terça-feira, 20 de outubro de 2020

ISSN 1983-392X

Eleições 2018

de 21/10/2018 a 27/10/2018

"Manifesto em favor do Bolsonaro (Migalhas 4.464 - 18/10/18 - "Eleições 2018" - clique aqui)."

Maria Alice Bolognesi - 21/10/2018

"Interessante. O incrível é que não tive notícias de um manifesto deste quando do caixa 2 do PT e demais partidos (Migalhas 4.464 - 18/10/18 - "Eleições 2018" - clique aqui). Não tive notícias também de um manifesto desde quando João Santana e Mônica Moura declararam ter recebido via caixa 2 do PT, pasmem, R$ 10.000.000,00 de dinheiro do exterior o que vedado por lei. Deveriam ter feito um manifesto cobrando o que a lei determina a extinção do PT. No entanto, nada, apenas o silêncio destes mesmos juristas. Lembrem-se a lei vale para todos!"

Gilson Mendes de Assis - 21/10/2018

"Eu achei que Rosa Weber se curvou para Bolsonaro e teria ter tido como ameaça que é o que foi (Migalhas 4.466 - 22/10/18 - "Um soldado e um cabo" - clique aqui). Só acho."

Luciana Leal - 22/10/2018

"Alguém faz uma pergunta ridícula e o entrevistado dá uma resposta idiota e... pronto (Migalhas 4.466 - 22/10/18 - "Um soldado e um cabo" - clique aqui)! Fez-se o caos! Ora, ninguém em sã consciência levaria a sério uma asneira dessa. Tanto é assim que há dezenas de exemplos de falas esdrúxulas como a de Eduardo Bolsonaro proclamadas pela esquerda. Aliás, pelo alto escalão da esquerda! Em vídeo publicado no YouTube, o deputado petista Wadih Damous fala a mesmíssima coisa, ou seja, 'fechar o STF'. E por que a mídia e a classe jurídica não manifestaram a mesma indignação? Basta de hipocrisia e cinismo!"

Shirlei Cruz - 22/10/2018

"A questão do WhatsApp é puro desespero do PT e da esquerda, pois ambos sempre se valeram dos chamados blogs sujos para manter-se no poder, com fake news todos os dias, sem qualquer posicionamento das Cortes ou do TSE. Por outro lado, mensalão, petrolão, a prisão de Lula com base em provas nos autos, e até mesmo o fato de que, se não fosse por Bolsonaro, haveria sim a distribuição de um kit gay, tudo isso não são fake news, são true news. Observem que o discurso do PT não especifica quais notícias seriam fake news, mas diz que tudo o que a chamada direita envia por WhatsApp é falso. Ora, puro desespero demagógico. A Dilma recebeu o impeachment com base em devido processo legal e constitucional, testemunhado por todos os brasileiros, inclusive em redes de cadeia nacional. Bolsonaro não é Messias, como o nome diz, mas ninguém aguenta mais as mentiras diárias da esquerda e sua histórica manipulação da interpretação dos fatos, enganando os jovens incautos. Bolsonaro, sem a presença nos debates, tem votos espontâneos originados há muitos meses antes das eleições, e não por força de mensagens de WhatsApp. Infelizmente, é possível que a Folha de São Paulo tenha veiculado uma reportagem de fake news, caso não prove onde estão os contratos feitos entre a campanha de Bolsonaro e as empresas ditas impulsionadoras de mensagens virtuais. De resto, a alegação da esquerda quanto à existência de 'abuso de poder econômico' é claramente uma vingança, por ter sido a Dilma expulsa justamente em razão de 'abuso do poder econômico', ou em razão de ter sido levantado esse argumento sobre a vitória da chapa Dilma-Temer. O crescimento das redes sociais livres é que possibilitou que as pessoas pudessem investigar por elas mesmas toda a podridão da corrupção que envolve o PT e a esquerda. E é exatamente por isso que o PT, em seu plano de governo, fala em controle social da mídia. Porque, onde já se viu as pessoas descobrirem que há corrupção no PT, ou que as pessoas saibam que o Lula ainda está sendo processado por outros crimes?"

Dávio Antonio Prado Zarzana Júnior - 22/10/2018

"Deviam divulgar a informação como aconteceu (Migalhas 4.466 - 22/10/18 - "Um soldado e um cabo" - clique aqui). Antes dele falar ele diz 'até brincar dizendo'. Saibam se colocar e ser imparcial."

Mara Dayany Almeida Brasil - 22/10/2018

"O esquema PTFolha está totalmente desacreditado (Migalhas 4.466 - 22/10/18 - "Eleições 2018 - Whats - PSL" - clique aqui). Pode ficar no ar à vontade. Em nada desequilibrará a decisão da maioria absolta dos eleitores brasileiros, que certamente reforçará o percentual da vitória, em segundo turno."

Miguel Martins Fernandes - 22/10/2018

"A toda evidência, não passa de um déspota esclarecido (Migalhas 4.466 - 22/10/18 - "Um soldado e um cabo" - clique aqui)!"

José Aranda Gabilan - 22/10/2018

"Para tentar denegrir a imagem de um filho do candidato, a mídia que trabalha para o concorrente - Globo e Folha da Manhã - é acompanhada por Migalhas (Migalhas 4.466 - 22/10/18 - "Um soldado e um cabo" - clique aqui). A infeliz frase do deputado não tem a menor importância, e o idoso FHC nem deve ser inquirido sobre este tipo de coisa. Lamentável!"

Joaquim do Amaral Schmidt - 22/10/2018

"Acerca da migalha, o ilustre cantor Renato Russo nunca esteve tão certo quando cantou: 'Ninguém respeita a Constituição, mas todos acreditam no futuro da nação' (Migalhas 4.466 - 22/10/18 - "Um soldado e um cabo" - clique aqui)."

Fernanda Teodora Carvalho - 22/10/2018

"'Tem que fechar o Supremo Tribunal Federal', Wadih Damous (Migalhas 4.466 - 22/10/18 - "Um soldado e um cabo" - clique aqui). 'Primeiro, deveria tirar todos os poderes do Supremo e ser só Corte Constitucional', José Dirceu. Aguardo matéria sobre isso."

Eneida Schiavon - 22/10/2018

"Não me lembro de comentários migalhenses favoráveis ou contrários desse porte quando o 'cumpanheiru' Wadih Damus (advogado e supostamente conhecedor da constituição brasileira) 'sugeriu' o fechamento do STF (Migalhas 4.466 - 22/10/18 - "Um soldado e um cabo" - clique aqui)! Foi falha técnica ou coerência da linha editorial do fabuloso rotativo?"

Luiz Antônio Rodrigues - 22/10/2018

"Quando Wadih Damous falou em fechar o STF em abril deste ano, não lembro de tanto estardalhaço, aliás, não lembro de qualquer comentário, assim como quando o 'Zé Dirceu' falou em entrevista recente que precisava retirar os poderes do STF e de investigação do MPF, nenhum comentário, porém, agora, um vídeo de junho deste ano, do filho do Bolsonaro, tem valor legal (Migalhas 4.466 - 22/10/18 - "Um soldado e um cabo" - clique aqui)? Infelizmente, cada dia me convenço que os apoios e fomentos das grandes bancas de advocacia, abastecidas pelos milhões do nosso dinheiro, surrupiados pelos PeTralhas, continuam influenciando este, um dia isento, informativo jurídico! Triste, muito triste!"

Lourival Pinho - 22/10/2018

"Um jovem deputado dizer bobagem, não é novidade, já uma plêiade de ministros do STF dizer o que Migalhas está divulgando, é algo preocupante (Migalhas 4.466 - 22/10/18 - "Um soldado e um cabo" - clique aqui). O jovem se deixou levar por uma provocação, questionando o que deveria ser feito se o STF desse um 'golpe' e cassasse a candidatura do pai, inventando uma artificialidade qualquer (uma coisa que supomos inimaginável, todos os que conhecemos nossos tribunais), e o jovem respondeu que isto seria um golpe e que haveria possivelmente uma confrontação. Sem dúvida, nesse caso hipotético, quem estaria despindo a magistratura de sua grandeza seria o próprio STF, ao prevaricar no exercício de seus poderes, como estão fazendo, agora, com essa série de disparates que estão sendo proferidos em nome dos ministros."

Eduardo W. de V. Barros - 22/10/2018

"Impressionante como qualquer coisa serve para tentar abalar a candidatura de Bolsonaro (Migalhas 4.466 - 22/10/18 - "Um soldado e um cabo" - clique aqui). Como li em um artigo muito feliz o voto em Bolsonaro é o voto em nós mesmos, como se pudêssemos, com as próprias mãos, buscar os valores morais e materiais que perdemos. Não pode um presidiário passar por preso político; preso político tem que ter ideologia e o analfabeto sequer deve saber o que é isso. Lula é um pau mandado de Maduro, e Haddad, o infeliz, pau mandado de Lula. Chega, a democracia exige cultura acima de tudo."

Aparecido Luiz Carlos Cremonezi - 22/10/2018

"Choro de perdedor (Migalhas 4.466 - 22/10/18 - "Eleições 2018 - Whats - PDT" - clique aqui). Cada uma."

Aparecido Gonçalves Ferreira - 22/10/2018

"Pois é, e pensar que 1,8 milhão de imbecis deram seu valioso voto a ele (Migalhas 4.466 - 22/10/18 - "Um soldado e um cabo" - clique aqui). Era melhor ter votado no Tiririca, que pelo menos é palhaço de profissão e tem mais educação. Compartilho da frase do escritor peruano Mário Vargas Llosa, Prêmio Nobel de Literatura, em recente entrevista à revista VEJA: 'os brasileiros estão entre padecer de aids ou de câncer terminal', referindo-se às opções que temos para a eleição presidencial."

José Fernando Azevedo Minhoto - 22/10/2018

"Frases que os 'juristas' e jornaleiros desconhecem por ignorancia: 'Ter-me-iam bastado um cabo e dois soldados para fechar o Congresso' - Jânio Quadros (Migalhas 4.466 - 22/10/18 - "Um soldado e um cabo" - clique aqui). Espanta-me o desconhecimento histórico dos brasileiros! Autoridades, juristas e advogados de hoje em dia. Eduardo Bolsonaro cita Jânio Quadros mudando o órgão de uma frase histórica e o mundo vem abaixo no movimento contra Bolsonaro! Analfabetos de plantão! Isto é História, não ameaça."

Tereza Andrade - 22/10/2018

"Parece expressar um sentimento cada vez mais latente da população, em face das demonstrações de uma pseudodemocracia a serviço de si mesma (Migalhas 4.466 - 22/10/18 - "Um soldado e um cabo" - clique aqui)."

Ricardo Alves de Souza - 22/10/2018

"É muito mimimi (Migalhas 4.466 - 22/10/18 - "Um soldado e um cabo" - clique aqui)! Muitos já falaram coisas piores e nada aconteceu. O deputado tem imunidade para expressar suas opiniões. E o STF para julgar tem que ser provocado. Que ação foi ajuizada para haver manifestação dos ministros sobre o tema? Ministros deveriam ser eleitos por tempo limitado e não serem vitalícios. Gostam de aparecer!"

Marcus Coelho - 23/10/2018

"É triste que o STF se preste ao papel de cabo eleitoral do PT (Migalhas 4.466 - 22/10/18 - "Um soldado e um cabo" - clique aqui). Levando em conta que o próprio plano de governo do PT, diga-se, registrado no TSE, inclui a criação de um órgão completamente externo para controle do Judiciário. A OAB ataca diuturnamente a independência dos magistrados, deputados do PT falam abertamente em fechar e remodelação do STF, porém, nada é dito! Lamentávelmente vemos instituições brasileiras flertando com a esquerda. Aonde vamos parar?"

Max Abrão - 23/10/2018

"Com o devido respeito que merece a matéria publicada referente a fala do filho do Bolsonaro quando se refere ao Supremo, entendo ser tendenciosa a forma que foi publicada a matéria por este respeitado meio de comunicação que é o Migalhas (Migalhas 4.466 - 22/10/18 - "Um soldado e um cabo" - clique aqui). É lamentável a forma que o filho do Bolsonaro se dirige ao Supremo. Mas o ex-presidente Lula já falou coisas muito piores sobre a Suprema Corte e isso não foi levado em consideração na matéria publicada. A título de exemplo em 17/3/2016, o ministro do STF Celso de Mello teve que se pronunciar a respeito da fala do ex-presidente Lula, que chamou a Suprema Corte de 'covardes'. Portanto, temendo a parcialidade e zelando pela isonomia, que deve prevalecer neste importante meio de comunicação, entendo que a matéria deveria ser sob a imagem que se paira sob o Supremo Tribunal onde qualquer pessoa,  qualquer bandido ou político ou político bandido, zomba da Suprema Corte Maior, sem qualquer resposta efetiva. Será que a moral do Supremo está abalada ou porque a liberdade de expressão não tem limites? Independente da resposta da pergunta acima, o Migalhas apresentou matéria tendenciosa, assim como está fazendo claramente algumas emissoras de TV. Não voto no Bolsonaro, mas a matéria ficaria melhor apresentada e apreciada em sendo publicada constando a fala ridícula do filho do Bolsonaro sobre o Supremo bem como, pelo menos, com  uma das várias vezes que o ex-presidente Lula desqualificou a Suprema Corte. Mostrando assim as duas faces da moeda e questionando a imagem e o papel do Supremo."

João Machado - 23/10/2018

"Cadê a declaração do ministro do STJ (Migalhas 4.466 - 22/10/18 - "Um soldado e um cabo" - clique aqui)?"

Elías Sérgio Ribeiro de Barros - 23/10/2018

"Migalhas representava, até algum tempo atrás, um oásis para mim. Porque fazia um jornalismo correto do ponto de vista técnico e intelectualmente honesto. Nem sempre a análise inserida na informação trazida por Migalhas coincidia com a minha avaliação do fato, mas, gostando ou não, concordando ou não, havia verdade na informação e coerência na análise. Sempre que surgia um fato jurídico ou político controverso na mídia, eu esperava o informativo sair do forno para só então formar minha própria opinião. Por isso, esse segundo turno das eleições tem sido desolador para mim. Tenho percebido uma parcialidade excessiva, que beira a má-fé intelectual, por parte de Migalhas. Após a cobertura tendenciosa realizada ontem acerca da baboseira dita pelo deputado Eduardo Bolsonaro, hoje me deparei com um Editorial novamente parcial em Migalhas, além das notas que vieram logo abaixo; e isso tudo apesar das dezenas de 'migalhas dos leitores' cobrando isenção deste rotativo e alertando para o duplo padrão moral que vem sendo empregado na cobertura das eleições. Apenas para citar mais um exemplo recente, Migalhas não deu uma notinha sequer sobre as manifestações pró-Bolsonaro que aconteceram no último domingo, que possivelmente traduziram o maior movimento popular da nossa história; mostrando uma total desconexão com seus leitores migalheiros e com a própria sociedade. Como é possível um informativo do nível de Migalhas, a pretexto de defender os ideais democráticos e a liberdade, apoiar (ainda que indiretamente) o candidato de um partido como o PT, que enquanto esteve no poder agrediu de todas as formas possíveis a nossa democracia e liberdade de pensamento, e não só na teoria (como fez o deputado Eduardo Bolsonaro), mas na prática, usando como armas a fraude eleitoral, o controle de parte da mídia via financiamento público e a corrupção do parlamento. Migalhas e a mídia em geral estão perdendo a preciosa oportunidade de fazer uma cobertura digna e uma análise sincera de um momento histórico do nosso país. Enquanto vocês continuam no seu fantástico mundo da 'revolução contra a ditadura', a sociedade está buscando informação nos blogs independentes e usando as mídias sociais para fazer a necessária transformação que a autointitulada 'elite intelectual', por incompetência ou conivência, não promoveu. E vejam: não se trata aqui de gostar ou concordar com o candidato Jair Bolsonaro. Seria possível fazer uma cobertura dos fatos de forma verdadeira e uma análise honesta, ainda que crítica. Ou então assumir de uma vez por todas um lado. Goste-se ou não da revista 'Carta Capital', ninguém pode acusá-la de enganar seus leitores, fingindo ser uma coisa para 'vender' outra."

Shirlei Cruz - 23/10/2018

"Deixem Oxalá fora disto (Migalhas 4.467 - 23/10/18 - "1")!"

Fernanda Fernandes Conceição - 23/10/2018

"O vídeo de Eduardo Bolsonaro respondendo questão esdrúxula em cursinho de vestibular, causou declarações indignadas em defesa do STF, da democracia e da Constituição. A rede Globo deu ampla repercussão ao vídeo e abriu espaço para comentários de todos que criticaram o autor. O ministro Alexandre de Moraes quer que ele seja condenado por incitação das Forças Armadas às instituições!  FHC, fundador do Foro de São Paulo, juntamente com Lula, Fidel Castro, chefe das FARCS, que quer implantar o comunismo nas Américas, considerou-o como fascista. Raul Jungmann e Lulahaddad fazem declarações contra o vídeo, apesar dos esclarecimentos do autor sobre o ambiente em que foi feito, sem qualquer intenção de provocar o fechamento do STF, por um cabo e um soldado da conhecida chiste popular. Tudo isso soa exagerado, quando nos perguntamos onde estavam os defensores do STF, da democracia e da Constituição, quando Lewandowski, presidente do Tribunal do impeachment de Dilma Rousseff, desvirtuou o texto constitucional, em decisão monocrática, não submetida ao plenário, e manteve os direitos políticos de Dilma? Onde estavam os indignado, quando o então PGR Geraldo Brindeiro engavetava pedidos de investigação contra os ilícitos de FHC, como a compra de votos para aprovar sua reeleição? Ou quando o TSE, presidido por Gilmar Mendes, engendrou a farsa do julgamento da chapa Dilma-Temer por crime eleitoral, desconsiderando provas pedidas por ele mesmo? Ou quando Gilmar Mendes liberta condenados em segunda instância a torto e a direito, afrontando decisão contrária existente na Corte? Cadê o CNJ? O que faziam quando o militante do PCdoB, Urias Rocha, convoca seu grupo para 'estourar as cabeças dos juízes'? Ou Zé Dirceu, ao defender a redução dos poderes do MP e que o STF que não tem razão de existir? Quando o deputado Wadih Damous (PT) em vídeo planejado, ataca Moro, acusa Raquel Dodge e diz que 'tem que fechar o STF', e tudo fica por isso mesmo? Quando Lularápio (PT) diz que: o STF se acovardou; que tem votos contados dos ministros; que o impeachment foi 'golpe'; que a Justiça persegue a ele e ao PT; que ele é um preso político; é inocente e foi 'condenado sem provas' e divulga isso ao mundo e nada acontece? Onde estavam esses indignados? O presidente do Supremo, Dias Toffoli, disse que não viu no vídeo qualquer intenção de ameaça."

José Renato Almeida - 23/10/2018

"Caro migalheiro José Renato Almeida, compreendo sua irresignação e compartilho dela. O duplo padrão moral empregado não só por Migalhas, mas pela mídia e parte da classe jurídica, é insuportável para aqueles que têm vergonha na cara. Mas felizmente não são mais donos da informação e, com o advento da internet, o jornal de ontem não serve só para embrulhar peixe na feira. A 'elite intelectual' está 'mordida' com isso. A entrevista do dr. Miguel Reale (que merece todo o respeito e admiração) é um exemplo. Tudo que não advém do pensamento da esquerda é fascista e antidemocrático. A esquerda têm licença institucional para falar as maiores barbaridades. A questão é que ninguém aguenta mais essa falácia de golpe, fascismo e ditadura! Não vi tanque de guerra nas ruas. O que temos visto é uma manifestação popular, espontânea, legítima, democrática, que vai eleger nas urnas o próximo presidente."

Shirlei Cruz - 24/10/2018

"Ministros do STF acompanhados por uma legião de vivandeiras manifestaram perplexidade por uma suposta frase que o deputado Eduardo Bolsonaro teria dito (e não disse!), no sentido de que 'para fechar o STF basta um soldado e um cabo'. Ocorre que essa falácia jamais foi pronunciada pelo parlamentar que, na verdade, apenas fez uma citação do que ele teria ouvido - mesmo assim em tom de brincadeira -, exatamente nestes termos: 'O pessoal até brinca lá, cara, se quiser fechar o STF você sabe o que você faz? Não manda nem um jipe, manda um soldado e um cabo'. Intencionalmente foi suprimida a primeira parte da frase ('o pessoal até brinca lá, cara'), sendo divulgado apenas a segunda parte ('se quiser fechar o STF...') para deturpar a frase. É de se estranhar que o próprio STF se preste a criar 'fake news' para atender a meros caprichos pessoais de seus integrantes que, por outro lado, se omitem em ações e condutas graves provocados por seus próprios pares. Algumas dessas condutas são passíveis, inclusive, de processo por crime de responsabilidade."

Milton Córdova Junior - 26/10/2018

"Ainda é tempo de acolher cidadania.

Ainda é tempo de pensar no bem do amor.

Ainda é tempo de impedir-se tanta dor.

Ainda é tempo de opor-se à covardia.

Ainda é tempo de evitar tanta fobia.

Ainda é tempo de querer a liberdade.

Ainda é tempo de lembrar-se da amizade.

Ainda é tempo de salvar o seu irmão.

Ainda é tempo de amar esta nação.

Ainda é tempo de votar Manu/Haddad."

Greg Marinho Passos - 26/10/2018

"Valeu a tentativa, mas meu voto ainda é contra a corrupção que saqueou os cofres públicos, contra ditadores disfarçados de democratas, contra a incompetência criminosa que destruiu o país, contra a hegemonia da esquerda, contra a doutrinação ideológica nas universidades públicas e privadas, contra a invasão e destruição da propriedade privada, contra a sindicalização do serviço público, contra a extorsão praticada pelos sindicatos em face dos empresários, contra o aparelhamento do Estado, da mídia, das universidades e da imprensa, contra o crime organizado. Meu voto é a favor da democracia, da ordem, do direito à independência de pensamento, da valorização da livre iniciativa e da meritocracia e de um governo que esteja mais preocupado com o meu emprego, segurança, educação e saúde do que com minha orientação sexual. Meu voto é #17!"

Shirlei Cruz - 26/10/2018

Comente

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

WhatsApp Telegram