sábado, 24 de outubro de 2020

ISSN 1983-392X

Artigo - Valor da vida

de 18/11/2018 a 24/11/2018

"Os bandidos adoram quem pensa assim (Migalhas 4.483 – 19/11/18 - "Valor da vida" – clique aqui). Sabem que continuarão vivos por mais tempo e abatendo quem quer que seja que lhes afronte o direito de ser criminoso. Essas teorias parecem nascidas do pressuposto de que há o direito a ser criminoso, embora cabível aplicação de pena. Entendo que muito melhor que aplicar penas é evitar que o bem-estar social seja violado. E, na situação a que chegamos, apoio inteiramente o governador. Esperar que o portador do rifle o aponte, e para um alvo vivo, para que seja abatido, como se a simples empunhadura da arma de guerra não fosse suficiente para tipificar a legítima defesa, é menoscabar a vida dos inocentes e supervalorizar a de quem não tem respeito pela vida alheia. 'Me desculpe!'."

Sergio Dubeux - 19/11/2018

"Dr. Celso Mori, com maestria, nos lembra que um governador não pode agir como um comandante militar em uma guerra (Migalhas 4.483 – 19/11/18 - "Valor da vida" – clique aqui). Se a este, em um conflito bélico declarado na forma da Constituição, permite o Direito que se abata o inimigo armado, àquele, não dá nossa Constituição tal poder."

Eduardo Szazi - escritório Szazi Bechara Storto Rosa Figueiredo Lopes Advogados - 19/11/2018

"Bem, a minha sugestão para resolver esse impasse é muito simples: toda vez que a Polícia for subir o morro, ela deverá ser composta por um membro da Comissão de Direitos Humanos ou por qualquer humanista voluntário, para que ele faça o diálogo de paz com o marginal, ou seja, vá até ele e o convença a largar a arma e a se entregar (Migalhas 4.483 – 19/11/18 - "Valor da vida" – clique aqui); contudo, se tal estratégia falhar, então... fogo!"

Antonio Carlos de Brito – escritório Ronaldo Martins & Advogados - 19/11/2018

"Deem um ramalhete de flores para o ilustre causídico (Migalhas 4.483 19/11/18 - "Valor da vida" – clique aqui) e mandem ele tentar trocar as flores pelos fuzis com os traficantes..."

Paulo Batista - 20/11/2018

"'Portador não autorizado de fuzil' é uma figura interessante de linguagem, principalmente se o colega estiver olhando para o cano da arma (Migalhas 4.483 19/11/18 - "Valor da vida" – clique aqui)."

Eduardo W. de V. Barros - 20/11/2018

"Pergunta pra ele se todo o argumento que ele colocou será suficiente para os meliantes deixarem de usar fuzis? Se ele conseguir parabéns senão não será possível outro caminho (Migalhas 4.483 – 19/11/18 - "Valor da vida"clique aqui)."

Páscoal Humberto Bassora - 20/11/2018

Comente

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

WhatsApp Telegram