prenda!

Mas enquanto eu chimarreio
Neste morrer de janeiro,
Meu pensamento chasqueiro
Se aviva - mascando o freio
E sai - a pedir rodeio
Nas lembranças - retoçando;
Eu me paro - recordando
As falas do negro lúcio,
Muito maior que confúcio
Pra filosofar trançando!

E ele sempre me dizia,
Enquanto tirava um tento,
Naquele linguajar lento
Cheio de sabedoria:
- a noite é a ilhapa do dia
Na argola da escuridão,
É quem garante o tirão
Em todas as lidas sérias,
Neste varal de misérias
Que é a existência do cristão!

Deus não fez rico nem pobre,
Peão - patrão ou capataz,
Isso é o destino quem faz
E - como é - não se descobre,
O nobre que nasce nobre
Nem sempre assim continua;
Pra beleza da xirua
Ou cavalo de carreira
Não adianta benzedeira,
Nem reza ou quarto de lua!

Enquanto filosofava
Naquele estilo sereno
O semblante do moreno
Parece - se iluminava,
A vivência é que falava
Naquela conversa mansa
E - no fundo da lembrança,
Inda o escuto reafirmar:
- parar não é descansar
Porque estar parado - cansa!

Dele mil vezes ouvi
O que tem que ser - será,
Por longe que o homem vá
Jamais fugirá de si
E com ele eu aprendi
As cousas da natureza,
A fidalguia - a franqueza
E aquela velha sentença:
- atrás da cinza mais densa
Existe uma brasa acesa!

E chego a ouvi-lo fazer
Junto dum fogo de chão,
Uma grande distinção
Entre existir e viver;
Filho, dizia - morrer
Não é mais do que uma viagem,
Por isso não é vantagem
O forte fazer alarde
Que - às vezes - pra ser covarde,
Precisa muita coragem!

Inda vejo o conselheiro
Que evoco com devoção
Naquele estilo pagão
De confúcio galponeiro
Que me dizia: parceiro
Nesta existência brasina,
Cada qual traz uma sina
Que força alguma desvia
E nada tem mais valia
Que as coisas que a vida ensina!

Filho - a verdade - verdade
Que nenhum sistema esconde
É que o povo não tem onde
Suprir a necessidade
E vive pela metade
Abaixo de tempo feio,
Vai explodir - já lo creio,
A tampa dessa panela,
Nem adianta acender vela
Pro negro do pastoreio!

Como encontrar os perdidos
Num país deste tamanho,
Se venderam o rebanho
E os homens foram vendidos,
Se os chamados entendidos
Falam de cara risonha
Defronte a crise medonha
De estelionatos e orgias,
Quem mente todos os dias
Vai ficando sem vergonha!

Aqui o rio grande isolado
Pela mão pátria madrasta,
Dia a dia - mais se afasta
Do poder centralizado,
Mesmo que guaxo pesteado
Botado de quarentena,
Quanto ao capataz - que pena,
Não serve para o rio grande
Na hora de ficar grande
Se abatata e se apequena!

Na hora de dizer: pára!
Àqueles que nos ofendem,
Desrespeitam - desatendem
Ao rio grande tapejara,
Não sei porque - esconde a cara,
Quando a ocasião é mostrá-la,
Calçar o pé - erguer a fala
Porque esta terra pampeana
Não é a "casa da mãe joana"
E nem tão pouco senzala!

Não é ofensa - capataz,
É que os homens desta terra,
Adquiriram na guerra
Direito de estar em paz,
Dentro dum clima capaz
De viver em harmonia,
Sem toda essa vilania
De boicotes e de ameaça
Que estão fazendo - de graça
À velha capitania!

A própria carne importada
Lá de fora - é um desaforo,
E o calçado - há tanto couro
E gado nesta invernada
E arroz da safra passada,
Pra que essa compra mesquinha,
Querem nos dobrá a espinha
E nos cortar a garganta,
Mas rio grande - não se espanta
Como se faz com galinha!

Que lindo se - o presidente
Em vez de passear na europa,
Passasse em revista a tropa
Deste país continente
E num gesto inteligente
Viesse ao rio grande fronteiro
Que já era brasileiro
Antes mesmo de vespúcio
E levasse o negro lúcio
Pra servir de conselheiro!"

Cleanto Farina Weidlich - 9/10/2018

"Não há remédio pra dor
Do eterno Severino,
Pra mudança do destino
De um povo sofredor,
Nem reza, nem curandor
Há de estancar a sangria,
Só mesmo com cirurgia
No coração pátrio sagrado,
Pra extrair todo o pecado
E expor tudo ao relento,
Que o povo tenha sustento,
Que tenha muito sucesso,
E que surja um congresso
Que respeite o orçamento."

Mano Meira - 10/10/2018

"Que respeite o orçamento, teu verso deve ser dito, por todo Brasil afora, do outro lado do mundo, tem brasileiro perdido, devemos encilhar os pingos, pra o galope das ideias, da Austrália, Europa e Tio San, veio o recado bem lido, tanto dentro como fora, é o Bolsonaro o preferido, não adianta acender vela, nem reza em quarto de lua, a vitória se avizinha, mas devemos ficar atentos, pra não perder o juízo, nada de muito barulho, vamos manter o respeito, os brasileiros já sabem, muito bem o que é direito!"

Cleanto Farina Weidlich - 11/10/2018

"A brasileiros não interessam atacar brasileiros (Migalhas quentes - 13/10/18 - clique aqui). Reflitam. Grupos de fakes estão promovendo isto. A mando de quem? Reflitam."

Sergio Pavan - 13/10/2018

Comente

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

WhatsApp Telegram