segunda-feira, 26 de outubro de 2020

ISSN 1983-392X

Artigo - E o desembargador perguntou ao candidato: "– Doutor, qual a diferença entre ab-rogar e ad-rogar?"

de 7/1/2007 a 13/1/2007

"Lendo a história do exame oral, em que o Desembargador embaraçou o candidato a juiz, lembrei-me de um fato real, acontecido há mais de 50 anos, quando havia exame oral no vestibular de Direito (Migalhas 1.573 – 12/1/07 – "Vejam só:", Eduardo Sabbag – clique aqui). Após a prova escrita, um professor quis identificar, no dia do exame oral, determinado candidato que o 'impressionara': - Senhor Fulano, queira vir à lousa. Escreva a palavra 'sucesso'. O vestibulando caprichou na caligrafia e, em letras desenhadas, escreveu 'çuçeço', tal como fizera na prova escrita (pelo menos era coerente, não arriscava cruzinha na base do par ou ímpar em questão de múltipla escolha: sabia, tinha convicção do que saía de sua caneta). Ante o riso da classe, o professor perguntou: - onde o senhor já viu 'ç' começando palavra na língua portuguesa? Onde o senhor já viu 'ç' antes de 'e', ... e, antes que o professor prosseguisse para apontar, eventualmente, um erro na terceira sílaba, no terceiro uso de 'ç', o aluno interrompeu: - mas professor, se tirar os cedilhas fica 'cu seco'!"

João Celso Neto - 12/1/2007

Comente

Cadastre-se para receber o informativo gratuitamente

WhatsApp Telegram