terça-feira, 20 de outubro de 2020

ISSN 1983-392X

Sérgio Moro

de 18/11/2018 a 24/11/2018

"Caros amigos de Migalhas, há muitos anos tenho a imensa satisfação de poder acompanhá-los, e por muitas vezes tive a vontade de parabenizá-los por determinada matéria ou mesmo algum ponto de vista, mas pelos mais variados motivos, tais elogios acabavam sendo comentados apenas com meus interlocutores mais próximos, ou mesmo com meus alunos. Dessa vez, entretanto, em que vocês diária e incansavelmente escancararam - ao contrário da imensa maioria da imprensa - a esdrúxula situação envolvendo as 'férias' do ministro, digo, juiz  Moro, não queria deixar passar in albis tal oportunidade. Tenho absoluta convicção de que, se hoje S. Exa. solicitou a exoneração, muito se deve à crítica posição migalhareira (Migalhas quentes – 16/11/18 – clique aqui). Sem nenhum juízo de valor partidário, estou certo de que essa atitude só fez bem ao 'futuro' ministro, ao vindouro governo e, indubitavelmente, ao próprio Poder Judiciário. Parabéns pela firme posição! Sigam firme nessa toada! Recebam o afetuoso abraço de um migalhareiro orgulhoso."

Márcio Faria - 19/11/2018

"Acho que ele não merecia ter recebido nenhuma pressão para abandonar um cargo conquistado por mérito, por concurso, ao passo que vemos outros aí que não são concursados e estão nos mais altos graus! Enfim, ele deve saber porque fez o pedido de exoneração! Lamentável a desconsideração dos valores, culminando com seu desligamento de um cargo que soube honrar! Por que ele não poderia estar em licença, enquanto exerce outras funções?"

Marília Duarte - 21/11/2018

"Quando era juiz, estava acostumado a suportar pressão de todos os lados, inclusive de sites patrocinados por (grandes) escritórios de advocacia. Virou 'político' e abriu o bico rapidamente, preocupado com a opinião pública."

José Fernando Azevedo Minhoto - 21/11/2018

"Que horror! Vivemos uma época de infantilização coletiva em que pedidos de desculpas 'quebram os galhos' dos malfeitos e em que um magistrado age em questão de seus direitos e deveres funcionais para atender a pedidos. Na verdade, não havia nada errado na sua atitude anterior, mas agora há tudo de errado nessa nova atitude. É só pensar..."

Eduardo W. de V. Barros - 21/11/2018

"Concurso para a magistratura é muito difícil e exige muito estudo, mas a judicatura oferece garantias que nenhum outro cargo proporciona, dentre elas a independência funcional. Trocar isso depois de 22 anos por um cargo subalterno e demissível 'ad nutum' apenas para alimentar um sonho de poder, a meu ver, é um passo no escuro. O ex-juiz é um homem do Direito mas terá que dizer 'sim' sempre a um homem que endeusa a força e acha que fechar o STF não é problema (pelo menos é que o deixou transparecer, dado o pouco caso com a assertiva do seu pimpolho), por isso creio que o 'encanto' se quebrará em breve tempo e aquele irá se arrepender (sem demonstrar publicamente) da opção arriscada que fez."

José Fernando Azevedo Minhoto - 21/11/2018

"Moro representa um macaquinho no meio de leões famintos. Mas vai ganhar de qualquer maneira, pelo menos uma vaguinha no STF."

Luzio Garcia Junior - 22/11/2018

"Pronto, era só o que faltava: Migalhas agora quer que Moro trabalhe com os inimigos da Lava Jato."

Abílio Neto - 22/11/2018

Comente

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

WhatsApp Telegram